Vaticano

"Não nos surpreendamos se Jesus Cristo nos coloca em crise".

O Papa Francisco comentou o Evangelho de hoje durante a oração do Angelus na Praça de São Pedro, encorajando os fiéis a deixarem-se provocar e converter pelas palavras de Jesus Cristo de vida eterna.

David Fernández Alonso-22 de Agosto de 2021-Tempo de leitura: 3 acta
angelus Papa Francisco

Foto: ©2021 Catholic News Service / U.S. Conference of Catholic Bishops.

O Papa Francisco rezou o Angelus da Praça de S. Pedro no domingo de S. Maria Rainha. "O Evangelho da liturgia de hoje", começou o Santo Padre, "mostra-nos a reacção da multidão e dos discípulos ao discurso de Jesus após o milagre dos pães". Jesus convidou-nos a interpretar este sinal e a acreditar nele, que é o verdadeiro pão que desce do céu, o pão da vida; e revelou que o pão que ele dará é a sua carne e sangue.

O Papa regista a reacção de muitos discípulos, que o deixam a partir desse momento. "Estas palavras soaram duras e incompreensíveis aos ouvidos do povo, tanto que, a partir daquele momento, muitos dos discípulos voltaram atrás, ou seja, deixaram de seguir o Mestre (vv. 60.66). Jesus perguntou então aos Doze: "Quereis vós também ir embora?" (v. 67), e Pedro, em nome de todo o grupo, confirma a decisão de ficar com ele: "Senhor, a quem iremos nós? Tendes as palavras da vida eterna, e nós acreditamos e sabemos que sois o Santo de Deus" (v. 67).Jn 6,68-69)".

"Detenhamo-nos brevemente na atitude dos que se retiram", encorajou Francisco, "eles voltam atrás e decidem não seguir mais Jesus. De onde vem esta descrença? Qual é a razão desta rejeição"?

"As palavras de Jesus suscitam grande escândalo. Ele está a dizer-nos que Deus escolheu manifestar-se e trazer salvação na fraqueza da carne humana. A encarnação de Deus é o que causa escândalo e o que para estas pessoas, mas muitas vezes também para nós, representa um obstáculo. Na verdade, Jesus afirma que o verdadeiro pão da salvação, aquele que transmite a vida eterna, é a sua própria carne; que para entrar em comunhão com Deus, antes de observar as leis ou cumprir os preceitos religiosos, é necessário viver uma relação real e concreta com Ele. Isto significa que não devemos procurar Deus em sonhos e imagens de grandeza e poder, mas devemos reconhecê-lo na humanidade de Jesus e, consequentemente, na dos irmãos e irmãs que encontramos no caminho da vida. Deus tornou-se carne e sangue: rebaixou-se a ser homem como nós, humilhou-se ao ponto de tomar sobre si os nossos sofrimentos e o nosso pecado, e por isso pede-nos que o procuremos não fora da vida e da história, mas na nossa relação com Cristo e com os nossos irmãos e irmãs.

"Hoje", assegura-nos o Papa, "mesmo a revelação de Deus na humanidade de Jesus pode causar escândalo e não é fácil de aceitar. Isto é o que São Paulo chama a "loucura" do Evangelho perante aqueles que procuram milagres ou sabedoria mundana (cf. 1 Co 1, 18-25). E este "escândalo" é bem representado pelo sacramento da Eucaristia: que sentido pode haver, aos olhos do mundo, em ajoelhar-se perante um pedaço de pão? Por que devemos comer assiduamente este pão"?

"Diante do gesto prodigioso de Jesus que alimenta milhares de pessoas com cinco pães e dois peixes, todos o aclamam e querem levá-lo em triunfo. Mas quando ele próprio explica que este gesto é um sinal do seu sacrifício, ou seja, do dom da sua vida, da sua carne e sangue, e que quem o quiser seguir deve assimilá-lo, deve assimilar a sua humanidade dada por Deus e pelos outros, então não, este Jesus já não está a ir bem. Caros irmãos e irmãs, não nos surpreendamos se Jesus Cristo nos coloca em crise. Pelo contrário, preocupemo-nos se ele não nos coloca em crise, porque talvez tenhamos diluído a sua mensagem! E peçamos a graça de nos deixarmos provocar e converter pelas suas "palavras de vida eterna". Que Maria Santíssima, que deu à luz o seu Filho Jesus na sua carne e se uniu ao seu sacrifício, nos ajude a dar sempre testemunho da nossa fé através da nossa vida concreta".

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.