Vaticano

"Só Jesus alimenta as nossas almas. Sem Ele, nós sobrevivemos em vez de viver".

O Papa Francisco comentou o Evangelho da Missa após a oração do Angelus deste domingo, onde recordou que Jesus é o verdadeiro Pão da Vida.

David Fernández Alonso-9 de Agosto de 2021-Tempo de leitura: 3 acta
angelus Papa Francisco

Foto: ©2021 Catholic News Service / U.S. Conference of Catholic Bishops.

O Papa Francisco, após a oração do Angelus da janela do Palácio Apostólico, de frente para a Praça de São Pedro, comentou o Evangelho do dia, assegurando que "no Evangelho da Liturgia de hoje, Jesus continua a pregar ao povo que viu o milagre da multiplicação dos pães". E convida estas pessoas a darem um salto de qualidade: depois de ter recordado o maná, com o qual Deus tinha saciado a fome dos pais no caminho pelo deserto, ele agora aplica a si próprio o símbolo do pão. Ele diz claramente: "Eu sou o pão da vida" (Jn 6,48)".

"O que significa o pão da vida", pergunta o Papa em retórica. "Para viver, é preciso pão. Aqueles que têm fome não pedem comida refinada e cara, pedem pão. Aqueles que estão desempregados não pedem salários elevados, mas sim o "pão" de um emprego. Jesus revela-se como pão, ou seja, o essencial, o necessário para a vida quotidiana, sem Ele não funciona. Não um pão entre muitos, mas o pão da vida. Por outras palavras, sem Ele, sobrevivemos em vez de viver: porque só Ele alimenta a nossa alma, só Ele nos perdoa daquele mal que não podemos vencer sozinhos, só Ele nos faz sentir amados mesmo que todos nos decepcionem, só Ele nos dá a força para amar, só Ele nos dá a força para perdoar nas dificuldades, só Ele dá o coração que a paz procura, só Ele dá a vida para sempre quando a vida aqui na terra acabar. E o pão essencial da vida.

"Eu sou o pão da vida", diz ele. Permanecemos sobre esta bela imagem de Jesus. Ele poderia ter feito um raciocínio, uma demonstração, mas - nós sabemos - Jesus fala por parábolas, e nesta expressão: "Eu sou o pão da vida", ele resume realmente todo o seu ser e toda a sua missão. Isto será visto na íntegra no final, na Última Ceia. Jesus sabe que o Pai lhe pede não só que alimente as pessoas, mas que se dê, que se quebre a si próprio, a sua própria vida, a sua própria carne, o seu próprio coração, para que possamos ter vida. Estas palavras do Senhor despertam em nós a admiração pelo dom da Eucaristia. Ninguém neste mundo, por muito que ame outra pessoa, pode fazer-se comida para ele. Deus fê-lo, e fá-lo, por nós. Renovemos esta maravilha. Façamo-lo adorando o Pão da Vida, porque a adoração enche a vida de maravilha.

"No Evangelho, porém", continua Francisco, "em vez de se espantarem, as pessoas são escandalizadas, rasgam as suas roupas. Eles pensam: 'Não é este Jesus, filho de José, cujo pai e mãe conhecemos? Como pode ele agora dizer: Desci do céu'" (cfr vv. 41-42). Talvez também nós estejamos escandalizados: estaríamos mais à vontade com um Deus que está no céu sem interferir nas nossas vidas, enquanto nós podemos gerir os nossos assuntos aqui em baixo. Contudo, Deus tornou-se homem para entrar no concreto do mundo, para entrar na nossa concretude, Deus tornou-se homem para mim, para vós, para todos nós, para entrarmos nas nossas vidas. E ele está interessado em tudo na nossa vida. Podemos falar-lhe dos nossos afectos, do nosso trabalho, da nossa viagem, das nossas dores, das nossas angústias, de muitas coisas. Podemos dizer-lhe tudo porque Jesus deseja esta intimidade connosco. O que é que ele não quer? Ser relegado para segundo plano - Aquele que é o pão - a ser negligenciado e deixado de lado, ou a ser chamado apenas quando estamos em necessidade".

"Eu sou o pão da vida. Pelo menos uma vez por dia encontramo-nos a comer juntos, talvez à noite, como uma família, depois de um dia de trabalho ou estudo. Seria bom, antes de partir o pão, convidar Jesus, o pão da vida, pedindo-lhe com simplicidade que abençoe o que fizemos e o que falhámos em fazer. Convidemo-lo a regressar a casa, rezemos de uma forma "doméstica". Jesus estará à mesa connosco e nós seremos alimentados por um amor maior".

O Papa concluiu voltando-se para a Virgem Maria: "Que a Virgem Maria, em quem o Verbo foi feito carne, nos ajude a crescer dia após dia na amizade de Jesus, o pão da vida.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.