Mundo

Cuidados pastorais nos cantos mais frios do mundo. Os tabernáculos da Antárctida

Um trabalho pastoral único para além das periferias. Tal é o trabalho pastoral dos capelães do exército argentino que levam Deus para os cantos mais frios do mundo. 

Javier García-17 de Novembro de 2022-Tempo de leitura: 5 acta
antárctida

Sempre houve anedotas curiosas ao longo da história do cristianismo. Por exemplo, quando o astronauta católico americano Mike Hopkins levou a Eucaristia para o espaço durante uma missão em 2013. Hopkins pediu à diocese de Galveston-Houston, Texas, permissão para tomar formas consagradas a bordo da nave espacial, para que pudesse receber a comunhão aos domingos durante a sua missão de seis meses à estação espacial internacional. É sem dúvida uma anedota que ficará na história e quem sabe se se tornará uma ocorrência regular se as viagens espaciais e a colonização da lua ou de outros planetas aumentarem. 

Outra destas presenças eucarísticas muito especiais situa-se a sul do paralelo 60, onde começa o território antárctico. Para este relatório contamos sete capelas católicas, cinco pertencentes ao arcebispado militar argentino, outra ao bispado militar chileno e a última à diocese chilena de Río Gallegos. O Padre Luis María Berthoud, um dos capelães argentinos, comentou numa entrevista que no cuidado pastoral da Antárctida, "... a capelania católica na Antárctida é uma parte muito importante do cuidado pastoral do exército chileno".se formos mais Igreja à saída... caímos do mapa!". 

Para além da presença católica, existe também uma igreja da Igreja Anglicana Norueguesa, uma igreja da Igreja Ortodoxa Búlgara e uma igreja da Igreja Ortodoxa Búlgara. Igreja Ortodoxa RussaNo entanto, também podem existir outras capelas sobre bases noutros países. Por exemplo, uma das bases americanas tem uma capela multi-denominacional que é frequentada dois meses por ano por um capelão. Em qualquer caso, é difícil saber quantas capelas podem existir na Antárctida, uma vez que o cuidado pastoral não está centralizado e depende das dioceses dos diferentes países com uma presença na Antárctida. 

Tabernáculos no Pólo Sul

Como é que a fé chegou a estes lugares? Com as expedições científicas ao Pólo Sul, muitas delas patrocinadas pelos exércitos de diferentes governos. Foi assim que em 20 de Fevereiro de 1946 o jesuíta Felipe Lérida - que na sua juventude suportou o frio da sua Soria natal - celebrou a primeira Missa no território antárctico, depois de erguer uma cruz de 8 metros na base científica argentina. ArcadasO primeiro a ser estabelecido no continente antárctico, em 1904. 

Depois de celebrar o serviço religioso, à meia-noite de 20 de Fevereiro de 1946, o Padre Lérida enviou este telegrama ao Papa Pio XII: "Primeira Missa celebrada, Cruz erigida, Culto da Virgem Maria estabelecido, Continente Antárctico, Ilhas Orkney, República da Argentina. Padre Lérida, jesuíta, Buenos Aires, pede a bênção.". Não são palavras de Armstrong quando ele pisou na lua, mas são também memoráveis. 

A presença humana no continente continuou a crescer e existem agora 43 bases permanentes, de 20 países diferentes, que albergam uma população de Inverno de cerca de 1100 pessoas, embora nos meses de Verão o número quase quadruplique.

Massas congeladas

O Inverno de 2022 promete ser mais frio do que o habitual, pois o aumento dos preços dos combustíveis causado pela guerra na Ucrânia significa que estaremos a aumentar o aquecimento menos do que nos anos anteriores. Contudo, este frio não é nada comparado com o que é assistir à Missa numa das capelas do continente antárctico. Pois, embora possa não parecer, existem também lugares de culto em lugares tão distantes. 

A maioria das construções em que estas capelas estão alojadas são muito rudimentares, baseadas em recipientes de construção e outros modelos pré-fabricados simples. Como as condições climáticas são extremas, as instalações nos pólos são frequentemente pequenas, especialmente porque o número de adoradores que assistem às celebrações litúrgicas é muito pequeno. 

A capela de Nuestra Señora de las Nieves, a capela mais meridional do planeta, está localizada na base argentina em Belgrano II e a missa é celebrada a 18 graus negativos, pelo que as cerimónias não devem durar muito tempo. É certo que é toleravelmente frio porque é muito seco. Os outros locais de culto têm algum aquecimento, pelo que é possível permanecer em condições mínimas.  

De todas as capelas da Antárctida, a de Las Nieves é sem dúvida a mais espectacular, pois está dentro de um glaciar e todo o seu interior é feito de gelo. É talvez o santuário mais meridional do mundo. A fotografia que ilustra esta reportagem mostra a sua beleza. Dentro da temperatura permanece constante, mas fora dela pode facilmente ser -35°C no Verão... 

Rotação de sacerdotes

Quando não havia falta de clero, alguns capelães passaram o ano inteiro nas bases, mas há anos que só podem servir durante a campanha de Verão. Mesmo assim, os capelães antárcticos de todas as igrejas e denominações são rodados todos os anos. Normalmente os padres estão em cada base durante alguns dias por ano durante a campanha de verão, quando o padre passa alguns dias na base. Para além de celebrarem a Missa, as pessoas são abençoadas e são rezadas orações pelos mortos. Durante estes dias, muitas pessoas vêm confessar-se ou conversar com o padre. Para chegarem às bases, os capelães aproveitam normalmente as viagens do quebra-gelo. Almirante Irizar A Marinha argentina, que desembarca em cada uma das bases para levar comida durante todo o ano e recolher o lixo do ano anterior. 

Graças a estas viagens, os padres vão a lugares que não têm clero durante todo o ano, e até deixam a Eucaristia para os fiéis receberem a comunhão ao longo do ano, pois há um ministro de comunhão em cada base que a distribui aos domingos. Algumas bases recebem um padre durante o Inverno, mas esta não é a norma. No próximo ano vamos tentar ter um padre a passar o Inverno na base. Base da Esperança, e passará de lá para três outras bases argentinas. Nalguns deles, há numerosos funcionários estacionados no local e mesmo algumas famílias. 

Quando os capelães chegam às bases, a sua actividade multiplica-se. Há apenas alguns dias no terreno e muita gente para atender. Mas no exército, todos têm um trabalho e um horário exigente, e os padres ajudam com o que for necessário: cortar gelo, cozinhar, limpar ou ajudar outros nas suas tarefas. 

Viver a fé sem um pastor

Nas seis bases do exército argentino tripuladas ao longo do ano há um tabernáculo com formas consagradas para aqueles que desejam receber a comunhão aos domingos. A comunhão é distribuída e os fiéis são reunidos para oração por um ministro de comunhão devidamente instruído, que também está em contacto frequente com o capelão do exército encarregado da pastoral antárctica. Ele fornece-lhes material espiritual ou celebra algumas Missas para que as sigam. em linha

A prática da fé não é fácil também devido à falta de tempo: os dias de trabalho deixam pouco tempo para parar e rezar. Por esta razão, os capelães encorajam frequentemente as pessoas de fé que trabalham na base a habituarem-se a transformar o seu trabalho em oração.

A proximidade do Papa

Em Abril de 2015, o oficial de mandado Gabriel Almada não podia acreditar nos seus ouvidos quando pegou no seu telefone e não ouviu mais ninguém além do Papa Francisco do outro lado da linha. Tinha recebido o seu pedido para enviar algumas linhas felicitando as tropas estacionadas na base de Marambio Antárctico para a Páscoa. A capela de base alberga uma réplica da Virgem de Luján, solenemente transferida do seu santuário em 1995. Além disso, há pouco tempo, há uma arca com um solidéu do Papa Francisco e um rosário abençoado por ele. Chegou lá pela mão do Padre Leónidas Torres, que a transportou a Base Esperanza em Dezembro de 2015. A base tem muitas famílias militares que lá passam o ano inteiro, por isso as primeiras comunhões são por vezes celebradas lá também. 

Em 2003, uma montanha antárctica de mais de 1000 metros de altitude foi dedicada a São João Paulo II em homenagem aos seus 25 anos de pontificado. É marcado com o topónimo Monsenhor Ioannis Pauli II nos registos internacionais. O chefe da Peregrinação Romana, Monsenhor Andreatta, organizou uma expedição à Antárctida para plantar uma cruz no glaciar Horseshoe Valley, e pouco depois foram dados os passos necessários para registar o nome da montanha nos mapas internacionais.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.