Cultura

História da Via Sacra no Coliseu

Em 2022, o Vaticano anunciou que dois anos após a suspensão devido à pandemia, o Papa voltaria a presidir à celebração das Estações da Cruz no Coliseu de Roma. Tanto em 2020 como em 2021 esta devoção foi celebrada na Piazza San Pietro e de uma forma muito limitada.

Maria José Atienza-20 de Abril de 2022-Tempo de leitura: 2 acta
via crucis coliseum

Testo originale del articolo em inglês qui
Traduzione: Lino Bertuzzi

A tradição da Via Sacra em Roma enraizou-se no século XX, quando um grupo de fiéis começou a reunir-se em torno do missionário francês Leonardo da Porto Maurizio no convento de San Bonaventura, no Monte Palatino, no primeiro domingo de manhã, para rezar a Via Sacra.

Este sacerdote foi um dos grandes promotores da devoção à Via Sacra, devido ao fervor que esta prática de piedade despertou naqueles que a praticavam. A este missionário francês, de facto, é atribuída a criação de mais de meio milhar de Estações da Cruz, só em Itália. Leonardo da Porto pediu ao Papa Bento XIV que lhe permitisse formar uma confraria e organizar a Via Sacra no Anfiteatro Flamengo, a fim de se juntar a estes pregadores uma série de meditações sobre a Paixão de Jesus. O Papa aceitou e confiou a criação da associação ao Cardeal Vigário Giovanni Antonio Guadagni. Entretanto, o Papa ordenou a restauração dos quarenta e quatro edifícios que já se encontravam em redor da arena. 

A autorização foi concedida a 13 de Dezembro de 1749 e, após alguns meses, iniciaram-se os trabalhos de construção das quatro Estações da Cruz no interior do Coliseu. 

O Coliseu foi um local de veneração desde o século V, dentro do qual foi erguida a Capela da Pietà no século XV. De facto, nas décadas anteriores, o Coliseu tinha acolhido representações sagradas, e o Papa Clemente X tinha-o consagrado à memória da Paixão. No entanto, quando o pedido de Leonardo de Porto Maurizio chegou, o monumento já estava há muito em desuso e em condições bastante deploráveis.

A nova Archconfraternidade dos Irmãos de Jesus e Maria no Calvário foi erigida a 17 de Dezembro de 1750 e dez dias depois, os edifícios e a cruz do Coliseu foram abençoados. Desde então, a Arquiconfraria tem seguido o rito da Via Sacra todas as sextas e domingos, em vários aniversários e durante a Semana Santa, ao longo da Via Sacra até ao Anfiteatro Flamengo. Durante cerca de 100 anos, a prática da Via Crucis no Coliseu teve uma grande participação de fiéis, mas declinou quando a cruz foi removida em 1874 devido à renovação de edifícios na área abaixo.

Em 1926, a cruz foi mais tarde devolvida ao chão do circo. A grande Cruz da Arquiconfraria dos Irmãos de Jesus e Maria do Calvário está na igreja de San Gregorio Magno dei Muratori desde 1937. Em 1959 S. João XXIII restaurou o rito da Via Sacra no Coliseu, e pouco depois S. Paulo VI restabeleceu este santo exercício. Desde então, os sucessivos Papas têm pregado publicamente esta Via-Sacra no Venerdì Santo, juntamente com centenas de fiéis que, todos os anos, recordam e meditam a Paixão do Senhor, juntamente com as sofisticações antigas e modernas da humanidade sobre a ardósia do anfiteatro.

Leia mais
Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.