Mundo

Rémi Brague

Entrevista com o pensador francês Remi Brague (Paris, 1947), professor emérito de filosofia na Sorbonne. Em Novembro passado, participou no Congresso de Católicos e Vida Pública organizado pela Asociacion Catolica de Propagandistas e pelo CEU. Na conversa com a Omnes falámos de filosofia, da oposição às línguas clássicas e da liberdade. Com um sorriso, Brague afirma firmemente: "O mundo é bom apesar de tudo". Na sua opinião, a grande tentação é a do desespero".

Rafael Mineiro-20 de Dezembro de 2021-Tempo de leitura: 6 acta
Rémi Brague.

Texto original do artigo em espanhol aqui
Tradução: Martyn Drakard

Foi uma conversa de meia hora, mas deixou a sua marca. Como um "discípulo distante de Sócrates(Prof. Elio Gallego), o filósofo Remi Brague " (Prof. Elio Gallego), o filósofo Remi Brague " (Prof. Elio Gallego), o filósofo Remi Brague " (Prof. Elio Gallego)é capaz de dizer verdades com ênfase e impacto como alguém a contar a uma criança uma história para dormir, de forma silenciosa mas eficaz", escreveu uma vez o Professor José Perez Adan.

 "No programa do Congresso sou apresentado como historiador, mas isto não é bem verdade porque sou um filósofo que lê obras históricas, e vejo à minha volta uma interpretação do mundo moderno, que é apagar o passado e começar do zero, tal como faz a Internacional" é a sua observação inicial.

 "Sou um filósofoele especifica, "e é muito lisonjeiro que todos os meus colegas sejam considerados perigosos, pessoas que podem ser subversivas só porque estão em busca da verdade", diz ele.

 Em relação à sua apresentação, diz que "cancelar a cultura" pertence mais ao mundo do jornalismo e da comunicação do que ao mundo da filosofia.

-O que eu quis dizer é simplesmente que a história pode parecer ser uma história após outra, o que fornece material útil para jornalistas que não sabem realmente o que dizer. Não sou jornalista, sou apenas um filósofo que é obrigado a ver as coisas de um ângulo filosófico, e este movimento actual merece ser examinado tanto de um ponto de vista filosófico como histórico.

 No programa do Congresso, eles apresentam-me como historiador, o que não é verdade porque sou um filósofo que gosta de ler obras históricas. A história interessa-me na medida em que é uma indicação de algo mais amplo, e por isso na minha explicação começo com alguns factos extraordinários e depois passo a algo mais abrangente e abrangente, e a minha conclusão é que o mundo moderno está a tentar recomeçar do zero, para apagar o passado tal como o Internacional. Mas esta abordagem é muito mais antiga do que isso. Começa com a luta contra os preconceitos antigos, que Descartes coloca no plano individual: "Tenho de me livrar dos meus preconceitos de infância". E a partir do plano individual espalha-se para o colectivo no que conhecemos como a altura do Iluminismo. E mais tarde com a Revolução Francesa, e assim por diante e assim por diante.

 Na sua explicação, referiu-se aos movimentos que se opõem às línguas clássicas. Em Espanha, a filosofia foi eliminada como disciplina obrigatória no ensino secundário. O que pensa que isto significa?

Isto significa duas coisas. Em primeiro lugar, no que respeita às línguas clássicas. Desempenham um papel muito importante na história cultural do mundo ocidental, na Europa e nos territórios ultramarinos. Pela primeira vez na história, uma civilização propõe-se a formar as suas elites através do estudo de uma outra cultura.

 Por exemplo, a cultura chinesa baseia-se no estudo dos clássicos chineses, enquanto que a civilização europeia formou as suas elites através do estudo do grego antigo, e é o caso de Salamanca, Paris, Oxford, Cambridge, Uppsala e em todo o lado.

 As elites foram ensinadas a pensar em si mesmas como degeneradas em comparação com a civilização grega que foi idealizada. Os gregos eram tão brutais e enganosos como qualquer outra pessoa. Um exemplo interessante. Há um autor árabe dos 10th século chamado Al-Razi, que escreve: "Os gregos não estavam minimamente interessados em assuntos de sexualidade", porque para ele os gregos significavam Aristóteles, e isso era tudo. Não tinha ideia dos escritos de Aristófanes, para não falar dos banhos públicos. O estudo do grego teve a vantagem de dar às mentes dos europeus, apesar de toda a sua arrogância, um complexo de inferioridade saudável.

 E quanto à supressão da filosofia?

  Sou um filósofo, e é muito lisonjeiro que os meus companheiros filósofos sejam considerados perigosos; um grupo de pessoas que pode ser subversivo só porque procura a verdade. O pior inimigo da falsidade é a verdade. É muito interessante que estas pessoas, talvez inconscientemente, admitam que não querem filosofia. O que eles estão realmente a dizer é: não queremos procurar a verdade.

 Diz-se que, de uma forma ou de outra, a nossa cultura deve remontar a uma espécie de Idade Média.

 Deixem-me repetir o que disse no início. Eu não idealizo a Idade Média. O que me interessa sobre este período são os seus pensadores, os meus "colegas do passado", se assim o desejarem: os filósofos. Poderiam ter sido judeus-cristãos, mas também cristãos ou muçulmanos. Por exemplo, há muitas coisas interessantes em Maimonides, um dos meus grandes amores, como a gramática francesa me quereria dizer...

 O que eu acho especialmente interessante, se eu quiser escolher apenas uma coisa, é a adaptabilidade das propriedades transcendentais do ser. O mundo é bom. Tecnicamente, sim, claro; mas também pode ser expresso de forma muito simples: o mundo é bom apesar de tudo. Este é um acto de fé. Porque quando se olha para si próprio, pode-se ver que não é tão belo como se pensava no início.

 Por favor explique este acto de fé...

  • Sim. Como consequência deste acto de fé, o mundo é obra de um Deus benevolente que ama o bem e nos deu os meios para resolver os nossos problemas pessoais. Para começar, ele deu-nos inteligência e liberdade e tornou-nos capazes de desejar o bem, de o desejar realmente. Dado que somos incapazes de o alcançar pelos nossos próprios meios, Ele deu-nos a economia da salvação. Mas este é o ponto onde Deus intervém, onde realmente precisamos d'Ele, na economia da salvação.

Isto é importante porque não precisamos que Deus nos diga: "Deixa o teu bigode como está ou corta a tua barba". Não precisamos que Deus nos diga: "Não comam carne de porco, ou "Senhoras, usem um véu". Temos cabeleireiros, barbeiros e alfaiates. Somos suficientemente inteligentes para decidir como nos vestimos, o que comemos, etc. No cristianismo, Deus intervém apenas quando é realmente necessário, quando é realmente necessário. Deus não se mete no nosso caminho, não se intromete nem se impõe e diz-nos "Faz isto ou aquilo ou a outra coisa", mas faz-nos ver que somos capazes de compreender o que é bom para nós.

Falemos um pouco mais sobre a cultura clássica. Referiu-se a ela na sua apresentação.

Muito frequentemente as pessoas que são contra o estudo das línguas clássicas estão à esquerda do espectro político. Para eles, o latim e o grego são a característica distintiva das classes instruídas, nomeadamente aquelas que se podem permitir aprender apenas por amor à cultura, em comparação com as classes trabalhadoras, etc. É claro que há um grão de verdade nisto.

 No entanto, esta linha de raciocínio mostra apenas um lado da verdade, que é muito mais complexo. Primeiro, alguns pensadores que podem ser considerados entre os precursores mais radicais das revoluções da história ocidental moderna e do pensamento receberam uma educação clássica, o que não os impediu de serem os principais agitadores, cada um à sua maneira. Karl Marx e Sigmund Freud tinham estudado nos chamados "ginásios clássicos" (em oposição aos ginásios científicos). Charles Darwin estudou em universidades onde o conhecimento do latim e do grego era um dado adquirido. Para não mencionar Nietzsche, talvez o mais radical de todos, que era professor de Filologia Clássica.

É claro que se pode argumentar que eles se tornaram no que não se tornaram por causa de a sua educação clássica, mas apesar de ele.

 Pode dar ao homem moderno algumas palavras de optimismo e esperança quando ele repara que todas estas ideias o estão a deprimir? Talvez seja uma questão bastante teológica...

 Desejo mudar de engrenagem e ir para o topo da engrenagem teológica. Vou falar do diabo. A nossa imagem do diabo é muitas vezes divulgada pelo departamento de relações públicas do inferno. Infelizmente, é a que foi dada provavelmente pelo segundo maior poeta inglês depois de Shakespeare, ou seja, John Milton. O diabo como uma espécie de rebelde que queria ocupar o lugar de Deus. Seria estranho para mim, enquanto estava fora do meu tempo a conversar com o diabo; seria um grande erro chamar o diabo por telefone. O diabo é suficientemente inteligente para compreender isto, e por isso é uma imagem enganosa, Promethean. Por outro lado, na Bíblia, o diabo aparece como aquele que faz o homem acreditar que não merece que Deus se interesse por ele, que não é suficientemente digno. Por exemplo, os primeiros capítulos do livro de Job são exactamente isso.

 No Novo Testamento. No quarto evangelho, o diabo é um mentiroso, aquele que nos quer fazer crer que Deus não nos perdoará, que a Sua misericórdia é finita. A grande tentação é o desespero.

 E a Igreja dá-nos um sistema bem construído, nomeadamente os sacramentos, a confissão, a Eucaristia... Se levarmos isto a sério, a bola está no nosso campo, e agora depende de nós.

Leia mais
Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.