Notícias

Chaves para a erradicação da violência contra as mulheres

Omnes-2 de Fevereiro de 2018-Tempo de leitura: 10 acta

Na sequência dos últimos casos de violência contra as mulheres em Espanha e no mundo, Palabra aborda hoje, de um ponto de vista psicológico e psiquiátrico, em que consiste esta violência dramática, as suas raízes, e os sinais que a denunciam. Uma agressão já é demasiada, dizem os autores, que mergulham nas relações e na forma de agir se alguém sofre esta violência.

TEXTO - Inés Bárcenas, psicólogo, María Martín-Vivar, psicólogo, doutorado em Psicologia, e Carlos Chiclana, psiquiatra, doutor em medicina.

Mais de 800 milhões de mulheres em todo o mundo sofrem violência só porque são mulheres. A maioria das agressões baseia-se na crença errada na superioridade dos homens sobre as mulheres, que a sociedade tão frequentemente encoraja ou abafa.

A violência baseada no género, baseada em diferentes atribuições sociais segundo a cultura, em todos os seus aspectos físicos e psicológicos, é um problema muito sério que requer uma intervenção firme e constante na educação para a igualdade, diversidade e respeito. Uma única agressão só porque ela é uma mulher seria inconcebível. A realidade é que milhões de mulheres vivem com medo.

Tipos de violência e abuso baseados no género

Segundo a OMS, existem vários tipos de violência que requerem diferentes intervenções. Parece que a palavra violência implica que há danos físicos que o levam para as urgências, mas não é esse o caso. Há muitas formas de tratar mal as pessoas, e quando isto é feito porque são mulheres e com o desprezo que isso implica, poderia ser considerado violência baseada no género. O mesmo seria verdade no caso inverso, se uma mulher trata mal um homem só porque ele é um homem.

A neuropsicóloga Sonia Mestre descreve vários tipos de abuso nas relações, que podem ocorrer tanto a mulheres como a homens. Vão desde a degradação - reduzindo o valor da pessoa - e a objectificação - transformando outra pessoa num objecto, sem desejos, necessidades ou escolhas - até à intimidação, sobrecarga de responsabilidades, limitando e reduzindo a possibilidade de satisfazer as necessidades sociais, pessoais e de trabalho da pessoa abusada, até à distorção da realidade subjectiva, que está a transformar a percepção do outro. A última etapa é a violência física, que consiste numa agressão que não tem de causar lesões graves: pode ser bater, empurrar, arranhar, bater, atirar um objecto ou o extremo grave da violência sexual.

Acontece mais agora do que antes?

Felizmente, estamos a viver um momento social de consciência e visibilidade da violência sexual contra as mulheres. Este fenómeno constitui um grave problema de saúde pública e tem um profundo impacto na saúde mental e física das mulheres e de muitos outros.

A OMS estima que uma em cada três (35 %) mulheres em todo o mundo já sofreram violência física e/ou sexual por um parceiro ou terceiro em algum momento das suas vidas. Quase um terço (30 %) das mulheres que estiveram numa relação sofreram alguma forma de violência física e/ou sexual por parte de um parceiro íntimo. 38 % dos assassinatos de mulheres no mundo são cometidos pelo seu parceiro masculino.

No nosso país estamos a viver numerosas exigências e debates públicos, apelando a um sistema judicial mais bem preparado para estas situações. A relevância destas exigências reside na intenção de dar voz a uma realidade que tem afectado milhões de mulheres em todo o mundo desde há milhares de anos. Um fenómeno, em muitos casos silenciado pela relutância das próprias vítimas em denunciar, seja por medo, vergonha, sentimentos de culpa ou antecipação de que não receberão o apoio ou credibilidade necessários. Estamos a viver um momento de consciência do sofrimento que a violência sexual desencadeia, abrindo importantes debates sobre os limites do consentimento e o poder que alguns homens exercem sobre algumas mulheres.

Os sociólogos e psicólogos avisam que não existe um perfil característico para pessoas sexualmente violentas, e que apenas uma minoria tem uma patologia mental. Os perpetradores podem provir de diversas origens socioeconómicas, e podem ser alguém conhecido da vítima, como um amigo, um membro da família, um parceiro íntimo, ou um completo estranho. Para compreender as causas, prevenir abusos e intervir explicitamente quando já tenha ocorrido, podemos agir em 4 níveis: dois "micro-níveis", individual e relação dentro do casal, e dois "macro-níveis", grupo ou comunidade e o sócio-ambiental mais amplo.

Não se trata apenas de sexo

O motivo destas agressões não é apenas o desejo sexual, mas também o "vácuo de poder", a insegurança e a necessidade de controlo por parte do homem. A violência sexual é um acto destinado a degradar, dominar, humilhar, aterrorizar e controlar a mulher. Esta imposição de poder é utilizada pelo agressor para aliviar a sua própria insegurança quanto à sua aptidão sexual, compensando sentimentos de impotência e frustração através do uso da força ou da coerção psicológica.

A violência sexual contra as mulheres está presente em todas as sociedades do planeta, transcendendo as fronteiras da riqueza, raça, religião ou cultura. Profundamente enraizado na história, está enraizado em valores e atitudes que promovem e perpetuam o domínio físico, político, económico e social das mulheres. Dentro deste quadro social, o movimento feminista deu fortes contributos para as causas da violência sexual contra as mulheres. O feminismo baseia-se numa teoria de justiça que promove a liberdade e a igualdade de direitos para todos os seres humanos, independentemente do sexo com que nascem, feminino ou masculino.

Educar, educar e educar. Depois reeducar

O caminho actual leva-nos à revisão do "imaginário social" sobre o corpo feminino e a sexualidade e os limites do consentimento. A despersonalização e a utilização dos corpos das mulheres como objectos de consumo para os homens continua a prevalecer, perpetuada nos meios de comunicação e nas redes sociais, e implicitamente presente nas relações.

O motor da mudança reside na educação e na consciência do papel activo das mulheres na sua determinação, na sua capacidade de decisão, na descoberta do seu poder individual, do seu próprio valor e da sua própria existência.

O inimigo não é o homem

Ser mulher não tem nada a ver com imitar os homens ou lutar contra eles. Há também necessidade de dissociar a masculinidade de atitudes como o domínio, a agressão ou o uso da força como arma. Como se estes comportamentos fossem a base da sua segurança ou identidade. Precisamos de sistemas judiciais e políticos maduros que tomem consciência real do problema, tornem os testemunhos das vítimas visíveis e sólidos, fechando o cerco a futuras agressões.

Num sentido mais profundo, precisamos de recuperar um sentido de responsabilidade individual para que, face a cada um destes crimes, homens e mulheres unam as nossas vozes para dizer não, não em meu nome, não à violência sexual, não em nome da nossa sociedade. Uma sociedade madura terá o cuidado de fornecer os meios para reeducar todos aqueles que cometem crimes de violência. Dependendo da intensidade e da gravidade da infracção, necessitarão de reeducação para facilitar a sua reintegração na sociedade, família ou casal.

A pornografia é um inimigo na luta contra a violência contra as mulheres. De acordo com estatísticas de alguns estudos académicos, mais de 85 % de cenas pornográficas contêm violência física, quase 95 % são dirigidos contra mulheres e 80 % são executados por homens.

O que fazemos com as nossas filhass e crianças?

O sexo é determinado geneticamente: ou se é homem ou mulher. O género identifica aspectos relacionados com atribuições psicossociais, relacionais e culturais sobre o sexo; estas são atribuições dinâmicas que mudam de acordo com o tempo, lugar, cultura, etc.

Que sugestões recebem as raparigas sobre os "papéis" que devem desempenhar na realidade? Que informações recebem? Canções, videoclipes, anúncios, youtubersséries, séries, programas de rádio, redes sociais. Em muitos destes conteúdos, os homens têm uma atitude de força e domínio sobre as mulheres. Ela, inferior ou maltratada, não rejeita, e até normaliza o comportamento abusivo e violento através de letras cativantes.

O comportamento da família como grupo que não defende as mulheres normalizará muitas destas atitudes tanto nelas (superioridade, sentimento de comando, imposição de obediência, obrigação de papéis que só são comuns às mulheres porque são mulheres, etc.) como nelas (submissão, não reacção a imposições injustas, desenvolvimento de crenças erradas sobre si próprias, etc.).

Uma adolescente hoje deve ter acesso a uma sólida formação humana para poder escolher com discernimento e ter ideias claras sobre o respeito pela pessoa e pela mulher, por si própria. Uma visão criada por adultos, em filmes, séries, documentários e programas de televisão/rádio, pode não ter uma influência negativa nos adultos, mas em fases anteriores, infância e adolescência, é prejudicial. Um adulto bem educado interpreta-o como uma situação de violência machista, antiquada e baseada no género; um adolescente de 12 anos de idade interpreta geralmente que as mulheres são inferiores aos homens e é normal observar comportamentos violentos da sua parte, ou submissão por parte deles.

A família como referência

Há pilares básicos como a família e a escola que são mais influentes do que o ambiente nas fases evolutivas. Se observarmos, ouvirmos, prestarmos atenção, supervisionarmos o acesso, acompanhá-los na sua navegação, etc., ensiná-los-emos a ser críticos, a estabelecer limites, a dizer não, a rejeitar a violência, a saber distinguir um pormenor de afecto da manipulação, e uma tentativa de conquista amorosa do assédio repetido, a destruir os preconceitos de género, a compreender as diferenças entre homens e mulheres sem prejuízo da igualdade entre homens e mulheres como pessoas e nos seus direitos.

A família é a base da segurança para crianças e adolescentes. As atitudes e valores que as crianças e adolescentes têm visto nos seus pais modelam e moldam a forma como pensam, sentem e agem. Se quiser que eles mudem, mude-se a si próprio primeiro. Rapazes e raparigas devem ver e ter igual responsabilidade pelas tarefas e tarefas diárias em casa. Devem ser capazes de dizer não e ser respeitados, ser habilitados desde tenra idade para poderem ser o que quiserem profissionalmente, sem serem pré-atribuídos um papel obrigatório.

Eles precisam de saber que podem escolher desde tenra idade, que têm os mesmos direitos que as crianças, que serão educados e exigidos para alcançar o que se propuseram a fazer. Isto implicará a partilha de tarefas iguais e equitativas em casa, praticadas pelos próprios pais, respeito mútuo entre o casal e em relação aos filhos, independentemente do sexo.

Tribunais de adolescentes

Num inquérito realizado em Espanha em 2015, mais de 60 % de adolescentes de ambos os sexos consideraram que o rapaz devia proteger a rapariga; e 32 % pensaram que era normal ter ciúmes. A educação para a igualdade nas relações afectivas é de importância vital. O amor é amar bem. Os ciúmes não são um sinal de amor. É necessário quebrar e lutar contra os mitos do amor romântico. Cinderela já não está à espera do príncipe. Twilight and Grey e as suas sombras são apenas alguns exemplos de atração romântica transformados numa relação tóxica.

A sociedade dos próximos anos está hoje a ser educada. As raparigas e adolescentes merecem esforço e avanços nos modelos sociais. Não merecem ter um tecto sobre as suas cabeças por causa da sua biologia. A prevenção da violência psicológica, física e verbal é gestatizada através da educação. Dignidade, direitos, poder e responsabilidades devem ser iguais. De raparigas a adolescentes. Dos adolescentes às mulheres. Há atitudes nas relações de namoro que alguns consideram normais e insalubres.

Quando alguém vem até nós

Quando se trabalha em trabalho de cuidados, é relativamente fácil para alguém vir até nós - ou suspeitarmos - que está a ser agredido. Na maioria das vezes a violência é perpetrada por alguém próximo: companheiro, pai, irmão, outro membro da família, cuidador, treinador, professor, amigo, catequista. E é frequentemente intrafamiliar. Pode ser útil ter informação impressa disponível para que a pessoa possa ler o que pode fazer, para onde ir, o que lhe está a acontecer, etc., e assim sentir-se mais identificada e habilitada a tomar as medidas necessárias para parar o mal.

Ir à paróquia, a confissão sacramental, uma conversa com um catequista ou um profissional de saúde ou qualquer outro membro da comunidade paroquial pode ser um primeiro passo onde uma tal mulher pode pedir ajuda.

Alguns sinais de que alguém pode estar a experimentar violência sexual são: formas bruscas ou temerosas de se relacionar com um parceiro; evitar ou agressão verbal; problemas de saúde mental; problemas relacionados com o comportamento sexual; problemas de saúde recorrentes que são respondidos com explicações vagas; crianças a contar o que está a acontecer em casa, gravidezes indesejadas, infecções sexualmente transmissíveis.

Em casos óbvios, pode ser apropriado recomendar-lhe que se dirija a um profissional de saúde para fazer um relatório de lesões, recolher provas forenses e poder apresentar a queixa com mais peso. É importante avaliar se a queixa será benéfica para o queixoso.

Se um agressor pedir ajuda

Se nos pedir ajuda, se tivermos conhecimento destes factos, podemos agir para facilitar a protecção daqueles que estão em risco; oferecer ajuda neste sentido ou agir através de relatórios e intervenções imediatas das forças de segurança, se esta for a forma de evitar agressões. Devemos considerar que, além de cumprir as leis/criminais de cada país, o infractor é também uma pessoa, tem o direito de se corrigir, curar os danos infligidos, pedir perdão, reeducar-se e reabilitar-se; sem esquecer que a sua reincidência causará danos muito graves, e que deve ser protegido e protegido desta situação.

Se os factos pelos quais é responsável assim o exigirem, devemos dizer-lhe que deve incriminar-se a si próprio. Dependendo do que fez, deve fazê-lo imediatamente ou organizar uma reunião planeada com um advogado. Ao lidarmos com casais, podemos detectar alguns sinais de aviso e podemos fazer com que as mulheres que tratamos tomem consciência deles, tornando-as conscientes das falsas crenças que as fazem justificar as agressões.

Pode ser de grande ajuda e interesse ter programas de formação em prevenção e acção em casos de violência contra as mulheres em todas aquelas instituições onde as pessoas são assistidas: dioceses, paróquias, escolas, etc. Devem ser dotados de competências em identificação, avaliação e planeamento de segurança, competências de comunicação, e competências em cuidados, documentação e encaminhamento para profissionais especializados.

Também pode ser muito útil organizar grupos pastorais específicos para mulheres que tenham sofrido violência. Será benéfico se estes forem "grupos de degraus" para que as pessoas possam ser capacitadas, tomar conta das suas vidas, desenvolver-se pessoalmente e tornar-se autónomas, de mente aberta e auto-suficientes.

Re-educação e mudança de padrões

Segundo a OMS, foi estudado que os homens que têm um baixo nível de educação, que foram abusados quando crianças, expostos à violência doméstica contra as suas mães e ao uso nocivo do álcool, viveram em ambientes onde a violência era aceite e onde existiam normas diferentes para cada sexo, acreditam ter direitos sobre as mulheres e são mais propensos a cometer actos violentos. Ao mesmo tempo, as mulheres que têm um baixo nível de educação, foram expostas à violência do parceiro íntimo contra as suas mães, foram abusadas quando crianças, viveram em ambientes onde a violência, o privilégio masculino e o estatuto subordinado da mulher foram aceites, são mais susceptíveis de serem vítimas de violência do parceiro íntimo.

A reeducação sexual é necessária para visualizar, encurtar, reduzir e anular as agressões sexuais em todas as áreas e situações, causadas pela violência sexista e baseadas na crença errónea na superioridade dos homens sobre as mulheres, que a sociedade tantas vezes encoraja ou silencia e por isso concede. Também é necessário não responder à violência com violência, mas utilizar os meios legais necessários e suficientes para proteger e curar as mulheres agredidas e para perseguir e reeducar os agressores.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.