Cinema

Cinema: Silêncio, um filme de Martin Scorsese

Omnes-2 de Janeiro de 2017-Tempo de leitura: 2 acta

A fé não tem duas faces. Pelo menos é isso que Martin Scorsese tenta mostrar no seu último filme, Silêncio. É a história ficcionada de três padres jesuítas durante o processo de evangelização do Japão no século XVII.

Silêncio

Director: Martin Scorsese

Argumento: Jay Cocks, Martin Scorsese (baseado no romance de Shusaku Endo)

Ano: 2016

País: Estados Unidos

 

A fé não tem duas faces. Pelo menos é isso que Martin Scorsese tenta mostrar no seu último filme, Silêncio. É a história ficcionada de três padres jesuítas durante o processo de evangelização do Japão no século XVII.

É um filme em que Scorsese começou a trabalhar há mais de vinte anos. A ideia surgiu após a controvérsia causada pelo seu filme A última tentação de Cristo. Foi então que ele leu o romance Silênciopelo escritor japonês Shusaku Endo (que tem alguns inconvenientes para os crentes). A partir desse momento, iniciou um processo de pesquisa e estudo do guião, a fim de contar bem esta história. E não parece irrazoável pensar que no filme, o próprio realizador possa estar a revelar as suas próprias questões sobre a fé.

Conta a história da viagem ao Japão dos padres Sebastian Rodrigues (Andrew Garfield) e Francisco Garupe (Adam Driver). Eles vão em busca do seu mentor, Cristobal Ferreira (Liam Neeson), que se presume ter renunciado à fé. Na sua viagem encontram uma sociedade que, embora rejeitando os princípios cristãos, deixa algum espaço para que os ensinamentos dos dois sacerdotes dêem algum fruto.

No entanto, os problemas surgem quando o inquisidor Inoue entra em cena, um personagem calculista e maquiavélico, que descobre incoerentemente a sua arma principal para remover as almas daqueles que duvidam. Esta personagem, magistralmente interpretada por Issei Ogata, aproveita a má interpretação do martírio dos primeiros cristãos para pressionar os padres, especialmente o Padre Rodrigues, a abandonarem a sua tarefa.

A dor, a angústia e o que o filme apresenta como o silêncio de Deus, acaba por gerar uma atmosfera de ambiguidade que levará as personagens a ver os seus fundamentos religiosos abalados, e a entrar numa batalha profunda entre o que a sua fé exige e o que a sociedade em que desempenham a sua missão exige deles.

No entanto, no final, e ignorando algumas decisões questionáveis do realizador, o filme acaba por voltar ao início e abrir uma janela para compreender o que Deus sugere com o seu silêncio.

Neste filme clássico, o realizador não se furta a quaisquer perguntas. A sua habilidade é evidente tanto no que a câmara mostra como na edição e montagem. E porque se concentra na história que quer contar, acaba por dar quase nenhum descanso ao espectador durante os seus 160 minutos de tempo de corrida.

-Jairo Darío Velásquez Espinosa

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.