Vaticano

O Papa no Angelus: "A humildade é o segredo de Maria".

O Papa Francisco comentou a humildade da Virgem Maria durante o Angelus do Domingo da Assunção, como uma virtude pela qual Deus olhou para ela.

David Fernández Alonso-15 de Agosto de 2021-Tempo de leitura: 3 acta
o anjo do papa

Foto: ©2021 Catholic News Service / U.S. Conference of Catholic Bishops.

O Papa Francisco, neste domingo, solenidade da Assunção da Bem-Aventurada Virgem Maria ao Céu, habitou sobre o Magnificat, que destaca a passagem evangélica da Missa. "Este hino de louvor", começou depois de rezar o Angelus da janela da Praça de São Pedro, "é como uma 'fotografia' da Mãe de Deus". Maria 'regozija-se em Deus, porque olhou para o humildade da sua serva" (cf. Lc 1,47-48)".

"A humildade é o segredo de Maria", salientou o Papa. "Foi a humildade que atraiu o olhar de Deus para ela. O olho humano procura a grandeza e fica deslumbrado com o que é ostensivo. Deus, por outro lado, não olha para as aparências, mas para o coração (cf. 1 Sam 16,7) e adora a humildade. Hoje, olhando para Maria Assunta, podemos dizer que a humildade é o caminho que conduz ao Céu. A palavra "humildade" provém da palavra latina "humildad". húmusque significa "terra". É paradoxal: para alcançar as alturas, o céu, é necessário permanecer baixo, como a terra. Jesus ensina: "Aquele que se humilha será exaltado" (Lc 14,11). Deus não nos exalta pelos nossos dons, riquezas ou capacidades, mas pela humildade. Deus levanta aqueles que se humilham, aqueles que servem. De facto, Maria não atribui a si própria nada além do "título" de serva: ela é "a serva do Senhor" (Lc 1,38). Não diz mais nada sobre si próprio, não procura mais nada para si próprio".

"Então", continuou, "hoje podemos perguntar-nos: como está a minha humildade? Procuro ser reconhecido pelos outros, afirmar-me e ser louvado, ou penso em servir? Sei ouvir, como Maria, ou só quero falar e receber atenção? Sei calar-me, como Maria, ou estou sempre a tagarelar? Sei dar um passo atrás, desactivar lutas e argumentos, ou estou apenas a tentar sobressair-me?"

"Maria, na sua pequenez, conquista primeiro os céus. O segredo do seu sucesso reside precisamente em reconhecer-se como pequena, necessitada. Com Deus, apenas aqueles que se reconhecem como nada são capazes de receber tudo. Só aquele que se esvazia é preenchido por Ele. E Maria é "cheia de graça" (v. 28) precisamente por causa da sua humildade. Para nós também, a humildade é o ponto de partida, o início da nossa fé. É essencial ser pobre de espírito, ou seja, necessitado de Deus. Aquele que está cheio de si mesmo não dá lugar a Deus, mas aquele que permanece humilde permite ao Senhor realizar grandes coisas (cf. v. 49)".

Referindo-se à literatura clássica italiana, o Papa observou que "o poeta Dante refere-se à Virgem Maria como "humilde e superior a uma criatura" (Paraíso XXXIII, 2). É belo pensar que a criatura mais humilde e sublime da história, a primeira a conquistar o céu com todo o seu ser, corpo e alma, passou a sua vida maioritariamente dentro de casa, no ordinário. Os dias da Cheia de Graça não foram muito impressionantes. Muitas vezes seguiam-se em silêncio: externamente, nada de extraordinário. Mas o olhar de Deus permaneceu sempre sobre ela, admirando a sua humildade, a sua disponibilidade, a beleza do seu coração, intocado pelo pecado.

"Esta é uma grande mensagem de esperança para nós; para si, que vive as mesmas viagens cansativas e muitas vezes difíceis. Maria lembra-vos hoje que Deus também vos chama a este destino de glória. Estas não são palavras bonitas. Não se trata de um final feliz, de uma ilusão piedosa ou de um falso consolo. Não, é pura realidade, viva e verdadeira como a Virgem Assumida para o Céu. Celebremo-la hoje com o amor das crianças, animados pela esperança de um dia estar com ela no Céu".

Finalmente, Francisco concluiu dizendo que agora "rezemos a ela, para que nos acompanhe no caminho que conduz da terra ao céu". Que ela nos recorde que o segredo da viagem está contido na palavra humildade. E que a pequenez e o serviço são os segredos para alcançar o objectivo".

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.