Mundo

Papa Francisco na Hungria: alegria e especulação política antes de uma breve visita

O Santo Padre visita a capital húngara, Budapeste, para o encerramento do Congresso Eucarístico Internacional. A massa "statio orbis" com ele será o ponto alto deste evento de fé. Mas na corrida para cima houve desacordos.

Daniela Sziklai-7 de Setembro de 2021-Tempo de leitura: 4 acta
budapeste_congresso

Pode ler o artigo original em alemão clicando aqui aqui.

O 52º Congresso Eucarístico Internacional na capital húngara Budapeste começou no domingo com a primeira comunhão de 1.200 crianças. Mas o destaque será a missa de encerramento com o Papa Francisco na magnífica Praça dos Heróis, em Budapeste, no próximo domingo.

Será concebida como uma "statio orbis", ou seja, remonta à tradição cristã inicial da "statio urbis", quando o bispo de uma cidade celebrou uma única missa na qual participaram todos os fiéis. Na cerimónia de domingo, esta unidade dos fiéis com o Santo Padre será alargada a toda a Igreja.

O Papa Francisco ficará algumas horas em Budapeste antes de continuar para a Eslováquia mais tarde nesse dia para uma visita de vários dias.

A Igreja Católica na Hungria tem estado ansiosa pelo Congresso, que deveria ter sido realizado em Setembro de 2020, mas foi adiado devido à pandemia de Coronavirus. Não é todos os dias que se pode celebrar uma festa de fé de tal magnitude num país bastante secularizado como a Hungria, uma festa que também atrai a atenção de não-Católicos e não-Cristãos. Quando até um Papa vem visitar, a atenção é ainda mais assegurada.

A Conferência dos Bispos Católicos esforçou-se, portanto, por evitar, tanto quanto possível, que o Congresso Eucarístico fosse influenciado por questões políticas, mas este objectivo não foi plenamente alcançado na fase preparatória. No início de Junho, o site católico americano Registo Nacional Católico relatou que o Papa não queria encontrar-se com representantes do Estado húngaro, em particular com o Primeiro-Ministro Viktor Orbán.

Os meios de comunicação social polacos acrescentaram pouco depois: a razão foi a política de migração restritiva de Orbán, que não está de todo em conformidade com o Papa. Essa seria também a razão pela qual Francisco, segundo as especulações, só quer passar algumas horas na Hungria.

logo_eucharistic_congress_hungary

Desacordos prévios

Esta notícia provocou imediatamente críticas ferozes e abertas ao Papa por parte de alguns comentadores próximos do partido governamental húngaro. Fidesz. No final, a própria Conferência Episcopal teve de intervir e sublinhar publicamente que "naturalmente" estava planeada uma reunião do Papa com os mais altos representantes do Estado húngaro. O encontro do Santo Padre com Orbán e o Presidente János Áder terá lugar pouco antes da Santa Missa no Museu de Belas Artes.

O partido no poder Fideszque Orbán lidera, tem governado o país com uma maioria de dois terços quase ininterruptamente desde 2010. Personalidades e empresas próximas do partido dominam agora grandes áreas da vida pública, da economia, da cultura e dos meios de comunicação social. É um partido nacionalista de direita, com uma ideologia marcadamente conservadora, e apresenta-se como muito respeitoso da Igreja.

Orbán, que pertence à Igreja Reformada (Calvinista), gosta de participar em eventos e celebrações católicas, e enfatiza publicamente a sua fé cristã. Assistiu recentemente a uma reunião de parlamentares católicos em Roma. Em matéria de política de migração, no entanto, têm sido repetidas fortes críticas à linha do Papa por parte da Hungria, não do próprio governo, mas de pessoas próximas dele.

Os organizadores esperam que a especulação mediática sobre as relações entre o Vaticano e o Estado húngaro não obscureça a mensagem baseada na fé do Congresso e da visita do Papa.

Muito tem sido feito para o conseguir: doze personalidades da cultura e da ciência deram testemunho da sua fé como "arautos" durante os preparativos. Antes do início da missa do Papa na Praça dos Heróis de Budapeste, haverá um concerto de duas horas no qual músicos de renome darão testemunho da sua fidelidade a Jesus Cristo.

A cruz missionária artística, originalmente esculpida para a Cidade das Missões em 2007, foi fornecida com uma relíquia da cruz e numerosas relíquias de santos húngaros e abençoados, e transportada por todo o país.

O hino do Congresso tem um significado especial. Recorda-se que já se realizou um Congresso Eucarístico Mundial em Budapeste, nomeadamente em 1938, e decidiu-se usar novamente o hino desse tempo, embora com uma orquestração moderna.

Em Maio de 1938 não houve nenhuma visita de um Papa sentado à capital húngara, mas o Cardeal Secretário de Estado Eugenio Pacelli - mais tarde Papa Pio XII - proferiu o discurso de abertura. No seu discurso, chamou à Hungria um "baluarte" contra o comunismo e o nacional-socialismo.

Um ano e meio antes do início da Segunda Guerra Mundial, este importante evento eclesial foi claramente ensombrado por conflitos políticos: Adolf Hitler tinha introduzido com autoridade um visto especial para todos os alemães que queriam viajar para a Hungria durante os dias do Congresso, a fim de impedir que os católicos alemães participassem na celebração.

Além disso, como o "Anschluss" (anexação) da Áustria à Alemanha teve lugar apenas dois meses antes do início do Congresso, a exigência também se aplicou aos católicos austríacos, que se esperava venham a participar em grande número.

No entanto, no final, 50.000 visitantes internacionais vieram a Budapeste, e estima-se que várias centenas de milhares de pessoas participaram nos eventos. Mais de 75.000 fiéis já se registaram para a actual missa papal, e são esperados numerosos outros grupos.

O autorDaniela Sziklai

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.