Notícias

O mito de Maio de 1968

Omnes-3 de Maio de 2018-Tempo de leitura: 2 acta

Os acontecimentos de 1968 tornaram-se um mito, para o qual são oferecidas várias interpretações: foi uma "revolução", ou apenas mais um fenómeno numa crise mais vasta?

TEXTO - Onésimo Díaz
Investigadora e professora de "História, cultura e cristianismo no século XX" na Universidade de Navarra.

68 tem sido objecto de todo o tipo de interpretações. Os acontecimentos tornaram-se um mito, e não parece fácil analisar friamente o que aconteceu e porque é que o que aconteceu por volta de Maio de 68 aconteceu.

Nos anos 60, os jovens ocidentais sentiam-se desconfortáveis com o modo de vida dos seus pais. A geração do baby boom, nascida na era pós Segunda Guerra Mundial, rebelou-se contra um sistema de valores enfadonho e ultrapassado. Estes jovens, educados em prosperidade económica e com acesso à universidade, declararam-se inconformados e protestaram contra todo o poder e autoridade. Os rapazes abandonaram os seus blazers e gravatas e vestiram-se com jeans e casacos de estilo militar, enquanto as raparigas trocavam saltos altos e vestidos compridos por calças e mini-saias.

Esta geração foi atraída por ideias esquerdistas e anti-capitalistas. Os seus principais pontos de referência foram Marx, Freud, Mao e Marcuse. Destes quatro, o mais influente foi o filósofo judeu Herbert Marcuse, que tinha deixado a Escola de Frankfurt após a ascensão de Hitler ao poder. Este professor, expulso de várias universidades americanas por acusações de filocomunismo, apelou a estudantes, minorias raciais e trabalhadores para lutarem contra o poder estabelecido. Em 1967, foi aplaudido e elogiado durante conferências na Alemanha e em França. A sua mensagem a favor da libertação sexual foi ecoada por uma secção inquieta de estudantes universitários de todo o mundo. A partir da Primavera de 1968, as manifestações contra a sociedade imperialista, belicista e capitalista seguiram-se umas atrás das outras em várias universidades ocidentais. As ideias de Marcuse tinham-se tornado generalizadas e populares até o slogan sexo, drogas e rock and roll ter sido cunhado. Naquela época, os movimentos contra-culturais (hippies e roqueiros) incitaram a uma posição rebelde contra a cultura tradicional. Jovens identificados com a mensagem não-conformista de Marcuse e que queriam mudar tudo, movidos por um desejo de experimentar sem barreiras nem regras.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.