Cultura

Frei Pascual SaturioO povo de Cádiz "nunca abandone a Virgem".

Hoje é a festa de Nossa Senhora do Monte Carmo, padroeira do povo do mar e do Stella maris. Mas há outra Virgem, de Cádiz, a Virgem do Rosário, que embarcou anualmente durante mais de 150 anos com a frota armada que preservou a marinha mercante. É a pequena Galeona, que navega pelo mar enquanto o santo padroeiro em tamanho real permanece no santuário de Cádiz. O Padre Pascual Saturio fala à Omnes sobre a Virgem.

Francisco Otamendi-16 de Julho de 2022-Tempo de leitura: 7 acta
galeona cadiz

Fray Pascual Saturio chegou a Cádiz em 1988, já padre dominicano, e parece que não há muitas pessoas que saibam tanto sobre a intensa relação da capital de Cádiz com a Santíssima Virgem como este homem cheio de vitalidade.

A presença da Virgem do Rosário entre os homens do mar remonta à vitória naval de Lepanto (1571) e está profundamente enraizada em Cádis. Fray Pascual fala a Omnes do santuário de Nossa Senhora do Rosário. Nossa Senhora do Rosáriono templo de Santo Domingoembora o povo popularmente lhe chame Santo Domingo, precisamente porque o Rosário, a devoção ao Rosário, e a presença dos monges aqui, se deve às circunstâncias dos escravos negros".

De facto, "os escravos negros que não foram levados para a América ficaram aqui na cidade". Vieram de Angola e Moçambique, que fazia parte da África evangelizada pelos frades dominicanos. E foram eles que criaram a confraria [da Virgem] que era um abrigo, uma espécie de seguro privado, para que todos eles pudessem ter medicamentos, um médico, uma pequena pensão no final... E colocaram-na sob o abrigo da Virgem do Rosário".

Eles pediram um frade, que veio de Sanlúcar, P. Luis CastendaPascual, por volta de 1620-1622, que veio com eles como capelão, explica o P. Pascual, e eles iniciaram a pequena capela da Virgem.

"Tudo considerado, foi entre a presença dos negros e o terço em Cádiz, e a vitória de Lepanto, que a Virgem alcançou o patrocínio sobre a cidade de Cádiz, e se tornou padroeira da cidade. E no mesmo santuário estão as duas imagens, a da Virgem do Rosário, em tamanho real, e a do Galeona".

Primeiro perguntamos a Fray Pascual sobre datas históricas e a sua chegada a Cádiz.

Desde quando é a Virgem do Rosário a Santa Padroeira de Cádiz?

- A Virgem do Rosário tem sido a Santa Padroeira de Cádis durante 150 anos. A nomeação pontifícia da Virgem data de há 152 ou 153 anos, e nós celebramo-la. Mas há provas de que há mais de trezentos anos o povo e a Câmara Municipal já a consideravam a padroeira de Cádis, embora a nomeação tenha sido feita mais tarde.

E você, há quantos anos está lá, no convento de Santo Domingo?

- Eu vim em 1988, e desde então até agora, 2022, estou aqui no convento, e continuo a ser um conventual. A vida passa rapidamente.

E ele tem sido um prior desde então? Reitor?

- Quando tínhamos uma comunidade e havia um grupo maior de dominicanos, eu fazia os serviços que a comunidade me pedia para fazer. Entre eles, o serviço do prior umas duas vezes. E depois, quando o trabalho de adaptação da casa começou, porque queríamos construir uma enfermaria provincial, e depois não pôde ser feito e tivemos de deixar parte dela para uma casa de hóspedes.

Todo este tempo estive aqui sozinho, e tenho sido o principal responsável pelo santuário da Virgem e pelas coisas que têm estado sob os cuidados do convento. E neste momento, agora que o trabalho da casa está terminado, ainda sou responsável pelo santuário, o responsável. Bem, reitor, sim, que é agora o escritório e a principal ocupação da casa. E como se trata de um único frade, não existe um priorado.

Uma última pergunta sobre si, e passaremos a falar de Nossa Senhora. Quando entrou nos Dominicanos e se tornou padre, Bro Pascual?

- Juntei-me à Ordem em 1978. E depois o Cardeal Amigo Vallejo, que descanse em paz, ordenou-me sacerdote em 1984. Assim entrei na Ordem dos Pregadores, da Palavra e ao serviço da Palavra, em 78, e um ano mais tarde professei como dominicano, que é o que o povo comum nos chama.

Vamos até à Virgem. A festa do Santo Patrono é em Outubro, mas como todas as festas da Virgem são belas, fazemo-lo agora.

- Claro que sim.

 Como vê a devoção a Nossa Senhora em Cádiz, e o povo de Cádiz vai lá para rezar à sua padroeira?

- Olha, acontece com o Santo Padroeiro exactamente da mesma forma que acontece com as mães de todos os espanhóis. Talvez não sejamos muito efusivos, nem estejamos a dizer durante todo o dia Eu amo-teNão a beijamos o dia todo, mas no entanto, no coração de cada um de nós, a pessoa da tua mãe ocupa mais de metade do nosso coração. Assim é com Nossa Senhora do Rosário.

Este santuário aqui em Cádiz não é um santuário como os outros grandes santuários... No entanto, em todo o povo de Cádiz o patrocínio da Virgem e o afecto pela Virgem do Rosário como sua Mãe e sua família está profundamente enraizado nos seus corações e nas suas consciências. Isto é verdade.

Esta é uma cidade onde há muitas igrejas e muitas imagens, e ao longo do ano há muitas circunstâncias religiosas para celebrar. Mas no entanto, no interior de cada coração, colocaram o seu altar, e nunca deixam a Virgem.

Tem uma irmandade, não tem?

- Sim. A Arquiconfraria do Santíssimo Rosário. Pertence a toda a Ordem e é universal. É o grupo dos fiéis. Aqui há cerca de três ou trezentos e cinquenta. É um grupo de fiéis cujo compromisso é, pelo menos uma vez por semana, rezar uma parte do terço, e depois participar na vida do santuário, no culto à Virgem, em colaboração com os frades. E eles não deixam de fazer parte da família dominicana, e parte da Ordem nesse sentido.

Aqui, durante anos, uma área do convento foi utilizada como um estúdio de radiodifusão, e todos os dias o Rosário era transmitido a partir do convento. Quando esta transmissão se perdeu, deve-se recordar que a Conferência Episcopal Espanhola, e mesmo a Ordem, queria comprar espaço suficiente para transmitir o Rosário todos os dias em tantas estações de rádio quantas as necessárias. Mas isto não se concretizou.

E agora o valor dos meios de divulgação de que dispõe está mais uma vez a ser realçado. Veja-se o canal de televisão, com a Rádio Maria, e com os elementos que também foram postos em funcionamento em algumas dioceses, o sucesso que estão a ter. Porque muitas pessoas, não só os idosos e os doentes, enquanto fazem as suas coisas em casa, podem ao mesmo tempo estar a rezar e assim participar na oração da Igreja.

Fale-nos sobre o Santo Patrono da cidade, e sobre o Galeona. Aqueles de nós que não conhecem bem a história, podem confundi-los.

- São duas imagens diferentes. Uma é a Santa Padroeira de Cádiz, a imagem em tamanho real da Santa Padroeira, e ela está sempre no seu altar, no seu santuário. A propósito, a devoção à primeira imagem, a da Virgen del Carmen, nasceu aqui, no convento, e nasceu aqui porque nós, dominicanos, chegámos a Cádiz antes dos Carmelitas Descalços, e quando eles chegaram, levámos a Virgem para o seu templo.

Bem, aqui em Cádis, todos os anos havia três expedições militares que tinham de preservar a marinha mercante no meio do mar, precisamente devido à pirataria dos ingleses, portugueses e daqueles que se dedicavam a roubar no mar. Esta frota armada, que preservou a marinha mercante, foi chamada de galeões. E um dos capitães da frota que ia todos os anos de Cádis a Cartagena de Indias, na Colômbia, teve a ideia: 'Homem, porque não embarcarmos na imagem que temos na nossa capela'.

Eles tinham a capela do continente aqui no convento, para enterrar os almirantes e os mais importantes que morreram. Porque não levamos connosco a imagem que temos na nossa capela? Enquanto estamos no mar, ele vem e vai connosco. E depois, durante o nosso tempo de descanso, aqui em Cádiz, é no convento".

E foi assim que a Santíssima Virgem foi embarcada anualmente durante mais de 150 anos nessa frota. É a segunda imagem da Virgem do Rosário, uma talha de 70 a 75 centímetros. Quando o trânsito comercial desapareceu, e o comércio começou a ser feito por outros meios, aviões, etc., a imagem permaneceu aqui no convento.

Mas depois embarcaram na Galeona e esta começou a navegar à volta do mundo.

- Sim, foi quando o navio de treino chegou. Juan Sebastián Elcanoque é o navio da Armada Espanhola, onde os marinheiros fazem os seus últimos cursos. Os homens da Armada, com o presidente da câmara e o anterior da época, tiveram a ideia de que quando o Elcano navega pelo mundo, porque não embarcarmos na Galeona. Ela vem connosco e tornamo-la presente em todo o mundo, recordando a presença da Virgem do Rosário entre os homens do mar desde a época de Lepanto, desde a vitória naval de Lepanto. E assim foi feito.

E agora, ultimamente, ela já navegou pelo mundo seis vezes. E todos os anos, vamos com ela, fazemos uma pequena procissão, marinheiros e nós, à despedida de Elcano, que ainda se encontra na doca de Cádiz.

A imagem em tamanho real da Virgem do Rosário, a Santa Padroeira, aquela que está no santuário, com um paramento, não foi levada a bordo. Tem sido embarcado ocasionalmente, esporadicamente, quando o levamos numa visita às paróquias ou num evento marítimo no cais, mas muito esporadicamente. A que é sempre tomada em consideração é a segunda imagem da Virgem do Rosário, que também temos aqui no convento.

Cádis Virgem

Fora do microfone, uma última questão, que também abordamos no final. O Papa veste branco por causa dos dominicanos, diz a história. E Bro Pascual comenta sobre o assunto.

- É assim. O Papa vestiu-se como um cardeal até se tornar Papa Pio V, São Pio V. Ele gostava muito do seu hábito dominicano, e foi eleito Pontífice, e foi ele que disse, bem, tudo bem. Mas não vou mudar a minha maneira habitual de me vestir, o meu hábito, a fim de levar a cabo a tarefa que me confiaram.

E se olharmos para o nosso hábito, o hábito do Papa é o mesmo, a única coisa é que eles adicionaram a faixa sobre a qual ele traz o seu brasão, e depois removeram o pico na parte de trás do capuz, que é o sinal dos mendicantes. Nós, frades que temos um capuz, e o capuz acaba num bico, é porque vivemos trabalhando no meio dos outros. O Papa, porque a sua obra é diferente, teve o seu capuz arredondado, removendo o pico da mendicidade, mas é exactamente o mesmo hábito. E o Papa é ainda aquele que veste branco na Igreja.

Friar Pascual conclui dizendo, por sua própria iniciativa e sem questionar: "Neste momento, na Europa Ocidental, este modo de vida que estamos a conduzir tem muitas deficiências e muitas dificuldades. Penso que é preciso dar a volta ao assunto. Aconteceu no tempo dos romanos, e mesmo assim eles tinham tanta certeza: o Império Romano iria cair. Bem, caiu. As mesmas dificuldades que as famílias e a ordem social estão a ter, e a forma como temos vivido, estão a afectar as ordens religiosas e a Igreja. Porque somos parte de todos, e no mundo estamos convosco".

Hoje, e isto é nosso, voltamo-nos para a Virgem, a Virgem do Monte Carmelo, a Virgem do Rosário, e as invocações de cada um, que não tem um Carmelita na sua família, perto ou longe, e um Rosário perto!

O autorFrancisco Otamendi

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.