Mundo

Madeleine Enzlberger: "O objectivo final da censura imposta pelo estado é a auto-censura".

O director executivo da Observatório sobre Intolerância e Discriminação contra os Cristãos na Europa (OIDAC Europa) considera que "a liberdade religiosa e outras liberdades fundamentais intrinsecamente ligadas, tais como a liberdade de expressão, deveriam ser melhor controladas e protegidas, especialmente nas universidades".

Maria José Atienza-16 de Novembro de 2022-Tempo de leitura: 7 acta
RELATÓRIO OIDAC

"Quanto menos conhecimento ou educação um cristão tiver sobre a sua própria fé, maior é a probabilidade de se auto-censura", diz ele. Madeleine Enzlbergerdirector executivo da Observatório sobre Intolerância e Discriminação contra os Cristãos na Europa (OIDAC Europa).

Esta plataforma acaba de publicar a sua mais recente relatório sobre ataques à liberdade religiosa na Europa, em que são enumerados mais de 500 casos de crimes de ódio contra a fé cristã em vários países e áreas europeias.

O relatório, lançado como parte do Dia Internacional da Tolerância em 16 de Novembro, mostra como a actual taxa de crimes de ódio e a crescente intolerância secular estão a ter um efeito arrepiante (efeito arrepiante) sobre a liberdade religiosa dos cristãos.

Em muitas sociedades ocidentais somos confrontados com a realidade da falta de formação da fé entre os próprios cristãos, o que dificulta a defesa de questões centrais como a dignidade da vida ou o papel da Igreja na sociedade... O desafio-chave na educação é? Como enfrentar uma tarefa tão vasta?

Uma das principais conclusões do nosso recente estudo sobre o fenómeno da auto-censura entre cristãos na Alemanha e em França revelou que o nível de educação dos cristãos se correlaciona significativamente com a sua tendência para a auto-censura.

Isto significa que quanto menos conhecimento ou formação que um cristão tem sobre a sua própria féQuanto maior a probabilidade de auto-censura.

Fá-lo-ão porque não se sentem suficientemente confiantes para expressar publicamente a sua opinião, que é frequentemente vista de forma crítica pelo público, simplesmente um problema de baixa auto-estima devido à falta de conhecimento. Também descobrimos que é um problema que afecta mais os católicos do que os protestantes.

Em última análise, este não é um problema que só pode ser resolvido gerando mais conhecimentos teológicos, mas uma crença pessoal e relacional que se manifesta na vida quotidiana e na identidade de um crente.

Para que uma pessoa possa desenvolver este nível de fé, precisa de espaço e liberdade suficientes na esfera privada e pública.

Se, por exemplo, um jovem enfrenta discriminação ou intolerância persistentes ou vê os seus pares sofrerem castigos sociais ou legais por expressarem opiniões de acordo com a sua crença, em alguns casos é provável que a pessoa conclua que os custos sociais de manter a sua crença são demasiado elevados.

Como resultado, o indivíduo pode até abandonar por completo a sua fé. Este é um desenvolvimento que não pode ser desejável em qualquer sociedade pluralista e verdadeiramente tolerante.

Para resolver este problema, é importante contrariar os dois principais problemas deste desenvolvimento erodido.

Em primeiro lugar, a liberdade de religião e as outras liberdades fundamentais intrinsecamente ligadas, como a liberdade de expressão, devem ser melhor controladas e protegidas, especialmente nas universidades.

Os chamados efeito arrepiante (Isto tem um efeito paralisante) que se traduz até numa cultura de anulação, não só em benefício dos cristãos mas da sociedade como um todo.

Em segundo lugar, os crentes precisam de espaços seguros poder crescer na sua fé e, em certa medida, também alguma formação apologética.

Os cristãos são chamados a falar a verdade quando lhes é pedido, ou quando vêem a injustiça ser feita, e isto exige uma coragem crescente.

Madeleine Enzlberger. Director Executivo OIDAC Europa

Muitos cristãos consideram que defender uma posição forte é contrário ao respeito pelos diferentes modos de vida ou crenças à nossa volta. Como podemos evitar a armadilha da auto-censura disfarçada de tolerância ou prudência?

- Esta é mais uma questão espiritual do que uma questão prática, diria eu. Não há um conceito único que possa ser aplicado a todos. Também é necessário ter em conta que denominações diferentes têm posições diferentes sobre certas questões e sobre a forma de lidar com elas.

Uma abordagem que poderia ser considerada uma estratégia geral é discernir a motivação e postura do próprio coração quando falamos.

Um coração endurecido, a percepção de que estamos a lutar contra as pessoas ou o medo são geralmente maus conselhos. Lembre-se sempre que não estamos a lutar contra alguém, mas por alguém.

O Os cristãos são chamados a dizer a verdade quando lhes é pedido, ou quando vêem uma injustiça a ser feita, e isto exige cada vez mais coragem.

Discernir o seu próprio coração é um bom navegador e responsabilizar os interessados pelos princípios democráticos.

Os cristãos da Europa não são apenas crentes, mas também cidadãos de países democráticos, que colocam a tolerância na sua bandeira.

A auto-censura ou a censura imposta é mais perigosa?

- Esta questão precisa de ser respondida de forma diferenciada, porque ambas as formas de censura podem ser muito prejudiciais.

Madeleine Enzlberger. Director Executivo OIDAC Europa

Em última análise, a censura imposta pelo Estado é mais perigosa porque está mais difundida. Em comparação com a auto-censura, é mais visível, e a censura estatal está normalmente ligada à punição legal. Consequentemente, o efeito arrepiante é muito grave, e as pessoas não só serão censuradas, como também se censurarão a si próprias, o que é o objectivo último da censura imposta pelo Estado.

Também cria uma falta de confiança entre indivíduos porque nunca se sabe em quem se pode confiar ou não confiar e a quem se pode contar ou não contar. A censura imposta pelo Estado é, portanto, uma das características mais essenciais de um regime totalitário em contraste com uma democracia liberal.

O perigo da auto-censura é que muitas vezes não é visível à primeira vista, e também pode ocorrer nas democracias porque é uma forma especial de "regular" um conflito social existente. No nosso tempo, o conflito gira sobretudo em torno dos fundamentos da nossa moral, que por sua vez funcionam como base para a regulação da nossa coexistência numa sociedade.

Como a auto-censura é um fenómeno social mais subtil, corrói lentamente a liberdade de expressão e os diversos e vitais discursos públicos e privados. Sem liberdade de expressão, a liberdade religiosa não pode ser plenamente garantida.

Sem a livre troca de ideias no discurso público, as democracias não podem evoluir e deixar de ser verdadeiramente representativas.

Estamos numa altura em que, na esfera pública, se evita qualquer sinal religioso ou se critica uma pessoa, líder, etc., que assiste a um serviço religioso. Será realmente uma falta de pluralidade ou de respeito por outros crentes ou ateus mostrar não só uma dimensão religiosa mas também uma dimensão espiritual do ser humano?

A presunção de que pessoas não religiosas baseiam a sua moralidade ou pensamento numa verdade 'neutra' sem valor é simplesmente falsa.

Todas as pessoas têm crenças que se baseiam numa verdade fundamental, mesmo quando esta verdade não envolve Deus. Este é um dos maiores erros do mundo de hoje. Significa que todas as pessoas retiram as suas decisões ou comportamento de alguma forma de verdade, não há qualquer isenção.

Deixar a religião fora da equação ao tentar compreender a realidade social conduzirá sempre a um resultado tendencioso.

Madeleine Enzlberger. Director Executivo OIDAC Europa

A segunda concepção errada é que a laicidade significa que a fé não pertence ao espaço público. Isto também não é verdade. A secularidade, que separa a igreja do Estado e garante uma relação saudável entre ambos, é geralmente neutra em relação à religião.

O O secularismo significa que o Estado não tem uma posição nem positiva nem negativa em relação à Igreja.. Em contraste, o secularismo, que é secularidade infusa de ideologia, tem um preconceito especificamente anti-religioso e muitas vezes anti-cristão. Por conseguinte, falamos da dinâmica da intolerância secular como o principal motor das instâncias de intolerância e discriminação que observamos contra os cristãos na Europa.

Um terceiro equívoco é que uma crença pessoal é algo que poderia ser comparado a um estilo de vida ou um passatempo escolhido, o que não é o caso; de facto, é um dos marcadores de identidade preponderantes das pessoas. Deixar a religião fora da equação Quando tentamos compreender a realidade social, isso conduzirá sempre a um resultado tendencioso.

À luz destes três equívocos, é justo dizer que o verdadeiro respeito e diversidade só pode existir se os não crentes e os crentes se considerarem iguais porque não há diferença entre eles, uma vez que ambos os grupos seguem a sua própria compreensão da verdade. Uma verdade baseada na fé não tem absolutamente menos valor do que uma verdade não derivada da fé. Este é o ponto mais essencial.

O Relatório Anual do OIDAC

O estudo realizado pela OIDAC (Observatório sobre Intolerância e Discriminação contra os Cristãos na Europa) baseia-se principalmente na análise do actual tratamento da liberdade de religião e consciência.

Para este fim, o estudo centra-se em três elementos-chave: liberdade de expressão, autoridade parental, liberdade de reunião e liberdade de contrato. OIDAC recolheu os dados principalmente através dos arquivos do próprio Observatório, entrevistas, questionários, relatórios governamentais, estatísticas oficiais e dos meios de comunicação social.

Dois peritos em liberdade religiosa, Janet Epp Buckingham e Todd Huizinga, também contribuíram para o estudo.

Em 2021, o OIDAC registou crimes de ódio contra cristãos em 19 países europeus, 14 dos quais envolveram alguma forma de agressão física e 4 casos foram assassinatos.

Por outro lado, durante o mesmo ano, várias organizações cristãs foram banidas das plataformas dos meios de comunicação social por opiniões dissidentes, enquanto comentários e discursos violentos contra cristãos foram permitidos nos mesmos meios de comunicação social.

O relatório reflecte também o aumento da auto-censura pelos cristãos ao longo de 2021 em cinco áreas: a educação, o local de trabalho, a esfera pública, as relações privadas e os meios de comunicação social.

Os resultados do estudo indicam que a França e a Alemanha são os países com a maior concentração de crimes de ódio, seguidos pela Itália, Polónia, Reino Unido e Espanha.

A maioria dos crimes consiste em vandalismo (graffitis, danos materiais e profanação), seguido do roubo de ofertas, objectos religiosos, hospedeiras consagradas e bens da igreja.

Durante épocas de festas religiosas, como o Natal, há uma concentração de crimes de ódio contra cristãos, perpetrados principalmente por satanistas, islamistas e grupos políticos de extrema-esquerda.

Em conclusão, o relatório do OIDAC examina as dificuldades enfrentadas pelos cristãos praticantes na Europa, devido à hostilidade social, crimes de ódio, tratamento discriminatório e estereótipos.

Tais actos comprometem as liberdades fundamentais cuja protecção, segundo o Observatório, "é vital para manter uma sociedade democrática, e para promover a tolerância, a paz e o respeito pelos seus membros".

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.