Iniciativas

Maite Gutiérrez: Muitos yeses que dão frutos abundantes

Maite Gutiérrez: 37 anos de casada, 13 filhos, 8 netos e dois a caminho. Madrileña, com grande confiança na providência divina.

Omnes-14 de Março de 2018-Tempo de leitura: 3 acta

"Senhor, se mo pedirdes, eu vo-lo darei."Esta foi a resposta de Maite à vocação da sua filha primogénita, com a qual partilha um nome. Há dezassete anos, a jovem falou com os seus pais e falou-lhes do apelo de Deus à vida religiosa contemplativa. Ao longo dos anos, as suas sexta e nona filhas iriam também para o convento. Todas as três são irmãs de Iesu CommunioO instituto religioso tenta fazer seu o grito de Jesus na cruz: "...".Estou com sede"..

Maite e Paco começaram no caminho do casamento há 37 anos. Uma vida marcada por uma acumulação de yeses: sim à vida, à adopção e às vocações. Com generosa e corajosa abertura, formaram uma família de treze filhos: dez biológicos e três adoptados. Oito são mulheres e cinco são rapazes, o mais velho tem 36 anos e o mais novo tem 15. A este "clã" - como eles gostam de se chamar - juntam-se três genros e uma nora, oito netos e mais dois a caminho.

Apesar das dificuldades financeiras, o casal tem experimentado como o Senhor não se deixou ultrapassar em generosidade. Nunca lhes faltou por nada. "Tivemos muito amor para dar, duas casas de banho, 5 quartos e muitos beliches."Ela explica que é médica por profissão e tentou combinar o seu trabalho profissional com a sua vida familiar.

Economistas, médicos, militares, engenheiros, freiras e professores: os seus filhos conseguiram. Quando lhe perguntam se foram capazes de satisfazer as necessidades emocionais de cada um, ele acena com a cabeça, mas não sabe como o conseguiram. Eles não têm dúvidas de que o Senhor fez tudo isto.

"A vida familiar tem sido construída em pequenos momentos. Por exemplo, quando fritavam ovos, eles vinham ter comigo, contavam-me as suas histórias e também falávamos de questões importantes. Numa grande família, partilhar a vida com muitos irmãos é enriquecedor e ensina-nos a partilhar, a renunciar. Além disso, o facto de duas delas terem algumas deficiências tem significado um trabalho constante de superação para todas elas. Com os nossos fracassos e limites, creio que há algo que foi transmitido. Hoje em dia, tudo o que podemos fazer é agradecer a Deus por isso."diz Maite.

Um abraço conjunto de adopção

O tema da adopção tem sido um tema recorrente para o casal. Como estavam noivos, tinham falado sobre a possibilidade de adoptar, e depois da guerra na Bósnia, voltaram a pensar nisso, pois muitas crianças precisavam de ser abrigadas. Quando iniciaram o processo de adopção, tiveram sete filhos e estavam à espera do seu oitavo.

Tiveram várias entrevistas com funcionários da Comunidade de Madrid. Foi-lhes perguntado se estariam dispostos a ter filhos doentes ou deficientes, e eles disseram sempre que sim. Uma criança biológica também seria aceite como quer que viesse, dizem eles. "Na última reunião, foi-nos oferecida uma rapariga de 22 meses com síndrome de Down. Foi um momento muito difícil e especial para nós os dois. Consultámos os nossos filhos e aceitámos por unanimidade. É aí que se sentem todas as palavras do Evangelho. Uma daquelas frases que nos marcou diz: "Sou eu, não tenha medo".diz ela, a sua voz a partir-se.

Depois de Reyes, o casal teve a sua décima filha biológica. "Ainda tínhamos a capacidade de dar amor e queríamos adoptar de novo. Mas não antes de conversarmos com os nossos filhos, eles têm sido os protagonistas de todas as decisões.". Com três meses de idade e com síndrome de Down, Marcos chegou a este clã.

Lidar com a deficiência é mais fácil quando se percebe que são crianças que precisam de amor, que estão a aprender ao seu próprio ritmo e sem quaisquer pretensões. "Reyes e Marcos têm evoluído muito. Embora não esperemos nada, preferimos ficar surpreendidos com o seu progresso."diz ele.

Três anos mais tarde e com doze crianças, a ideia da adopção surgiu de novo. A Comunidade de Madrid deu-lhes a oportunidade de acolherem uma criança com um ligeiro problema de visão. Guillermo tinha três anos de idade quando entrou nesta grande família. O seu maior sonho durante os primeiros anos foi ter o nome de família e quando finalmente conseguiram adoptá-lo legalmente, ficaram tão felizes que celebraram a notícia com uma festa.

"Esta é a nossa história, foi assim que os meus treze filhos chegaram a casa. Se vir o que fizemos nesta família através dos olhos do mundo, não o compreenderá, mas não são estes os olhos do mundo. Sempre dissemos sim ao que Deus nos pedia."Maite conclui com um sorriso.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.