Mundo

Giorgio MarengoO mais importante é a fidelidade ao Senhor".

O futuro Cardeal Giorgio Marengo, Prefeito Apostólico de Ulaanbaatar, capital da Mongólia, é pastor de uma comunidade que representa o 1% dos seus concidadãos. A chave para o crescimento da Igreja neste país de missão é, como ele assinala, o acompanhamento dos convertidos e a coerência de vida.

Federico Piana-23 de Julho de 2022-Tempo de leitura: 3 acta
giorgio marengo

O futuro Cardeal Marengo

"Pensar em fazer de um bispo que lidera uma Igreja pequena e minoritária um cardeal é um grande gesto missionário". O Padre Giorgio Marengo, Prefeito Apostólico de Ulaanbaatar, capital da Mongólia, estava em Roma quando soube, para sua surpresa, da sua nomeação como Cardeal: "Naqueles dias - diz o missionário da Consolata - eu tinha acompanhado uma delegação de budistas mongóis ao Santo Padre: era a primeira vez que isto tinha acontecido. Tínhamos acabado de concluir esta bela e histórica iniciativa de diálogo inter-religioso quando, durante o Regina Colei de domingo, 29 de Maio, ouvi o Pontífice chamar o meu nome. Naquele momento fui vencido por uma alegria muito forte e um sentimento de profunda gratidão e humildade.

A Igreja dirigida por Monsenhor Marengo no país da Ásia Oriental é muito pequena: 1.400 fiéis de pouco mais de três milhões de habitantes, oito paróquias e uma igreja pública que ainda não é reconhecida como paróquia.

"Aqui, a maioria da população é de fé budista, enquanto os católicos perfazem menos de 1%. É diferente para os cristãos protestantes - evangélicos e pentecostais - que são mais numerosos do que os católicos", acrescenta D. Marengo.

Qual é o trabalho de evangelização da Igreja Católica na Mongólia?

- Respondo usando uma imagem poética emprestada de um grande pastor salesiano, o Arcebispo emérito indiano Thomas Menamparampil: tentamos sussurrar o Evangelho ao coração da Mongólia. É uma expressão que fala do nosso compromisso com um testemunho constante do Evangelho: uma proclamação discreta e não barulhenta.

O 70% das nossas actividades são obras de promoção humana: educação, saúde, assistência a pessoas em dificuldade, mas também preservação da cultura mongol.

Depois, é claro, há a celebração dos sacramentos. A Igreja está empenhada em muitas frentes e tenta ter como atitude de base o desejo de partilhar a alegria do Evangelho de uma forma humilde mas profunda.

giorgio marengo

Este ano marca o trigésimo aniversário do reavivamento da Igreja na Mongólia e do estabelecimento do das relações diplomáticas entre o país e a Santa Sé. Em suma, o que pode ser feito deste trigésimo aniversário?

- Trinta anos não é pouco tempo, mas também não é muito tempo. No entanto, tem sido um tempo notável em que a Igreja tem sido capaz de se apresentar e criar raízes. Se hoje temos nove comunidades católicas na região, é um sinal de que o Evangelho foi aceite e está a ser vivido na prática.

No início, foi uma época marcada pelo pioneirismo numa nação que de repente viu um regime marcado pelo comunismo e ateísmo de estado entrar em colapso e cair numa fase de desorientação e pobreza. Foi neste preciso momento da história que os três primeiros missionários chegaram, entre eles Monsenhor Wenceslao Selga Padilla, o primeiro prefeito apostólico de Ulaanbaatar. Começaram por estabelecer projectos concretos de amizade e solidariedade, com o objectivo de criar relações de confiança que perdurassem ao longo do tempo.

 Mas o que é que o futuro reserva para a Igreja na Mongólia?

- Há ainda muito a fazer. Este primeiro núcleo emergente da vida cristã ainda precisa de muito cuidado para continuar a crescer e permitir-lhe obter uma dimensão missionária dentro do nosso país que será o sinal da sua evangelização.

Neste sentido, um dos principais desafios será o da profundidade: acompanhar aqueles que se tornaram cristãos, permitindo que a fé atinja as profundezas da pessoa e, consequentemente, da própria sociedade. No entanto, como diz o Papa, os planos e estratégias pastorais são bons, mas o que mais importa é a fidelidade ao Senhor praticada numa vida cristã coerente.

A Prefeitura Apostólica de Ulaanbaatar, a única igreja de toda a Mongólia, foi recentemente incluída como membro da recém-criada Conferência Episcopal da Ásia Central. Como vê esta decisão?

- Antes desta decisão, a nossa Igreja local não fazia parte de nenhuma Conferência Episcopal. O meu antecessor, o Bispo Wenceslao Selga Padilla, referiu-se, a título pessoal, à Conferência Episcopal da Coreia do Sul, com a qual continuamos hoje a manter excelentes relações. Com o passar do tempo, e na perspectiva sinodal tão cara ao Papa Francisco, pareceu oportuno identificar uma assembleia mais próxima à qual aderir a fim de exercer a colegialidade de uma forma mais concreta.

Tal como a Providência o desejaria, no Outono do ano passado, a Conferência Episcopal da Ásia Centrall, ao qual aderimos com pleno acordo. Esta eleição é um verdadeiro enriquecimento para nós porque, como para todos os pastores das Igrejas locais, é bom ter um ponto de referência colegial.

O autorFederico Piana

 Jornalista. Trabalha para a Rádio Vaticano e colabora com L'Osservatore Romano.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.