Vaticano

Doutrina Social, Santa Ana e São Francisco de Laval: Segunda etapa da Jornada Papal

Francisco procurou injectar esperança nos nativos, optimismo nos padres, e doutrina social nos políticos, no palco francófono da sua peregrinação penitente.

Fernando Emilio Mignone-29 de Julho de 2022-Tempo de leitura: 8 acta

Foto: fim da missa em St Anne's.

O Papa Francisco continua a sua visita ao Canadá, a que ele próprio chamou uma peregrinação penitencial. Nesta segunda paragem na província de Quebec, o Papa encontrou-se com as autoridades canadianas, celebrou a Santa Missa para os indígenas e outros peregrinos num santuário em Beaupré, e celebrou as Vésperas com o clero e os agentes pastorais. Hoje ele conclui a sua visita a esta província em grande parte francófona, e voa para Iqaluit.

Masterclass sobre doutrina social

O Papa ouviu primeiro o Primeiro Ministro Justin Trudeau e depois a Governadora Geral Inuit Mary Simon (representando a Rainha Isabel II e sentada à direita do Pontífice - no coração do Québec autonomista).

Francisco deu uma aula magistral sobre a doutrina social da Igreja. Isso foi a 27 de Julho às 17 horas, antes de Bergoglio mergulhar com o seu popemobile num banho de gente - os milhares de entusiastas que o seguiam num ecrã gigante no parque histórico das Planícies de Abraão (onde em 1759 os ingleses derrotaram finalmente os franceses). O discurso do chefe do Estado do Vaticano foi proferido numa atmosfera de protocolo. Era evidente que o Papa tinha feito o seu trabalho de casa. Ele queria inspirar-se no símbolo canadiano quintessencial, a folha de ácer.

Já "os povos nativos extraíam seiva dos áceres a partir dos quais faziam xaropes nutritivos". Através da sua diligência, estavam atentos à salvaguarda da terra e do ambiente, fiéis a uma visão harmoniosa da criação... que ensina o homem a amar o Criador e a viver em simbiose com outros seres vivos. Há muito a aprender com a sua capacidade de ouvir a Deus, às pessoas e à natureza. Precisamos dele... no turbilhão de hoje... caracterizado por uma constante".acelerar"que dificulta um desenvolvimento verdadeiramente humano, sustentável e integral (ver Laudato si'18), gerando em última análise uma "sociedade de cansaço e desilusão", que precisa de contemplação, o gosto genuíno das relações". 

"As grandes folhas de ácer ... absorvem ar poluído e restauram o oxigénio, maravilham-se com a beleza da criação e ... os valores saudáveis presentes nas culturas indígenas são uma inspiração para todos nós e podem ajudar-nos a curar os hábitos prejudiciais da exploração ... da criação, das relações, do tempo".

Pediu desculpa pela enésima vez, lamentando as políticas passadas de assimilação e de desengajamento e desculturação (o neologismo é meu). Ele repetiu que "é trágico quando alguns crentes, como aconteceu naquele período histórico, não se conformam com o Evangelho, mas com as conveniências do mundo". Foi um sistema deplorável promovido pelas autoridades governamentais da época" e não pelas igrejas católica, anglicana e presbiteriana (compreende-se). 

Para além disso, o professor de filosofia política fez duas observações. Primeiro, que os cristãos também fizeram um grande bem. A fé desempenhou um papel essencial na formação dos mais altos ideais canadianos. Segundo, que as autoridades de hoje podem estar a pecar da mesma forma. Claro, disse tudo muito diplomaticamente, mas é bem conhecido que o dedo indicador aponta para o dedo médio, o anelar e o dedo pequeno.

Citando a sua amada Querida AmazóniaO professor deu uma lição aos presentes, acusadores do passado, sobre a actual colonização ideológica. Não faltam hoje "colonizações ideológicas que ... asfixiam o apego natural aos valores dos povos, tentando desenraizar as suas tradições, a sua história e os seus laços religiosos". É uma mentalidade que presume ter ultrapassado 'as páginas negras da história'".

Por exemplo, no Quebec, falamos frequentemente sobre la grande noirceur antes de 1960. Esta mentalidade dá origem à cultura do cancelamento, que julga o passado apenas em termos de algumas categorias actuais. É assim que se instala uma moda cultural que uniformiza tudo e não tolera diferenças, que se concentra apenas no momento presente, nas necessidades e direitos dos indivíduos: negligencia os deveres para com os mais fracos e frágeis: os pobres, os migrantes, os idosos, os doentes, os nascituros! Tanto quanto sei, o Canadá é o único país do mundo que não regula o aborto, ou seja, que permite a lei da selva sobre esta questão. Não só isso, mas também se orgulha de exportar o aborto, e assim coloniza. O Papa insistiu que estes fracos são esquecidos pelas sociedades de assistência social e que "na indiferença geral, são descartados como folhas secas para serem queimados".

Além disso, tal como cada folha de uma árvore é essencial para a folhagem rica e multicolorida da floresta, também a sociedade não deve ser uniforme, mas aberta e inclusiva. Cada família é a célula fundamental da sociedade e o futuro da humanidade é forjado na família. No entanto, é ameaçada por todo o tipo de factores. "Que o mal sofrido pelos povos indígenas, e do qual hoje nos envergonhamos, nos sirva hoje de aviso, para que os cuidados e direitos da família não sejam postos de lado em nome de eventuais necessidades produtivas e interesses individuais".

A folha de ácer ainda deu ao papa uma oportunidade de dar lições sobre ambientalismo (o Canadá recebe uma marca muito alta, diz ele) e sobre a loucura da guerra e a necessidade de desarmamento (marca mais baixa talvez): "Não precisamos de dividir o mundo em amigos e inimigos, de nos distanciarmos e de nos armarmos até aos dentes: não será a corrida aos armamentos ou as estratégias de dissuasão que trarão paz e segurança". Num tweet, Trudeau disse ter falado ontem com o Papa e o seu Secretário de Estado Pietro Parolin sobre questões como a Ucrânia e a insegurança alimentar. O governo do Partido Liberal de Trudeau dá por vezes a impressão de seguir as sondagens. Isto é também o que o Papa disse: "A política não pode permanecer prisioneira de interesses partidários. Devemos saber olhar, como ensina a sabedoria indígena, para as sete gerações vindouras, não para o expediente imediato, os prazos eleitorais ou o apoio do lobbies. E também para valorizar o desejo de fraternidade, justiça e paz da jovem geração". Recordou que a Igreja Católica se preocupa com os mais frágeis e serve a favor da vida humana em todas as suas fases, desde a concepção até à morte natural.

Peregrinação a Sainte-Anne-de-Beaupré

Em 1658, o navio de alguns marinheiros bretões afundou-se ao largo da costa da Nova França, actual Québec. Prometeram a Santa Ana que, se fossem salvos, lhe construiriam uma capela, que foi a origem da actual Basílica, construída no século passado. Os nativos apaixonaram-se imediatamente pela avó de Jesus, e esta manhã o Papa deu-lhe um olhar muito longo, como um neto devoto. Ao fazê-lo da sua cadeira de rodas no final da missa de reconciliação, uma mulher indígena subiu espontaneamente ao altar e colocou o seu filho pequeno visivelmente deformado nos seus braços. Momento icónico.

Omnes falou hoje com dois peregrinos que visitaram a Basílica pela primeira vez, ambos viajando da província de Ontário de carro durante mais de dez horas. Tiffany Taylor, uma jovem assistente social de origem Ojibway, foi com uma dúzia de indígenas de uma reserva na cidade de Sudbury, nenhum deles católico. "A minha língua é preservada mas eu não a falo. É agora ensinado nas escolas, mesmo a não nativos. Perto de nós havia um colégio interno católico. Magoa-me o que os meus antepassados torturados sofreram". Setenta % dos que assistiam dentro da Basílica eram nativos. Milhares de outros, com bilhetes gratuitos mas difíceis de obter, reuniram-se no exterior.

Tiffany Taylor, uma assistente social de origem Ojibway,

Padre Scott Giuliani, SOLT, tem sido um missionário canadiano em Belize desde 2014. Viajou para St. Anne's de perto de Toronto. "Nos últimos anos, tem havido uma influência crescente na região das Caraíbas por parte dos países ricos que se esforçam por introduzir valores estranhos à população. Novas definições de direitos humanos baseadas numa nova antropologia, e não no direito natural. A ideologia do género e a pressão para alterar a legislação local são exemplos da colonização ideológica que aí tem lugar. Esta intrusão de ideias causa muitos danos à cultura. Em Belize, o governo canadiano tem utilizado parte da sua ajuda externa para exportar valores ideológicos".

O Padre Scott é um missionário canadiano em Belize

O Papa, ao pregar, observou que a sua homilia poderia intitular-se: "Do fracasso à esperança". Comentou o episódio no final do Evangelho de Lucas, no qual dois discípulos desiludidos de Jesus escapam de Jerusalém. Ele disse que Cristo resolve as nossas tragédias através do seu mistério pascal. É a única forma de avançar em situações como a colonização histórica do povo indígena. O ressentimento não sara. Devemos evitar acusar-nos mutuamente, como Adão e Eva depois de pecar, ou ter uma discussão estéril, como os dois andarilhos. A única saída, para que haja uma verdadeira reconciliação, é aquela que Jesus explica aos seus dois discípulos. Cristo dá-nos uma saída para fora do labirinto da nossa história. A Eucaristia cura. Emaús mostra a tentação de fugir - que é fuga, não resolução. Jesus veio para caminhar connosco.

"Não há nada pior perante os contratempos da vida do que fugir deles. É uma tentação do inimigo, que ameaça a nossa viagem espiritual e a viagem da Igreja; quer fazer-nos acreditar que a derrota é definitiva, quer paralisar-nos com amargura e tristeza, convencer-nos de que não há nada a fazer e que não vale a pena, portanto, encontrar uma forma de recomeçar".

"Nós, que partilhamos a Eucaristia nesta Basílica, também podemos reler muitos acontecimentos da história. Neste mesmo lugar já existiam três igrejas, mas também havia pessoas que não recuaram perante as dificuldades, e foram capazes de voltar a sonhar apesar dos seus erros e dos erros dos outros. Assim, quando um incêndio devastou o santuário há cem anos, não se deixaram derrotar, construindo esta igreja com coragem e criatividade. E todos aqueles que partilham a Eucaristia das planícies vizinhas de Abraão (por ecrã gigante), podem também perceber o espírito daqueles que não se deixaram raptar pelo ódio à guerra, destruição e dor, mas que souberam projectar de novo uma cidade e um país". Refere-se à cidade de Quebec e ao país do Canadá, construído pacificamente desde 1759.

O Papa durante as Vésperas na Catedral de Notre Dame de Québec ©CNS photo/Paul Haring)

Injeção de otimismo para bispos e sacerdotes

Finalmente hoje, na Catedral de Notre-Dame, no Quebeque, o Papa colocou o dedo no maior obstáculo à reevangelização do Canadá - e especialmente do Quebeque, outrora um bastião do catolicismo desde a sua fundação explicitamente missionária de 1608 até aos anos 60. Francisco fez uma homilia durante as vésperas a quase uma centena de bispos, muitos mais padres, e outros, e falou-lhes do secularismo. Que não é verdade que todos os tempos passados foram melhores.

O Papa recordou que esta era a catedral da sé primaz do Canadá, cujo primeiro bispo, S. Francisco de Laval, abriu o Seminário em 1663. Falou-lhes da responsabilidade de pastorear e evangelizar, o que traz sempre alegria. Não há necessidade de serem funcionários do sagrado. Encorajou-os a pregar um Jesus vivo de uma forma viva, a serem testemunhas credíveis, a evitar a todo o custo uma tentação diabólica muito actual: a do pessimismo negativo. A mundanização é má, mas o mundo é bom. Falou de humildade, e de uma forma especial de fraternidade.

A primeira coisa é "tornar Jesus conhecido". Nos desertos espirituais do nosso tempo, gerados pelo secularismo e pela indiferença, é necessário voltar à primeira proclamação". Citou o filósofo de Montreal Charles Taylor: a secularização é "a oportunidade de recompor a vida espiritual em novas formas e também para novas formas de existir". 

"Desta forma", continuou Bergoglio, "enquanto o olhar perspicaz nos faz ver as dificuldades que temos em transmitir a alegria da fé, estimula-nos a redescobrir uma nova paixão pela evangelização, a procurar novas línguas".

Ele concluiu o seguinte. "Por favor, não fiquemos fechados em 'regressão', avancemos com alegria! Vamos pôr em prática estas palavras que dirigimos a São Francisco de Laval:

Foi o homem da partilha,
visitar os doentes, vestir os pobres,
lutando pela dignidade dos povos indígenas,
apoiar missionários cansados,
sempre rápido a alcançar aqueles que estavam em pior situação do que você.
Quantas vezes os seus projectos foram desfeitos,
mas sempre, volta-se a pô-los de pé.
Tinha compreendido que a obra de Deus não é feita de pedra,
e que, nesta terra de desânimo,
era necessário um construtor de esperança.

Agradeço-vos por tudo o que fazeis e abençoo-vos do meu coração. Por favor, continuem a rezar por mim". Seguiu-se uma verdadeira ovação emocional.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.