Mundo

Sul do Sudão: emergência humanitária não chega a acordo

Omnes-30 de Maio de 2018-Tempo de leitura: 2 acta

Instados pela fome e por um êxodo em massa para os países vizinhos, o governo do Sul do Sudão e os grupos de oposição reuniram-se em Adis Abeba (Etiópia) com a Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento (IGAD) para tentar conciliar posições, mas poucos progressos foram feitos.

Texto - Edward Diez-Caballero, Nairobi

Os números da UNICEF de há um ano estão desactualizados. Quase 1,8 milhões de pessoas, incluindo mais de um milhão de crianças, foram forçadas a fugir das suas casas no Sul do Sudão para países vizinhos como a Etiópia, Quénia e Uganda, devido à guerra civil que começou em 2013.

Além disso, mais 1,4 milhões de crianças vivem em campos de deslocados no interior do país. "O futuro de uma geração está realmente em jogo", disse Leila Pakkala do Fundo das Nações Unidas para a Infância, no ano passado. "A horrível realidade de quase uma em cada cinco crianças no Sul do Sudão ter tido de fugir das suas casas ilustra como este conflito é devastador para os mais fracos do país", acrescentou ela.

Há algumas semanas, o Secretário Humanitário da ONU Mark Lowcock disse que o conflito (guerra civil) no Sul do Sudão causou a deslocação de cerca de 4,3 milhões de pessoas, quase um terço da população do país, enquanto sete milhões necessitam de assistência humanitária urgente.

Lowcock apelou às partes em conflito que cessassem imediatamente as hostilidades, falando aos repórteres na capital, Juba, no final de uma visita de dois dias ao Sul do Sudão. O representante da ONU salientou que "o conflito no Sul do Sudão entrou no seu quinto ano, a população continua a sofrer de forma inimaginável e o processo de paz não deu até agora frutos". "A economia entrou em colapso e os combatentes estão a seguir uma política de terra queimada, com mortes e violações em violação do direito internacional", acrescentou ele.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.