Cinema

Cinema: "Amor", amor no casamento

Omnes-13 de Fevereiro de 2017-Tempo de leitura: 2 acta

"Amar", amor no casamento
Director: Jeff Nichols
Roteiro: Jeff Nichols
Ano: 2016
País: Estados Unidos

Texto - Jairo D. Velásquez

Contra a injustiça, semear a paz com amor, especialmente se estiver em casamento. Uma mensagem simples e directa de que este maravilhoso filme se propõe e mantém até ao fim. Loving é o último filme de Jeff Nichols (Mud), que tenta encontrar uma forma diferente de explicar a luta pelos direitos civis nos Estados Unidos. Está longe da crueza de Selma ou Malcom X, não tem o humor de Histórias Cruzadas, nem a ambição histórica de O Mordomo. É uma história que concentra a sua força na simplicidade e profundidade da relação das suas duas personagens principais. Uma jóia.

A história leva-nos ao final da década de 1950. Começa despretensiosamente com uma conversa entre Mildred (Ruth Negga), uma mulher afro-americana de maneiras suaves com convicções inabaláveis, e Richard (Joel Edgerton), um homem simples cujo único sonho é fazer a sua amada feliz.

Parece ser uma história de amor vulgar. As alterações vêm quando a outra coordenada tempo-espacial é adicionada. Estas duas maravilhosas personagens apaixonam-se, casam-se e vivem no estado da Virgínia, EUA. E esse é o problema: no momento em que o filme é rodado, era ilegal que duas pessoas de raças diferentes se casassem; e se tivessem filhos, as autoridades não tinham qualquer problema em considerá-los bastardos.

Após a paz do primeiro encontro, o caminho está cheio de espinhos. Os cônjuges irão superá-los com uma única verdade: a única coisa que importa é estar juntos. Com esta máxima construirão a sua família, vencerão o exílio, suportarão o stress da perseguição, enfrentarão o sistema e tentarão ultrapassá-lo.

Não para dizer que tudo é perfeito, mas a história tem problemas no seu tempo salta: há acontecimentos na vida das personagens que ficam inexplicados. E há personagens que desaparecem sem explicação. Ainda não compreendo, por exemplo, a importância dada às carruagens na história. No entanto, apesar destas pequenas deficiências, o filme vai receber muita atenção nesta época de prémios. É certo que será um protagonista nos próximos Óscares.

Numa era de agendas culturais invasivas e ditatoriais, Loving tem uma intenção clara. No meio da celebração da vida e obra de Martin Luther King e da despedida da presidência de Barack Obama, deixa claro que, face à injustiça e discriminação, a resposta é sempre o amor. Uma visita obrigatória na sua cinemateca.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.