Vaticano

Um monumento à misericórdia em todas as dioceses como lembrança do Jubileu

Giovanni Tridente-13 de Maio de 2016-Tempo de leitura: 2 acta

Um "monumento" à misericórdia em cada diocese, como recordação viva do Jubileu: o Papa Francisco confiou este desejo aos fiéis no final da Vigília de Oração com os seguidores da espiritualidade da Misericórdia Divina, celebrada a 2 de Abril no sagrato da Basílica de São Pedro. 

- Giovanni Tridente, Roma

A ideia, que precisa de ser esclarecida com os bispos, é de construir, sempre que possível, obras estruturais onde se vive a misericórdia, tais como um hospital, um lar para idosos, um lar familiar para crianças abandonadas, uma escola onde seja necessário, uma comunidade para a recuperação de toxicodependentes... como uma iniciativa concreta e sinal do Ano Santo.

O próprio Santo Padre, no seu discurso para a Vigília, falou do facto de Deus nunca se cansar de expressar a sua misericórdia, "e nunca devemos adquirir o hábito de o receber, de o procurar e de o desejar".. Uma circunstância muito frutuosa foi a celebração deste ano, pois coincidiu com o décimo primeiro aniversário do nascimento no céu de São João Paulo II, que como Papa instituiu o "Domingo da Misericórdia Divina", em cumprimento de um pedido de Santa Faustina Kowalska.

Referindo-se a "tantas faces que Deus assume através da sua misericórdia, o Papa falou do facto de "é sempre algo novo que provoca espanto e admiração".. Misericórdia, acrescentou ele, expressa "acima de tudo, a proximidade de Deus ao seu povo".que "manifesta-se principalmente como ajuda e protecção". e, portanto, como uma atitude de "ternura".: "uma palavra quase esquecida e da qual o mundo - todos nós - estamos hoje em necessidade".. Certamente, a facilidade com que é possível falar de misericórdia corresponde a uma exigência mais empenhada de "ser testemunhas dessa misericórdia no betão"..

Entre as outras faces da misericórdia, o Santo Padre também destacou a compaixão e a partilha. "como compaixão e comunicação": "Aquele que mais a recebe é mais chamado a oferecê-la, a comunicá-la; não pode ser mantida escondida ou retida apenas para si próprio".. Por outro lado, "sabe como olhar nos olhos de cada pessoa".o que é precioso para ele porque é único. Este dinamismo misericordioso é também algo que "nunca nos poderá deixar em paz".mas não ter medo de.

Na Santa Missa celebrada no dia seguinte durante a sagrato da Basílica de São Pedro, o Papa Francisco convidou os fiéis a "ler e reler". o Evangelho, "livro da misericórdia de Deus".que permanece aberta e na qual todos terão de continuar a escrever "os sinais dos discípulos de Cristo, gestos concretos de amor, que são a melhor testemunha de misericórdia".. O Papa convidou-nos a sermos cautelosos na nossa vida quotidiana. "luta interior entre o coração fechado e o apelo do amor a abrir as portas fechadas e a sair de nós próprios".. A este respeito, vale a pena olhar para o exemplo de Cristo, que, depois de ter passado por "As portas fechadas do pecado, da morte e do inferno, ele também quer entrar em cada um de nós para abrir de par em par as portas fechadas do coração"..

"Muitas pessoas pedem para serem ouvidas e compreendidas".acrescentou o Santo Padre. Por este motivo "o Evangelho da misericórdia, para o proclamar e escrever em vida". necessidades "pessoas com coração paciente e abertotantos "bons samaritanos" que conhecem a compaixão e o silêncio perante o mistério do irmão e da irmã; ele apela a servos generosos e alegres que amam livremente sem esperar nada em troca"..

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.