Notícias

Os jovens e o álcool: prevenir a vulnerabilidade

A inclinação dos jovens para o álcool é causada pelo carácter, personalidade ou ambiente familiar e social. Factores como a insegurança ou a pressão ambiental requerem uma educação personalizada e preventiva. O desejo de viver a vida ao máximo quase desaparece na hiperactividade da droga, tal como descrito no final destas páginas.

Carlos Robles Bonifacio-7 de Novembro de 2017-Tempo de leitura: 4 acta
Jovens de costas voltadas para um botellón.

O álcool é a principal droga presente no nosso ambiente, a que produz mais mortes, com carácter patológico para indivíduos e famílias, escreve Sanz González. Normalmente cometemos o erro de diagnosticar uma pessoa como alcoólica se o seu corpo já mostra sinais físicos de consumo de álcool, o que é errado, porque nas fases iniciais do alcoolismo, o corpo ainda não mostra sinais de consumo de álcool, diz Schüller.

A idade média em que os adolescentes espanhóis começam a usar drogas aumentou ao longo da crise económica, entre 2009 e 2014, enquanto que a tendência habitual nos últimos anos se inverteu e eles começam agora a consumir álcool mais cedo do que o tabaco. Isto é de acordo com a avaliação final do Estratégia Nacional de Luta contra a Droga 2009-2016 apresentado pelo Ministério da Saúde no início deste Verão, que mostra que a idade inicial para o consumo de álcool aumentou ligeiramente de 13,7 para 13,8 anos em média, enquanto que a idade inicial para fumar aumentou de 13,3 para 13,9 no mesmo período.

Consumo juvenil

Temos de compreender que a etiologia do alcoolismo envolve uma vasta gama de diferentes factores, alguns dos quais são específicos do indivíduo e outros ambientais; factores como a personalidade, grau de maturidade, ambiente familiar, líderes de grupo a nível escolar, têm uma influência decisiva no desenvolvimento deste vício do álcool.

  Neste artigo pretendemos concentrar-nos no consumo numa perspectiva de juventude e iniciação, que é mais educativa e preventiva, e centra-se em factores sociais e individuais. Para muitos jovens, o consumo de álcool é uma experiência efémera, causada pela curiosidade, a atracção do desconhecido e a pressão dos pares. Podemos falar por uma maioria de jovens que o seu consumo está centrado num consumo recreativo onde o álcool faz parte dele como mais um elemento com o qual estabelecer relações.

O conjunto de variáveis caracterológicas do indivíduo também deve ser tido em conta para uma possível inclinação para o consumo. Temos sido capazes de observar quão elevados os graus de ansiedade -O facto de não poderem ser devidamente regulados pelos jovens encoraja o abuso do álcool, especialmente aos fins-de-semana.

Inseguranças, incertezas

O mundo da juventude pode parecer despreocupado, feliz sem limites, um mundo cheio de possibilidades..., mas muitos professores e muitos pais descobrem em maior proporção que o que está por detrás desta máscara de felicidade é um mundo cheio de inseguranças e incertezas.

Esta tensão não regulada requer uma série de respites, momentos em que a realidade se torna mais amável e mais tolerável. O jovem sabe, descobre, que o álcool facilita este tempo extra para poder ver as coisas de uma perspectiva diferente.

Outro aspecto relevante do consumo de álcool é a capacidade de amortecer o consumo de álcool. o frustração às exigências pessoais. Sabemos que os jovens operam num universo muito competitivo onde os padrões de comparação são muito activos; redes sociais que pontuam a nossa aceitação ao minuto, "grupo de amigos virtuais". onde o jovem teme a aceitação ou rejeição como algo fora do seu controlo.

A timidez, falta de segurança, é outra das variáveis caracterológicas que devemos ter em conta na formação integral do adolescente. O álcool proporciona-nos uma visão mais amável das nossas qualidades e faz com que nos mostremos ao mundo de uma forma mais relaxada e amigável.

Todos os jovens lutam pela aceitação, e a timidez é um obstáculo que é muitas vezes visto como imutável. Esta realidade aparentemente dura e injusta que o jovem faz das suas possibilidades leva-o a procurar um intermediário para mitigar uma realidade na sua vida que não foi aceite. O primeiro passo seria um conhecimento real do consumo, em segundo lugar a aceitação das suas limitações no campo das relações com os outros, e por último, facilitar actividades de substituição onde o jovem possa perceber que pode ultrapassar a si próprio.

Passividade dos pais

Nos últimos 20 anos, foi acentuado um padrão de pais em Espanha que não estão dispostos a complicar as suas vidas para evitar confrontar os seus filhos. A comunidade educativa tem vindo a alertar para um passividade nas obrigações como pais para assegurar a saúde dos filhos e o descuido do "necessidade regulamentar". necessário para a educação dos jovens.

Uma das falhas mais comuns dos jovens é a falta de segurança e auto-confiança devido à falta de um quadro normativo que os prepare para a vida adulta. E na mesma linha, superproteção é outro fenómeno que precisa de ser estudado. As necessidades do mercado actual obrigam muitos pais a estarem ausentes da família e longe de casa. Falta às crianças números de referência porque elas não existem e as relações de apego emocional deterioram-se. O afecto necessita de manifestações concretas; se estas não existirem, o jovem irá substituí-las por outras relações que satisfaçam as suas exigências. Portanto, estamos numa altura em que temos de substituir o "vale tudo". pela "todos juntos".

Educação personalizada

Não podemos ignorar outra variável, outro factor, que é um potenciador do consumo. A ambiente familiar A primeira é de uma perspectiva familiar onde um dos membros da família já está dependente do consumo de álcool.

Tendo em conta as deficiências acima referidas que os adolescentes apresentam à medida que crescem, consideramos apropriado realçar o valor de um educação personalizada. Nem todas as pessoas reagem e agem da mesma forma, pelo que a dependência do álcool e o consumo de álcool variam de acordo com o modo de ser de cada pessoa.

Os aspectos mais intencionais na formação dos jovens exigem aspectos que não podemos ignorar, tais como: realçar a singularidade da pessoa, facilitar o auto-conhecimento, encorajar o desenvolvimento físico e intelectual, promover valores que permitam a dedicação pessoal, marcar e delinear um projecto de vida pessoal, educar em liberdade, dar profundidade à vida cultivando a interioridade e um sentido de transcendência, o tempo livre como uma oportunidade para continuar a crescer, um sentido de solidariedade na vida... Em suma, despertar nos jovens o desejo de viver e viver em plenitude.

O autorCarlos Robles Bonifacio

Conselheiro. Doutoramento em Psicologia

Leia mais
Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.