Cultura

A Pontifícia Guarda Suíça. História, comércio e curiosidades

A cada 6 de Maio novos membros da Guarda Suíça fazem um juramento de lealdade ao Papa, mesmo à custa das suas próprias vidas. Neste dia, em 1527, 147 guardas morreram protegendo o Papa Clemente VI durante o saque de Roma pelas tropas de Carlos V.

Alejandro Vázquez-Dodero-1 de Agosto de 2022-Tempo de leitura: 4 acta
GUARDA SUÍÇA

Eles são talvez os guardas mais fotografados do mundo. Os seus uniformes coloridos e rostos imperturbáveis atraem a curiosidade daqueles que se deparam com eles no Vaticano. O privilégio de guardar o Papa não é fácil. Entre os requisitos para aqueles que querem fazer parte deste corpo está o de serem católicos, com pelo menos 1,74 metros de altura, e possuírem um certificado de boa conduta. 

O que é a Guarda Suíça e quais são as suas competências?

A Pontifícia Guarda Suíça é um corpo militar responsável pela segurança do Papa e da Santa Sé. Organicamente é um exército - o mais pequeno do mundo - com pouco mais de 100 membros. 

O seu chefe é o Romano Pontífice, soberano do Estado da Cidade do Vaticano. Tem também um comandante com a patente de coronel, a mais alta autoridade militar do corpo; um vice-comandante com a patente de tenente-coronel; um capelão com a patente de tenente-coronel; um oficial com a patente de major; três oficiais com a patente de capitão; e os restantes são oficiais subalternos e soldados ou "halberdiers".

Como qualquer corpo militar, dispõe de sistemas e procedimentos de treino para treino táctico e de armas. Além disso, a Guarda Suíça é treinada na utilização da espada e alabarda - cujo significado é explicado abaixo - e é treinada como guarda-costas para a protecção dos Chefes de Estado.

Controla os quatro portões do Vaticano: a Porta do Santo Ofício, o Arco dos Sinos, a Porta de Bronze e a Porta de Sant'Ana, onde se encontra a sua sede.

Dentro do Estado da Cidade do Vaticano, a maior parte do território está sob a responsabilidade do chamado "corpo de guarda", composto por pouco mais de uma centena de agentes da polícia ou dos Carabinieri, distribuídos pelos jardins do Vaticano, o heliporto, os museus e outros locais que requerem uma vigilância especial. Este organismo, em coordenação com a Guarda Suíça, assegura a segurança da Santa Sé. A Guarda Suíça protege especificamente o Palácio Apostólico e a pessoa do Santo Padre.

Naturalmente, como é o caso em qualquer país civilizado, o Guardas suíços Trabalha com todos os organismos responsáveis pela segurança tanto do Romano Pontífice como da Cidade do Vaticano, e por isso coordena algumas das suas funções com a polícia do Vaticano e as forças de segurança italianas, dada a localização geográfica da Santa Sé, e com as autoridades dos Estados e locais onde o Papa viaja, a fim de conseguir uma protecção mais eficaz e segura.

Qual é a génese da Guarda Suíça?

A Guarda Suíça foi criada no início do século XVI, quando o Papa Júlio II pediu aos nobres suíços por soldados para a sua própria protecção. Nessa altura, os soldados suíços tinham uma elevada reputação, como ficou demonstrado pelos confrontos nas guerras borgonhenses.

Qual é o aspecto do uniforme de um guarda suíço?

O uniforme militar do Guardas suíços é uma das mais antigas do mundo. O actual foi concebido no início do século XX, e foi inspirado pelos frescos de Rafael. As cores combinam com as cores da casa de Della Rovere, à qual pertencia o homem que viria a ser o Papa Júlio II.

Consiste num morrião - um capacete que cobria as cabeças dos antigos cavaleiros, algo cónico e com uma crista quase afiada - decorado com uma pena vermelha ou branca, dependendo da patente militar envolvida. Usa também luvas brancas e couraça.

A guarda suíça usa meias-calças presas no joelho por uma liga dourada e cobertas por polainas, dependendo do tempo e da ocasião. Isto tem o triplo significado de mostrar a alegria de ser um soldado, de lutar e de estar ao serviço do Papa.

Em termos do armamento transportado por um guarda suíço, destaca-se o alabarda ou espada, que é uma arma medieval semelhante a uma lança, cuja ponta é trespassada por uma lâmina, afiada de um lado e em forma de lua crescente do outro. Naturalmente, o corpo também possui armamento de infantaria moderno, incluindo pistolas, metralhadoras, submetralhadoras e espingardas de assalto.

De que precisa para ser guarda suíço e como é a sua vida quotidiana?

Não qualquer um pode juntar-se à Guarda Suíça Pontifícia. Apenas solteiros, católicos, com pelo menos 1,74 metros de altura, entre 19 e 30 anos de idade, com um diploma profissional ou de escola secundária, com cidadania suíça e em posse de um certificado de formação básica nas Forças Armadas Suíças com um certificado de boa conduta. 

No nosso próprio website -www.guardiasvizzera.ch- Pode saber mais sobre o que significa ser um Guardião Suíço e quais são os requisitos para ser membro do corpo.

A cada 6 de Maio, os novos recrutas fazem um juramento de fidelidade ao Papa, mesmo à custa das suas próprias vidas. Nesse dia, em 1527, 147 guardas morreram protegendo o Papa Clemente VI durante o saque de Roma pelas tropas de Carlos V, e desde então esta tem sido a data escolhida para a indução de novos candidatos.

É um escritório em que existe uma certa rotação, de modo que os admitidos passam alguns anos na Santa Sé e depois de algum tempo regressam ao seu país de origem, geralmente a Suíça.

A vida de um guarda suíço é uma vida muito normal. Dias úteis de cerca de nove horas, com férias e feriados de acordo com os turnos de rotação. Os salários mensais básicos são um pouco mais modestos do que o que um soldado italiano ganharia.

Em suma, uma vida comum, na qual, naturalmente, cada um estabelece as suas próprias relações sociais e até - em vários casos - casamentos entre guardas suíços e noivos italianos que conheceram durante a sua digressão militar na Cidade do Vaticano.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.