Experiências

Mariella Enoc: "O bom gestor é aquele que sabe combinar orçamento e humanidade".

Giovanni Tridente-31 de Janeiro de 2018-Tempo de leitura: 9 acta

Palabra quis entrevistar Mariella Enoc no período que antecedeu o Dia Mundial do Doente, que a Igreja celebra todos os anos a 11 de Fevereiro, também para fazer um balanço da sua experiência, três anos depois, à frente do maior centro de policlínica e investigação pediátrica da Europa.

-texto Giovanni Tridente

"Sei que não estou sozinho nesta aventura; somos muitos a trabalhar juntos e, portanto, cada um de nós faz um pedaço deste grande mosaico".. Mariella Enoc, nascida em 1944, licenciada em medicina, é presidente do Hospital Pediátrico desde 2015. Bambino Gesùem Roma, o "hospital do Papa".

Tem uma longa carreira como membro de conselhos de administração e responsável por missões presidenciais, que ainda hoje detém, em várias fundações, sempre ligadas à saúde, e em qualquer caso no campo da gestão. Um CV muito respeitável que choca um pouco com o seu carácter, paradoxalmente sempre discreto e amante de um perfil baixo.

A sua nomeação foi decidida pelo Vaticano para dar uma nova direcção à estrutura de saúde, depois de a anterior equipa de gestão ter estado envolvida em alguns episódios desagradáveis de apropriação indevida de fundos, que levaram, entre outras coisas, a uma condenação pelo Tribunal de Estado da Cidade do Vaticano.

O Bambino Gesù celebra 150 anos no próximo ano. Nascido em 1869 como o primeiro hospital pediátrico italiano, por iniciativa dos Duques de Salviati, foi modelado no Hospital Enfants Malades O hospital foi doado à Santa Sé em 1924, tornando-se assim, em todos os aspectos, o hospital do Papa.

Emprega mais de 2.500 pessoas, tem mais de 600 camas e está dividida em quatro hospitais e centros de cuidados: o local histórico em Gianicolo, junto ao Vaticano; o novo local junto à Basílica de São Paulo Fora dos Muros; e os dois locais na costa do Lácio, em Palidoro e Santa Marinella.

Todos os anos, o Hospital regista cerca de 27.000 admissões e tantos procedimentos e intervenções cirúrgicas, cerca de 80.000 acessos de primeiros socorros e mais de 1.700.000 serviços ambulatoriais. Aproximadamente 30 % de doentes internados vêm de fora da região, enquanto 13,5 % são de origem estrangeira.

Desde 1985, a policlínica é também reconhecida como um Instituto de Hospitalização e Cuidados Científicos (IRCCS). Em 2004, abriu novos laboratórios de investigação com uma área de 5.000 metros quadrados, que também incluem um Fábrica de Célulasuma empresa farmacêutica inteiramente dedicada à produção em larga escala de terapias avançadas para doenças para as quais ainda não existe uma cura segura, incluindo a leucemia e as doenças raras.

É também o único hospital na Europa que realiza todos os tipos de transplantes actualmente disponíveis. Em Dezembro, pouco antes do Natal, após uma operação de 12 horas, dois gémeos siameses do Burundi foram separados.

O Papa Francisco pôde apreciar o trabalho do hospital pediátrico da Santa Sé em várias ocasiões. Em Abril passado, por exemplo, quando recebeu em audiência algumas crianças hospitalizadas - que, entre outras coisas, tinham participado num comovente documentário que foi transmitido durante várias semanas no terceiro canal da RAI, mostrando a vida quotidiana da sua grave doença - o Santo Padre sublinhou o ambiente familiar que caracteriza o hospital e a "testemunha humana" que brilha através dele.

Francis também manifestou o seu apoio aos projectos de acolhimento dos pequenos doentes estrangeiros, oferecendo ao hospital alguns desenhos que tinham vindo de crianças de todos os cantos do mundo através La Civiltà Cattolica e fazem agora parte de uma campanha de angariação de fundos para apoiar iniciativas para os não segurados.

Finalmente, ao Menino Jesus, o Papa dedicou a primeira "Sexta-feira da Misericórdia" de 2018, a 5 de Janeiro, para fazer uma visita surpresa à sede da Palidoro e levar um presente a cada uma das 120 pessoas admitidas.

Dizem que é muito poderoso e, ao mesmo tempo, discreto. Fale-nos um pouco da sua vida...

-Não sou certamente poderoso. Sempre lidei principalmente com cuidados de saúde privados, tanto com fins lucrativos como sem fins lucrativos. Tenho acompanhado de perto alguns hospitais católicos em dificuldades financeiras a fim de lhes dar a oportunidade de serem restaurados à saúde e de iniciarem a sua missão com serenidade e profissionalismo. Quando fui chamado aqui para Roma, confesso que nem sequer sabia como entrar no Vaticano. No início tive dificuldade em compreender porque tinha de estar aqui e tenho todos estes problemas. Com o tempo apercebo-me de que é uma experiência que termina o meu ciclo de vida de uma certa forma extraordinária.

Por isso penso que recebi um presente, porque nem todos têm uma oportunidade como esta e ainda se sentem projectados para o futuro.

Em que medida é que a fé afecta o seu percurso profissional?

-Faith afecta porque afecta o Evangelho, que eu considero ser a minha referência chave. É claro que há tempos mais fáceis e tempos mais difíceis. Também aqui passei por momentos muito difíceis, mas depois recuperei ao observar a força e a coragem de tantas pessoas, tentando permanecer fortemente apaixonado pela Igreja. A fé, portanto, ajuda porque dá força, dá sentido à missão que se desenvolve e porque, graças a Deus, a nossa é uma fé encarnada.

Como é que consegue convencer as pessoas que administra?

-É necessária uma certa autoridade, mas esta deve estar sempre ligada, antes de mais nada, a um sentido de justiça. Para mim, na vida sempre houve justiça e, portanto, caridade, no sentido de dar o devido reconhecimento às pessoas. Acima de tudo, tentamos trabalhar juntos como uma grande equipa, porque ninguém é mais importante ou menos importante do que qualquer outra pessoa. Todos sabem também que o dinheiro aqui é utilizado para a ciência e para o cuidado de crianças, e que o nosso hospital deve ser também um mundo aberto a outras realidades com as quais colaboramos: não nos fechamos numa torre de marfim.

Na sua Mensagem para o Dia do Doente, celebrada a 11 de Fevereiro, o Papa destaca a "vocação materna da Igreja para com os necessitados e os doentes". Sente-se um pouco como uma mãe para todas as crianças hospitalizadas?

- Esta é uma definição que o Papa Francisco utilizou de mim nas ocasiões em que nos encontrámos. Mais do que uma mãe, sinto-me mais como uma avó. Na minha vida não tive filhos, nem sobrinhos, sobrinhos ou parentes, e praticamente sempre cuidei de idosos e adultos. Certamente quando aqui vim encontrei em mim sentimentos que nunca imaginei ter: hoje, se vejo uma criança mesmo na rua, abraço-o ou a abraço. E quando estou muito cansado tenho a minha própria receita: levanto-me e vou a um dos serviços médicos, e isto dá-me muita motivação. No final, cada mulher tem sempre uma dimensão generativa que pode ser exercida em relação a todas as pessoas: idosos, adultos, aqueles que sofrem, independentemente de serem crianças ou não.

O Papa fala também do risco do "corporativismo", no qual se esquece que no centro está o cuidado da pessoa doente. Como se pode resistir à tentação?

-Isto é o mais difícil na prática, porque em qualquer caso é preciso equilibrar os livros e ter orçamentos que dêem estabilidade ao trabalho que se tem nas mãos, para que se tenha a possibilidade de ir em frente e continuar a sua missão. Tentamos manter este grande equilíbrio, pensando no orçamento mas lembrando que não somos uma organização com fins lucrativos, e que tudo o que produzimos deve ser reinvestido em investigação científica, em cuidados, na recepção. Não é fácil, mas se trabalharmos em equipa e todos estiverem também envolvidos em questões orçamentais, dizemos por experiência que isso pode ser feito.

O Santo Padre fala frequentemente de uma Igreja como um "hospital de campo". Vós, que já sois um hospital, ¿será que também se sentem "em campanha"?

-Sentimos um pouco de fronteira, porque realizamos uma actividade de acolhimento que não discrimina ninguém e abre os nossos braços a todas as crianças que necessitam de tratamento. No hospital, por exemplo, existem 150 mediadores culturais para 48 línguas, e isto diz muito sobre a população que acolhemos. Por outro lado, também tentamos ir à periferia: um dos nossos delegados visita semanalmente os acampamentos ciganos em Roma para oferecer cuidados médicos àqueles que lá vivem.

Na República Centro-Africana, em Bangui, estamos basicamente a reconstruir o hospital, confiando, entre outros meios financeiros, no que o Papa nos ofereceu directamente, e estamos a proporcionar formação a médicos locais e a futuros pediatras, em acordo com a universidade do país. Estamos a fazer o mesmo noutros países, alguns deles muito avançados como a Rússia e a China, e na Síria.

Então, qual é o valor acrescentado destas "missões"?

-Ours é um hospital que deve reflectir o modelo da Igreja e, portanto, ser universal. Nestas missões - também realizamos intervenções de assistência e cooperação no Camboja, Jordânia, Palestina e Etiópia - tentamos proporcionar formação médica, científica e mesmo de gestão. Somos rigorosos no controlo dos custos, pagamos às pessoas o que é justo e numa base regular, de modo a encorajar a lealdade dos operadores e dos médicos. Esta abordagem permite-nos promover a construção de uma classe médica estável em cada um dos países com que trabalhamos.

Está rodeado por muitas pessoas com necessidades diferentes, como consegue satisfazê-las a todas?

- penso que certamente não satisfazemos toda a gente. E não podemos agradar a todos. Tentamos responder a todas as necessidades que satisfazemos. Quando alguém me diz: "Queres fazer muitas coisas, mas o mundo tem necessidades muito diferentes", eu respondo sempre que o samaritano tratou do que encontrou. Não presumo fazer tudo, mas quero que todos os que encontramos encontrem alguma resposta em nós.

O senhor é o "hospital do Papa", mas é também um instituto científico. Qual é a sua força nesta área?

-O povo: as pessoas que lá trabalham. Temos neste momento 390 investigadores, jovens, absolutamente motivados. Muitas vezes, devo dizer, com remunerações que nem sequer são adequadas - porque não podemos pagar - em comparação com o que eles dão em troca. Estamos a investir muito nos jovens, porque acreditamos realmente que este hospital pode ser um lugar onde há experiência, claro, mas também um lugar onde o investimento é feito.

2.500 empregados, quase 30.000 hospitalizações por ano e tantos procedimentos e intervenções cirúrgicas. Como se pode dormir à noite?

-Eu sei que não estou sozinho nesta aventura; somos muitos a trabalhar juntos e, por isso, cada um de nós faz parte deste grande mosaico. Somos verdadeiramente uma comunidade, uma família, como diz o Papa, a trabalhar em conjunto. Em suma, não tenho nenhum sentimento de solidão.

A mudança de uma máquina tão complexa requer também muitos recursos. Como são financiados?

-Estamos acreditados junto do serviço nacional de saúde, para o qual trabalhamos como todos os outros hospitais a tarifas reconhecidas pelo Estado italiano. O financiamento da investigação, por outro lado, provém em grande parte dos próprios investigadores, que ganham convites à apresentação de propostas europeus e são largamente auto-financiados. Tentamos estar muito atentos aos custos, especialmente aqueles que não servem nem para a investigação nem para os cuidados ou relações. Somos muito rigorosos a este respeito. Em qualquer caso, sem donativos não o poderíamos fazer.

No passado recente houve situações infelizes que foram prejudiciais ao Hospital. Podemos dizer que essa fase está agora encerrada, e que não há perigo para o Bambino Gesù?

-espero que sim! Também apaguei o passado como tal da minha memória, porque é uma era que acabou, uma era diferente. Aqueles que queriam aceitar esta nova forma de estar no Hospital ficaram hospedados. Creio que hoje no Bambino Gesù existe uma profunda harmonia, que pode aumentar graças também ao facto de a Santa Sé compreender cada vez mais o valor desta estrutura.

Qual a importância da formação para o seu pessoal?

-Esta é uma das questões-chave. Começámos com um ano e meio de formação para quadros superiores, começando com a palavra-chave "comunidade" e passando por uma viagem que incluiu "transparência" e "comunicação". Isto permitiu-nos começar a lançar as bases para a visão do hospital que desejamos. É um processo que deve ser contínuo, porque questiona a própria vida, as próprias certezas, e é uma experiência que nos ajuda a amadurecer.

O que mais o impressiona nos pequenos pacientes quando os visita?

-A sua coragem, a sua força. Eles são a força e a coragem dos seus pais. Aprendi uma coisa: em geral, acreditamos que é o pai que protege a criança, e no entanto vemos constantemente crianças que são muito protectoras dos seus pais, que realmente tentam protegê-los, para que o seu próprio sofrimento não pese demasiado sobre eles. Isto, confesso, causa uma grande impressão em mim.

Qual é o testemunho mais bonito que recolhe, por sua vez, dos pais destas crianças?

-Há muitos. Conheço os pais em várias ocasiões. Eu estava presente na morte de uma menina de poucos meses, e quando Maria (é um nome inventado) terminou de respirar, disse aos seus pais: "Infelizmente, o hospital falhou". A sua resposta foi: "Não, porque a nossa filha recebeu muita dignidade e muito amor". Poucas pessoas saem com uma porta arrombada; a maioria, pelo contrário, sente-se fortalecida e depois mantém a relação com o hospital. Tenho-me perguntado frequentemente se, se uma criança minha tivesse morrido aqui, eu teria tido a coragem de regressar. Eles voltam.

Acha que há margem para melhorias?

-Há tantos. Não estou aqui para os enumerar, mas há muito espaço para melhorias: investigação, cuidados, atenção às pessoas que lá trabalham, aos espaços. Também estamos conscientes de que muitas vezes cometemos erros e nem sempre o fazemos correctamente. Digo aos meus especialistas em comunicação que por vezes temos de aprender a comunicar até os fracassos: dizer "aqui não tivemos sucesso" permite-nos ser fiéis a nós próprios, porque de outra forma fazemos um pouco de "mito" e isso não é bom.

Planos para o futuro?

-Temos muitos projectos e esperamos realizá-los mais cedo ou mais tarde. De momento, estamos a trabalhar para estudar as possibilidades de uma nova estrutura. De facto, estamos a adquirir novos espaços, especialmente para a recepção e para podermos admitir mais crianças. Há pequenos pacientes que aqui permanecem durante vários anos, e isto requer instalações adequadas, espaços mais dignos. Há muito amor, mas também precisamos do espaço necessário.

O que gostaria de dizer aos jovens, especialmente àqueles que gostariam de entrar na profissão médica?

-Ser médico requer muita paixão. Já não é como era no passado, não pode ser concebida como uma actividade de lucro e prestígio. Hoje em dia, é uma verdadeira profissão de serviço. E requer muito sacrifício, muita vontade de fazer. Mas continua a ser uma fonte de grande satisfação.

E os empregadores, tendo em conta que o senhor é um só?

-Digo aos empresários o que digo a mim próprio todos os dias, que o bom empresário é aquele que sabe combinar orçamento e humanidade.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.