América

Brotos de uma nova Primavera entre os jovens do V Encuentro

Omnes-11 de Abril de 2018-Tempo de leitura: 7 acta

Este artigo de D. Gustavo García-Siller tem o duplo valor de, por um lado, a sua diocese de San Antonio ser uma das mais marcadas pela inércia latina e, por outro lado, o papel do arcebispo como presidente da Comissão para a Diversidade Cultural na Igreja da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos.

TEXTO - Gustavo García-Siller, MSpS
Arcebispo de San Antonio (Texas)

Ao proclamar a mensagem final do Concílio Vaticano II há 52 anos, o Beato Paulo VI anunciou aos jovens daquela época que eles "viveriam no mundo numa época das transformações mais gigantescas da sua história" (8 de Dezembro de 1965). Hoje em dia, não é difícil ver que nas últimas décadas ocorreram mudanças importantes que podem ser comparadas com as que foram utilizadas no estudo da história para a dividir em épocas.

De facto, o nosso Santo Padre Francisco salientou que "esta mudança epocal foi provocada pelos enormes saltos qualitativos, quantitativos, acelerados e cumulativos no desenvolvimento científico, nas inovações tecnológicas e nas suas rápidas aplicações em vários campos da natureza e da vida" (Evangelii Gaudium, n. 52). Apesar destes aspectos positivos, o Papa assinala também que "algumas patologias estão a aumentar", tais como "uma economia de exclusão", "a nova idolatria do dinheiro", "desigualdade que gera violência", "ataques à liberdade religiosa", "novas situações de perseguição dos cristãos", bem como "uma difusa indiferença relativista, ligada ao desencanto e à crise de ideologias que tem sido provocada como reacção contra tudo o que parece totalitário" (ibid., nn. 53-60).

Mudanças nos Estados Unidos

É evidente que nos Estados Unidos, como no resto do mundo, o consenso sobre os valores tradicionalmente aceites que tinham regido a coexistência social tem, em maior ou menor grau, fracturado. As fontes culturais de certeza estão a desmoronar-se; novas fontes estão a emergir e outras estão a ser renovadas. Entre outras coisas, isto resultou na incapacidade de alcançar soluções para muitos problemas sociais a todos os níveis, o que por sua vez gerou desconfiança, indiferença ou indignação para com todas as figuras de autoridade, bem como para com as instituições, incluindo a Igreja. Além disso, escândalos ultrajantes actuaram como catalisadores neste processo de decomposição do tecido social.

Só nos últimos 26 anos, a não-afiliação religiosa nos Estados Unidos aumentou de 3 % para 25 %, destacando um aumento acentuado no número de pessoas que afirmam acreditar em Deus mas rejeitam qualquer religião institucional. Há uma tendência generalizada para sobrevalorizar e exaltar as experiências sensoriais e emocionais sobre a razão, o conhecimento científico sobre a busca do significado da existência, a auto-expressão sobre o conteúdo, e a individualidade sobre a colectividade. "O medo e o desespero apoderam-se do coração de muitas pessoas... A alegria de viver é frequentemente extinta, o desrespeito e a violência aumentam, a desigualdade é cada vez mais evidente" (ibid., n. 52). Face a esta realidade, o Papa exorta-nos a reconhecer "que uma cultura em que todos querem ser portadores da sua própria verdade subjectiva torna difícil aos cidadãos desejarem fazer parte de um projecto comum para além dos seus próprios benefícios e desejos pessoais" (ibid., n. 61).

Situação dos jovens

Ao mesmo tempo, assistimos ao aparecimento de uma geração de jovens sem confiança em si próprios e nas suas capacidades. Muitos sofreram com a ausência dos seus pais, em grande parte porque ambos foram forçados a trabalhar para manter um nível de vida decente. Outros foram superprotegidos contra as dificuldades de um mundo cheio de ameaças e incertezas.
Ambos os fenómenos resultam em fragilidade de carácter. É uma geração hiper-conectada e hiper-informada, mas com pouca formação de critérios éticos e cuja utilização prolongada das novas tecnologias da informação tem dificultado o desenvolvimento da sua capacidade relacional. Há um pessimismo generalizado e uma tendência para a hiper-opinião como tentativa de auto-afirmação, bem como uma atitude generalizada de protesto, mas sem competência suficiente para fazer propostas, tornando os indivíduos facilmente manipulados pelos interesses que impulsionam as colonizações ideológicas. Especialmente os jovens de hoje estão ansiosos por números de referência credíveis, congruentes e honestos, que lhes sejam próximos.

Transformação demográfica

Este cenário global já complexo combinou-se nos Estados Unidos com uma profunda transformação demográfica, particularmente na Igreja, o que representa um grande desafio. Felizmente, o número de católicos no país está a crescer e os hispânicos representam 71 % do aumento da população católica desde 1960, embora cerca de 14 milhões de hispânicos nos Estados Unidos já não se identifiquem como católicos. Há apenas meio século atrás, de cada 20 católicos americanos, aproximadamente 17 eram americanos europeus de língua inglesa, enquanto hoje em dia mais de 40% são de origem hispânica, principalmente da América Latina; cerca de 5 % são asiáticos, 4 % são afro-americanos, e um quarto de todos os católicos nos Estados Unidos são imigrantes. A maioria dos hispânicos são adultos, mas apenas um terço são migrantes. Isto significa que uma grande proporção da população hispânica nasceu nos Estados Unidos e é muito jovem.

Cerca de 58 % de hispânicos têm menos de 33 anos, 60 % de católicos com menos de 18 anos no país são hispânicos e mais de 90 % de hispânicos com menos de 18 anos nasceram nos Estados Unidos. Tudo isto indica, por um lado, que a Igreja nos Estados Unidos está no processo de diversificação e, por outro, que a sua nova face é predominantemente hispânica. Esta nova diversidade cultural reflecte-se, entre outras coisas, no facto de 40 % das paróquias do país celebrarem Missa em línguas que não o inglês. Estamos também a passar de ter recursos materiais abundantes para ser uma Igreja relativamente pobre.

Sinais de esperança

A perspectiva parece certamente ameaçadora, mas sentindo o peso quase esmagador dos problemas e da responsabilidade, quisemos seguir o exemplo do Apóstolo São Tiago e São João Diego, para sermos mensageiros dóceis, confiantes de que sendo enviados pela nossa Mãe celestial, desfrutaremos da sua protecção dentro das dobras do seu manto. A nossa fé no Senhor Ressuscitado permite-nos reconhecer, acima de tudo, aspectos positivos nas nossas actuais circunstâncias e ver nelas sinais de esperança. É o caso, por exemplo, de uma reavaliação da afectividade e do amor humano, de uma sensibilidade crescente para com o "outro" e de uma nova abertura espiritual.

Muitos jovens têm uma grande e transparente sede de Deus, mas ao mesmo tempo um grande medo de ficarem desapontados. Querem propostas expressas de formas novas e atraentes, intelectualmente profundas e coerentes, que implicam um compromisso radical capaz de dar sentido às suas vidas, mas sobretudo que são demonstradas pela testemunha, pelo auto-sacrifício e pela amizade sincera daqueles que as propõem. Neste sentido, os jovens de hoje não são muito diferentes dos do passado, mas viveram num contexto que dificulta o seu sentimento de pertença e por isso, embora não seja fácil persuadi-los, são capazes de nos surpreender com a sua capacidade de dedicação.

Há trinta e cinco anos, São João Paulo II chamou a Igreja, da América Latina, a uma evangelização "nova no seu ardor, nos seus métodos, na sua expressão", cunhando o termo "nova evangelização".Nova Evangelização"(Discurso na Assembleia do CELAM, 9 de Março de 1983, Port-au-Prince, Haiti). O Papa Francisco, formado naquela Igreja latino-americana, com renovado fervor relançou este apelo ao compromisso missionário que tem a sua origem no encontro com Jesus Cristo e que se alimenta dele. Não é a reevangelização, mas o discipulado missionário que começa com a conversão pessoal e pastoral, uma e outra vez, sustentada pela misericórdia do Pai eterno, cujo rosto é Jesus, o nosso Salvador.

Uma oportunidade histórica

Esta é a escala do desafio que decidimos enfrentar no V Encuentro Nacional de Pastoral Hispana/Latinaque é a maior tarefa pastoral jamais empreendida pelos bispos dos Estados Unidos como um todo. Reconhecemos que estamos perante uma oportunidade histórica de rejuvenescer a Igreja nos Estados Unidos, para que a face radiante do seu eternamente jovem fundador seja mais claramente visível na Igreja. Procurámos fazê-lo em resposta ao apelo do Papa Francisco e de acordo com o seu cativante zelo pastoral, estilo e abordagem aos desafios de hoje.

Percebemos que nesta nova era já não basta pregar do púlpito, esperando que os fiéis obedeçam à autoridade do pároco ou do bispo. Já não é suficiente dar a conhecer uma série de obrigações e regras, com a expectativa de que sejam cumpridas. É necessário sair e procurar as ovelhas, para "pastar" com elas, até nos sentirmos confortáveis a cheirar a ovelhas. Estamos a fazer o nosso melhor como Igreja para encontrar o Ressuscitado nas periferias, como os discípulos de Emaús, para sermos movidos pela terna misericórdia que o Senhor nos concedeu e depois sairmos com os corações ardentes para nos encontrarmos com todos onde eles estão.

Deste modo, o V Encuentro reuniu milhares de discípulos missionários em reuniões paroquiais e diocesanas. O último relatório recebido sobre a celebração do V Encuentro a nível diocesano totaliza 135 dioceses. As vozes de todos os participantes estão agora a ser ouvidas a nível regional e serão ouvidas no Encontro Nacional.

Entre os programas especificamente destinados aos jovens, realizou-se o Colóquio Nacional sobre Ministério da Juventude, que reuniu líderes diocesanos, bispos, académicos, religiosos, investigadores, líderes paroquiais, filantropos, e chefes de organizações nacionais. Tivemos também um Domingo Catequético, que encorajou o empenho dos pais e de toda a comunidade em apoiar em conjunto a catequese das nossas crianças e jovens, e em acompanhá-los na sua viagem de forma alegre e significativa. Tivemos também um concurso de vídeo viral, bem como outras iniciativas.

Renovação

Durante o meu tempo como Presidente da Comissão da Diversidade Cultural da Conferência Episcopal, tenho testemunhado a presença do Espírito Santo neste processo. Descobri que esta experiência tem sido edificante e boa para muitos dos nossos irmãos e irmãs na fé. Com o favor de Deus estamos a ultrapassar velhos hábitos para dar lugar à compaixão de Jesus. O Senhor parece estar a inspirar novas expressões de espiritualidade, bem como uma renovada compreensão teológica e pastoral de algumas realidades que podemos ter negligenciado. Muitos novos líderes surgiram, especialmente líderes leigos, que estão a assumir com renovada paixão a sua responsabilidade missionária na Igreja e no mundo. Novas formas de expressar a verdade de Cristo de formas belas, mobilizando os corações das novas gerações para o amor autêntico, estão a emergir.

Mais uma vez nós, hispânicos, estamos a ser instrumentos históricos para a difusão da mensagem do Evangelho. Estamos a redescobrir a beleza e riqueza da nossa fé e tradições, enquanto o nosso calor, alegria e vitalidade estão a fomentar a a unidade na diversidade de uma sociedade que tem uma enorme necessidade de curar feridas. A meio deste grande empreendimento e de mãos dadas com Nossa Senhora de Guadalupe, Estrela da Nova Evangelização, posso hoje fazer eco das palavras que o nosso Santo Padre dirigiu aos jovens do Rio de Janeiro: "Continuarei a alimentar uma imensa esperança nos jovens... através deles, Cristo está a preparar uma nova Primavera em todo o mundo. Vi os primeiros resultados desta sementeira, outros irão regozijar-se com a abundante colheita" (Discurso durante a cerimónia de despedida, 28 de Julho de 2013).

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.