Mundo

Rémi Brague: "A grande tentação é o desespero".

Entrevista com o humanista francês Rémi Brague (Paris, 1947), Professor Emérito de Filosofia na Sorbonne. Em Novembro, falou no Congresso sobre Católicos e Vida Pública organizado pela Associação Católica de Propagandistas e pelo CEU. Em conversa com Omnes, falámos de filosofia, da oposição às línguas clássicas, e da liberdade. Brague afirma categoricamente e com um sorriso: "O mundo é bom, apesar de tudo". Na sua opinião, "a grande tentação é o desespero".

Rafael Mineiro-13 de Dezembro de 2021-Tempo de leitura: 6 acta
Rémi Brague.

Tradução do artigo para inglês

Foi uma conversa de meia hora, mas deixa a sua marca. Como "discípulo distante de Sócrates". (Professor Elio Gallego), o filósofo Rémi Brague "Ele é capaz de dizer a verdade como se estivesse a contar uma história para dormir, subtilmente e em voz baixa".escreveu o Professor José Pérez Adán.

"No programa do Congresso sou apresentado como historiador, mas isto não é verdade porque sou um filósofo que lê obras da história, e sou confrontado com uma interpretação do mundo moderno que começa do zero, que tenta fazer uma varredura limpa do passado como o faz o Internacional", comentários no início.

"Sou um filósofodiz ele, "e é muito lisonjeiro para todos os meus colegas que sejamos considerados perigosos. Pessoas que podem ser subversivas simplesmente porque procuram a verdade".aponta ele.

Em relação ao seu jornal, diz que a "cultura do cancelamento" pertence mais à esfera jornalística e de comunicação do que à filosófica. 

-O que eu queria dizer é simplesmente que a história pode parecer mais ou menos anedótica, que serve para alimentar os jornalistas que não sabem bem o que dizer. Não sou jornalista, sou apenas um filósofo, que é obrigado a ver as coisas de um ponto de vista filosófico, e este movimento merece ser examinado tanto de um ponto de vista filosófico como histórico. 

No programa do Congresso sou apresentado como historiador, mas isto não é verdade porque sou um filósofo que lê obras de história. Isto interessa-me na medida em que é um sintoma de algo mais amplo, e é por isso que ao longo da minha apresentação parto de factos curiosos para passar a um interesse amplo, e encontro-me com uma interpretação do mundo moderno que começa do zero, que tenta fazer do passado uma tábua rasa, tal como o Internacional. Mas é muito mais antigo. Vem da luta contra os preconceitos, que Descartes coloca a um nível mais individual: devo livrar-me dos preconceitos da infância; e do nível individual passa para o nível colectivo, no que chamamos o Iluminismo radical. E depois com a Revolução Francesa, e assim por diante.

Na sua apresentação, referiu-se aos movimentos de oposição às línguas clássicas. Em Espanha, a filosofia foi abolida no ensino obrigatório (ESO). O que é que isto lhe sugere?

-Só me sugere duas coisas. Em primeiro lugar, sobre línguas clássicas. Desempenham um papel muito importante na história cultural do Ocidente, na Europa e nos territórios ultramarinos. Pela primeira vez na história, uma civilização tentou formar as suas elites através do estudo de outra cultura.

Por exemplo, a cultura chinesa repousa sobre o estudo dos clássicos chineses. Enquanto que a civilização europeia formou as suas elites através do estudo do grego, e isto é verdade em Salamanca, Paris, Oxford, Cambridge, em Upsala e em todos os outros lugares. 

As elites foram treinadas para se verem a si próprias decadentes em relação à civilização grega, que foi idealizada. Os gregos eram tão brutais e tão mentirosos como os outros. Um exemplo curioso. Há um autor árabe do século IX chamado Al-Razi que escreve: "Os gregos não tinham qualquer interesse na sexualidade", porque para ele os gregos eram Aristóteles. E foi só isso. E ele não fazia ideia de Aristófanes, quanto mais dos banhos. O estudo do grego teve o mérito de dar às mentes europeias, apesar da sua arrogância, um complexo de inferioridade saudável.

Quanto à supressão da filosofia?

-Eu sou um filósofo e é muito lisonjeiro para toda a minha empresa, para todos os meus colegas, que sejamos considerados perigosos. Pessoas que podem ser subversivas simplesmente porque procuram a verdade. O pior inimigo da mentira é a verdade. É muito interessante, como uma confissão involuntária destas pessoas, dizer: não queremos filosofia; ou seja, não queremos a busca da verdade.

Diz-se que de uma forma ou de outra a nossa cultura teria de regredir para uma espécie de Idade Média. A questão é: que tipo de Idade Média?

-No início, vou repetir o que disse no início. Nenhuma imagem idealizada da Idade Média; o que me interessa sobre a Idade Média são os pensadores, se me permitem, os meus "colegas do passado": os filósofos. Podem ser judaico-cristãos, mas também cristãos ou muçulmanos. Há coisas muito interessantes em Maimonides, um dos meus grandes amores, como a gramática francesa me obriga a dizer..... 

Penso que o interessante, se tenho de escolher uma coisa, é a convertibilidade das propriedades transcendentais do ser. O mundo é bom. É dito de uma forma muito técnica, mas pode ser expresso de uma forma muito simples. O mundo é bom, apesar de tudo. É um acto de fé. Porque quando se olha para si próprio, pode-se ver a si próprio como menos belo que um pensamento. 

Explicar este acto de fé...

-Como consequência deste acto de fé, o mundo é obra de um Deus benevolente, um Deus que quer o bem, e que nos deu os meios para resolver os nossos próprios problemas. Para começar, ele deu-nos inteligência e liberdade, e tornou-nos capazes de desejar o bem, de o desejar verdadeiramente. Uma vez que não somos capazes de o conseguir pelos nossos próprios meios, a economia da salvação chegou. Mas Deus só intervém ali, onde realmente precisamos dele, que é a economia da salvação. 

É importante, porque não precisamos que Deus nos diga: "Cresce um bigode ou apara a barba"; não precisamos que Deus nos diga: "Não comas carne de porco"; não precisamos que Deus nos diga: "Senhoras, usem um véu", temos cabeleireiros, temos barbeiros, temos alfaiates, e temos uma inteligência para escolher a forma como nos vestimos, a forma como comemos, e assim por diante. No cristianismo, Deus só intervém onde é realmente necessário, onde é realmente necessário. Deus não interfere, não interfere, não interfere para nos dizer para fazermos isto ou aquilo, compreendendo que somos capazes de compreender o que é bom para nós.

Vamos falar um pouco mais sobre a cultura clássica. Referiu-se a ela no seu discurso.

-Os que se opõem ao estudo das línguas clássicas estão frequentemente à esquerda do espectro político. Segundo eles, o latim e o grego são a característica distintiva das classes educadas, ou seja, aquelas que podem dar-se ao luxo de aprender apenas por amor à cultura, em oposição às classes trabalhadoras, e assim por diante. Há também um grão de verdade nisto.

No entanto, este raciocínio mostra apenas um lado da verdade, que é mais complexo. Primeiro, alguns dos pensadores que estão entre os precursores mais radicais das insurreições na cultura ocidental receberam uma educação clássica, o que não os impediu de serem agitadores, cada um à sua maneira. Karl Marx e Sigmund Freud tinham estudado nos chamados "ginásios humanistas", e Charles Darwin tinha estudado em universidades onde o latim e o grego eram tomados como garantidos. Marx escreveu a sua tese de doutoramento sobre o atomismo na Grécia antiga. Para não mencionar Nietzsche, talvez o mais radical de todos, que trabalhou como professor de Filologia Clássica.

Concordo", pode-se objectar, "mas eles tornaram-se no que se tornaram, não no que se tornaram", disse ele. devido a a educação clássica que receberam, mas apesar de de o ter recebido.

Diria ao homem moderno uma palavra de optimismo, de esperança, quando nota uma forma de pensar muito depressiva? Talvez esta seja uma questão mais teológica...

-É uma questão que merece ser colocada e, se necessário, respondida. 

Quero mudar de velocidade e passar para engrenagens teológicas. Quero falar sobre o diabo. A imagem que temos do diabo é uma imagem difundida pelos serviços de relações públicas do inferno. Infelizmente, é a imagem dada por provavelmente o segundo dos poetas ingleses depois de Shakespeare, ou seja, John Milton. O diabo como uma espécie de rebelde que teria querido colocar-se no lugar de Deus. É raro para mim entreter o diabo, é um erro telefonar ao diabo; ele é suficientemente inteligente para compreender que não funciona, e portanto

é uma Promethean e falsa imagem. Em vez disso, na Bíblia, o diabo aparece como aquele que faz o homem acreditar que não merece o interesse de Deus por ele, que não vale a pena. Por exemplo, o início do livro de Job é exactamente isso.

No Novo Testamento, no quarto Evangelho, o diabo é o mentiroso, aquele que nos quer fazer crer que não valemos a pena, que Deus não nos perdoará, que a misericórdia de Deus é finita. A grande tentação é o desespero. 

E a Igreja fornece-nos um sistema bem tecido sob a forma dos sacramentos: a confissão, a Eucaristia... Se a levarmos a sério, a bola está no nosso campo, e por isso depende de nós.

Leia mais
Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.