Cultura

Nacho ValdésA partir da Encarnação, o próprio Deus aparece com um rosto".

Juntamente com as suas irmãs, Ignacio Valdés é uma referência actual na pintura sagrada. As suas pinturas, realistas, próximas e contemporâneas, podem ser vistas em igrejas e oratórios em todo o mundo.

Maria José Atienza-7 de Dezembro de 2022-Tempo de leitura: 7 acta
nacho valdes

Foto: Virgem a beijar a Criança ©Nacho Valdés

A época natalícia é sem dúvida uma das épocas em que a arte sagrada brilha com uma força especial. Cartões de Natal, representações da natividade, figuras de presépio... a arte torna-se, mais do que nunca, um caminho de oração e contemplação.

Nacho Valdés

Juntamente com as suas irmãs, Maysa e Inma, Ignacio Valdésdedica-se há anos à captação de imagens religiosas em tela. Juntamente com obras de pintura de género, este artista, nascido em Cádiz e formado na Faculdade de Belas Artes de Santa Isabel de Hungría em Sevilha e na Escola de Belas Artes Winchester em Winchester, levou cenas da Sagrada Família e de santos presentes e passados para centenas de países. Para além de Espanha, tem trabalhos em Inglaterra, Polónia, Irlanda, Japão, Estados Unidos, Rússia, Croácia, África do Sul, México, Chile, Nigéria, Líbano, Guatemala e Itália.

As suas pinturas, realistas, próximas e coloridas, retábulos e capelas centrais, colocando Deus, de alguma forma, no meio do ambiente habitual do espectador. Uma materialização do Caminho da Beleza que ele realiza de forma natural, como assinala nesta entrevista com Omnes: "Enquanto estou a pintar, penso nas pessoas que, quando se encontram em frente daquele quadro, as ajudarão a amar mais a Deus, ou a sua Mãe.

Diz Antonio López Pensa que a verdadeira arte religiosa é a que move o espectador porque esquece o "artístico" para se concentrar na dimensão religiosa? Será a fé uma premissa para que uma obra religiosa alcance realmente o seu objectivo?

- Sempre foi difícil para mim encontrar uma resposta ao facto de que uma pintura sagrada tecnicamente bem feita, mesmo classificada como uma obra de arte, não desperta no entanto devoção no espectador, não toca o coração do espectador, mesmo que seja muito agradável à vista.

E, paradoxalmente, acontece por vezes o oposto: quantas imagens sabemos que não são um "capo lavoro mas ao qual, no entanto, milhares de pessoas rezam! 

Encontrei a resposta a esta dúvida no livro de Santa Faustina Kowalska:

"Uma vez, quando eu estava no [estúdio] daquele pintor que pintou aquela imagem, vi que não era tão bela como Jesus é. Fiquei muito aflito com isso, mas escondi-o no fundo do meu coração. Quando saímos do estúdio do pintor, a Madre Superiora ficou na cidade para resolver vários assuntos, e eu regressei a casa sozinho. Fui imediatamente para a capela e chorei tanto. Quem vos pintará tão bela como vós? Em resposta, ouvi estas palavras: "A grandeza desta imagem não está na beleza da cor, nem na beleza do pincel, mas na Minha graça".

Certamente uma obra de arte sacra deve ter uma qualidade técnica, de modo a não cair no ridículo ou no feio, mas por outro lado, na arte sacra, a distância entre o que é representado e a forma como é representado é infinita: nem mesmo os pincéis de Velázquez ou Rembrandt são capazes de se aproximarem mesmo da própria beleza de Deus. Neste episódio, Santa Faustina fala-nos de um aumento que Deus dá na contemplação da obra de arte, que vai para além da beleza da cor: trata-se da graça que Ele dá através da contemplação da imagem sagrada.

Como pode um pintor fazer da sua obra estes instrumentos da graça de Deus? É uma questão de esquecer "o artístico para se concentrar na dimensão religiosa, como diz Antonio López, ou a pintura a partir da fé?

- Isto pertence ao mistério de Deus, embora eu sinta que pode estar relacionado com a "intenção" do artista ao pintar. Se a intenção subjacente do artista ao pintar uma determinada pintura sagrada é: amor pelo que representa, o serviço que presta a Deus, à Igreja, aos outros; reparação pelos seus pecados..., é mais fácil para Deus usá-la como instrumento para conceder a sua graça àqueles que contemplam a obra. E para isso, a fé é indubitavelmente necessária.

Contudo, se a intenção subjacente ao artista é: ser elogiado por outros, estar acima dos nossos concorrentes, lucrar financeiramente... Embora os artistas precisem de elogios, uma competição saudável torna-nos melhores, e ganhar dinheiro com algo que poucos sabem fazer é mais do que justo, tudo isto é razoável, mas se ocupassem o primeiro lugar nas intenções, transformaria a obra num instrumento defeituoso da graça de Deus, mesmo que essa pessoa tenha fé.

No entanto, Deus pode, e tantas vezes faz, usar essas obras imperfeitas e "transformar pedras em filhos de Abraão", daí a minha dificuldade em responder a essa pergunta.

É possível rezar antes do próprio trabalhoComo é o diálogo entre um pintor de fé e uma obra religiosa que visa uma esfera tão íntima? 

- Tenho muita dificuldade em rezar diante de um quadro que pintei, porque o vejo imediatamente com pinceladas, não o posso evitar. Por vezes quando se está a pintar, penso nas pessoas que, quando se encontram em frente daquela pintura, isso as ajudará a amar mais a Deus, ou a sua Mãe.

Nós artistas mal sabemos nada sobre estas histórias íntimas; e isso é bom porque se pode pensar que todo o sucesso é seu, e não é verdade.

Por vezes encontro-me com uma dificuldade especial no processo ou não sei por onde começar: tenho um truque infalível que consiste em pedir ajuda à pessoa que estou a representar na pintura. A última gota é quando "cruza" esse pedido, por exemplo: Estou a tentar pintar o Menino Jesus, e digo à sua Mãe: "Queres que pinte o teu belo filho, não queres?" Não falha.

Quando se aproxima o quadro da Virgem Maria, de São José, está consciente de que haverá pessoas que materializarão a sua oração através destas imagens, que estão a "dar um rosto" a Deus? É uma responsabilidade ou um desafio?

- O tema da imagem mental que temos de Deus Pai, de Jesus, da Virgem..., é muito interessante. Pensamos com imagens e precisamos delas. Desde que a segunda Pessoa da Santíssima Trindade, Jesus Cristo, se encarnou no ventre de Maria, Ele já tem um corpo concreto, um rosto único e singular, reconhecível por aqueles que o rodeiam.

No Antigo Testamento, Deus era proibido de ser representado numa imagem, para evitar infectar os povos vizinhos e cair na idolatria; sabemos como o bezerro de ouro acabou... Mas, a partir da Encarnação, tudo muda, e o próprio Deus é apresentado com o rosto de Jesus. Maria e José têm também características específicas e únicas. A arte cristã tem criado imagens deles com a imaginação de artistas e a devoção do povo.

A imagem de Jesus Cristo foi fixada desde muito cedo, graças ao "mandylion" e ao Santo Sudário, mas os rostos da Virgem, de São José, dos apóstolos, etc., foram representados de formas diferentes, embora nunca tenha havido um fio comum na história da arte que nos ajude a reconhecer as personagens representadas: elementos de fantasia, poses, atributos... Mas cada época e cada artista tem a sua própria forma de os representar. 

Adoração dos Magos ©Nacho Valdés

No final, como acontece em cada família, cada um tem as suas preferências, e não estou a falar apenas de gostos, mas da devoção que sentem ou do mistério que percebem: se alguém preferir uma Madonna renascentista para se dirigir a Ela, então óptimo.

Tento representar a Virgem e São José como os imagino, sem tentar quebrar o fio de que falava antes, mas sei que quando se faz uma nova imagem, a princípio pode ser um choque, porque já tínhamos outra imagem mental consolidada, mas a passagem do tempo corrige-a.

Aconteceu-me, por exemplo, com a actriz que interpretou a Virgem no filme "A Paixão", no início fiquei chocada, e agora já não estou. Sou um defensor da ideia de que a arte sagrada é um serviço aos outros, nesse sentido é um desafio.

Qual é o rosto da Madonna para si, que já retratou muitas vezes?

- Nossa Senhora é, antes de mais nada, a minha Mãe. Ela tem o rosto de mãe, e eu não preciso de entrar em detalhes sobre como são as mães, porque todos nós o sabemos. Algo um pouco misterioso também me acontece, e isso é que no rosto de cada mulher, percebo um vislumbre de Maria, mesmo que essa mulher tenha os seus defeitos, por isso quando um modelo me posa, tento reflectir esse vislumbre.

Nos últimos anos, temos visto uma arte religiosa que poderia ser descrita como "próxima": cenas familiares ou íntimas da Sagrada Família, uma incorporação dos novos santos, e uma nova forma de ver os santos.. A pintura também se adapta à nova linguagem dos crentes, da sociedade? 

- Não penso que a pintura tenha de se adaptar à nova linguagem da sociedade; nós artistas fazemos parte dessa mesma sociedade, por isso se tentarmos ser nós próprios, expressamo-nos com a mesma linguagem. Por vezes, alguém comentou comigo que as minhas imagens são demasiado "reais" e que precisam de ser "idealizadas" um pouco mais. Compreendo que na pintura sagrada não se pode ser banal e que é necessário reflectir o mistério do sobrenatural, mas acontece que quando se coloca tanta ênfase no "ideal", as imagens afastam-se de nós para um espaço interestelar: representam personagens que não estão connosco e nós temos de ir ter com elas. Este é o drama actual do cristão: que age ao longo do dia pensando que Deus, a Virgem, os anjos, os Santos, estão longe de nós, noutro plano... muito longe, e que não se preocupam muito connosco: acontece o contrário. Penso que é importante recordar esta ideia de "proximidade" também através da pintura.

A pintura religiosa está a viver uma nova era dourada ou, pelo contrário, está a atravessar um período difícil?

- Falta-me a perspectiva temporal para poder dar uma resposta clara. Para nos situarmos, nos anos sessenta e setenta do século anterior, um movimento iconoclasta começou no coração da Igreja, cujas razões não são relevantes, mas o facto é que, de alguma forma, ainda sofremos dessa inércia. Nesses anos, no panorama artístico, a única coisa aceitável era a linguagem abstracta e a consequente marginalização de qualquer linguagem figurativa. Isto influenciou os elementos artísticos dentro das igrejas, criando o paradoxo de uma "imagem sagrada abstracta", dois termos: imagem e abstracção, que são contraditórios.

O problema é que a ausência de imagens não é uma opção cristã, como afirmou Bento XVI. Nesse contexto, Kiko Argüello propôs uma linguagem neo-icon para as imagens, e de alguma forma, as únicas pinturas figurativas que vimos nesses anos nas igrejas modernas estavam precisamente neste estilo: pelo menos eram figurativas.

Escolhi um estilo realista para a pintura sagrada, primeiro porque gostava mais dela, e depois porque a via como mais próxima da devoção das pessoas. Com o passar do tempo, comecei a ensinar na Escola de Arte Sacra de Florença, e de lá estamos a formar novos artistas para todo o mundo, estudantes de todo o mundo, que primeiro aprendem a técnica da pintura e depois, num segundo passo, como fazer pintura sagrada, que é a parte mais difícil.

Creio que pouco a pouco esta nova proposta está a ser aceite, porque a qualidade do ofício de pintor está cada vez melhor e a formação em Sagrada Escritura, História da Arte, Liturgia, Simbologia Cristã e Teologia, completa a formação do aluno para que, ao pintar um quadro, não seja apenas um quadro tecnicamente bem feito, mas que tente transmitir o mistério da nossa fé.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.