Vaticano

"Contentamo-nos com alguma formalidade religiosa para ter a consciência tranquila?"

Na audiência de quarta-feira, o Papa Francisco encorajou-nos a seguir Cristo com determinação, sabendo que "o efémero bate muitas vezes à porta, mas é uma triste ilusão, que nos faz cair na superficialidade e nos impede de discernir o que realmente vale a pena viver".

David Fernández Alonso-1 de Setembro de 2021-Tempo de leitura: 3 acta
audiência papa francisco

Foto: ©2021 Catholic News Service / U.S. Conference of Catholic Bishops.

O Papa Francisco comentou outra passagem da carta de S. Paulo aos Gálatas durante a audiência de quarta-feira. Nas catequeses precedentes", começou Francisco, "vimos como o Apóstolo Paulo mostra aos primeiros cristãos da Galatia o perigo de abandonar o caminho que começaram a seguir para acolher o Evangelho". Na realidade, o risco é o de cair no formalismo e negar a nova dignidade que receberam. A passagem que acabámos de ouvir abre a segunda parte da Carta. Até este ponto, Paulo falou da sua vida e da sua vocação: de como a graça de Deus transformou a sua existência, colocando-a completamente ao serviço da evangelização. Neste momento, questiona directamente os Galatianos: confronta-os com as escolhas que fizeram e com a sua condição actual, o que poderia anular a experiência de graça que viveram".

"Os termos com os quais o apóstolo se dirige aos Gálatas não são educados. Nas outras letras é fácil encontrar a expressão "irmãos" ou "muito amados", mas não aqui. Ele diz genericamente "Galatianos" e em duas ocasiões chama-lhes "tolos". Isto não é por serem pouco inteligentes, mas porque, quase sem se aperceberem, correm o risco de perder a fé em Cristo que abraçaram tão entusiasticamente. São tolos porque não percebem que o perigo é o de perder o precioso tesouro, a beleza da novidade de Cristo. A maravilha e a tristeza do Apóstolo são evidentes. Não sem amargura, ele provoca estes cristãos a lembrarem-se da primeira proclamação que fez, através da qual lhes ofereceu a possibilidade de adquirirem uma liberdade até então inesperada".

"O apóstolo dirige perguntas aos Galatianos numa tentativa de abalar as suas consciências. Estas são questões retóricas, pois os Gálatas sabem muito bem que a sua chegada à fé em Cristo é fruto da graça recebida através da pregação do Evangelho. A palavra que tinham ouvido de Paulo centrou-se no amor de Deus, plenamente manifestado na morte e ressurreição de Jesus. Paulo não encontrou expressões mais convincentes do que aquela que provavelmente repetira várias vezes na sua pregação: "Já não sou eu que vivo, mas Cristo vive em mim; a vida que agora vivo na carne, vivo pela fé no Filho de Deus que me amou e se entregou por mim" (Gl 2,20). Ele não queria saber mais nada além de Cristo crucificado (cf. 1 Cor 2,2). Os Galatianos devem olhar para este evento, sem serem distraídos por outros anúncios. Em suma, a intenção de Paulo é colocar os cristãos no local para que se apercebam do que está em jogo e não se deixem encantar pela voz das sirenes que os querem conduzir a uma religiosidade baseada apenas na observância escrupulosa dos preceitos.

"Os Gálatas, por outro lado, compreenderam muito bem aquilo a que o apóstolo se referia. Certamente, tinham experimentado a acção do Espírito Santo na comunidade: como nas outras Igrejas, assim também entre elas a caridade e vários carismas se tinham manifestado. Quando foram colocados no local, tiveram necessariamente de responder que o que tinham experimentado era o fruto da novidade do Espírito. Assim, no início da sua chegada à fé, houve a iniciativa de Deus, não dos homens. O Espírito Santo tinha sido o protagonista da sua experiência; colocá-lo agora em segundo plano a fim de dar primazia às suas próprias obras seria uma tolice.

"Desta forma, S. Paulo convida-nos também a reflectir sobre a forma como vivemos a nossa fé. E o Papa coloca algumas questões a todos os fiéis: "Será que o amor de Cristo crucificado e ressuscitado permanece no centro da nossa vida quotidiana como fonte de salvação, ou será que nos contentamos com alguma formalidade religiosa para termos uma consciência limpa? Será que estamos apegados ao precioso tesouro, à beleza da novidade de Cristo, ou será que preferimos algo que nos atrai no momento, mas que depois nos deixa com um vazio interior? O efémero bate muitas vezes à porta dos nossos dias, mas é uma triste ilusão, que nos faz cair na superficialidade e nos impede de discernir aquilo por que realmente vale a pena viver. Portanto, mantemo-nos firmes na certeza de que mesmo quando somos tentados a virar as costas, Deus continua a conceder os seus dons. É isto que o apóstolo reitera aos Gálatas, recordando que é o Pai "que vos dá o Espírito e faz milagres entre vós" (3,5). Ele fala para o presente - "dá", "trabalha" - não para o passado. Pois, apesar de todas as dificuldades que possamos colocar no caminho das suas acções, Deus não nos abandona, mas permanece connosco no seu amor misericordioso. Peçamos a sabedoria de realizar sempre esta realidade.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.