Cultura

Uma carta aberta a Albino Luciani no estilo de "Illustrious Gentlemen".

Hoje, 26 de Agosto, marca o aniversário da eleição de João Paulo I como sucessor de Pedro. Antes de se tornar Papa, publicou uma série de cartas fictícias a escritores e figuras literárias famosas na imprensa. Posteriormente foram recolhidos num livro intitulado "Illustrious Gentlemen" (Cavalheiros Ilustres). Estas linhas são uma carta fictícia enviada a ele no estilo em que ele as escreveu.

Tubo Vitus Ntube-26 de Agosto de 2022-Tempo de leitura: 8 acta

Foto: João Paulo I, o Papa com um sorriso

Ilustre Papa:

Escrevo-vos com gratidão.

Há alguns anos atrás, recebi o vosso livro "Distintos Cavalheiros", que foi uma colecção de cartas que escreveu a homens e mulheres ilustres e publicadas na imprensa. Graças a este livro, eu "aprendi" a ler, apaixonei-me pela literatura. O vosso livro encorajou-me a ler mais livros e ensinou-me a lê-los, ou seja, a tornar as personagens e autores sempre presentes e a ser um interlocutor com eles. A leitura tornou-se um encontro, um diálogo, graças a si.

Gostei muito do vosso livro e tenho ansiado por ler mais dos vossos escritos. Atrevo-me a dizer que li todas as vossas proclamações como Papa. Eram trinta e três dias de papado para si, por isso foi um projecto fácil de fazer. Descobri que não abandonou o seu estilo nas suas audiências e discursos como Papa. As figuras e exemplos literários nunca deixaram de aparecer no seu discurso. Era um estilo que eu gostava muito.

No seu livro Vossas ExcelênciasEscreveu a autores que eu gostava, abriu-me novos horizontes para descobrir outros autores também. É claro que não escreveu a todos os autores ilustres, mas escreveu a escritores como Charles Dickens, Mark Twain, Alessandro Manzoni, Johann Goethe, Chesterton ou personagens literários como Pinóquio ou Penelope, etc. Lembro-me que falou a Mark Twain da sua reacção ao citá-lo. Escreveu: "Os meus alunos ficaram entusiasmados quando lhes contei: Agora vou contar-vos outra história de Mark Twain. Receio, contudo, que os meus diocesanos sejam escandalizados: 'Um bispo citando Mark Twain!

Embora não tenha escrito especificamente a Shakespeare, mencionou-o. O mesmo aconteceu com Leo Tolstoy, cujas histórias encontraram o seu caminho nas suas cartas a outros homens ilustres, mesmo que ele não tenha recebido uma carta pessoal. Não tenho dúvidas de que teria escrito a autores mais ilustres se o tempo o tivesse permitido. Teria provavelmente escrito a Albert Camus, Stefan Zweig, C. S. Lewis, Jane Austen, Solzhenitsyn, e talvez a personagens literárias como Don Quixote ou Christina, filha de Lavrans, Frodo, Samsagaz, e Monsieur Myriel de "Les Miserables" de Victor Hugo. Também teria entrado em contacto com mais figuras literárias de todo o mundo, com Chinua Achebe, com Confúcio, com Shūsaku Endō, e assim por diante.

Escreveu a santos; suponho que São Francisco de Sales era o seu favorito. Recebeu uma carta e fez muitas aparições em outras cartas. Ele era o vosso teólogo do amor. Teria também escrito a outros santos recentes. Talvez para São Josemaría Escrivá sobre a necessidade de santidade para todas as pessoas, como sublinhou na sua carta a São Francisco de Sales. Falou em ser devoto e como "a santidade deixa de ser privilégio dos conventos e torna-se o poder e o dever de todos". A santidade é um empreendimento comum que o homem pode alcançar "através do desempenho dos deveres comuns de todos os dias, mas não de uma forma comum". Estas são as suas palavras, e foi o que São Josemaría ensinou.

Acabei de saber que escreveu sobre ele noutro artigo em Il Gazzettinoa 25 de Julho de 1978, um mês antes de ter sido eleito Papa. Claro que no artigo se referiu a São Francisco de Sales e disse mesmo que São Josemaria foi mais longe do que ele em alguns aspectos. Disse que a fé e o trabalho feito com competência andam de mãos dadas e que eles são "as duas asas da santidade". Bem, não sei se teria gostado desta imagem que agora utilizaria para descrever a fé e o trabalho competente: e se as comparasse com as duas lâminas de uma tesoura? Alguém ousaria dizer que uma das lâminas não é necessária? Digam-me o que pensam da minha imagem. Tirei-o de C. S. Lewis.

Bem, certamente que também teria escrito aos pais de Santa Teresa de Lisieux. Recebeu com alegria a notícia da causa da sua beatificação na sua carta a Lemuel, rei de Massah. Tenho a certeza de que ficariam encantados por serem agora santos.

Falou com poetas, mães, rainhas, jovens e idosos, etc. Falou com Pinóquio e comparou-o com as suas experiências de infância. Também falou aos idosos, como na sua carta a Alvise Cornaro na qual dizia que "os problemas dos idosos são mais complicados hoje do que no seu tempo e talvez mais profundos em termos humanos, mas o remédio chave, caro Cornaro, continua a ser o mesmo que o seu: reagir contra todo o pessimismo ou egoísmo".

Mas o que me ensinou, acima de tudo, foi como manter esse diálogo e qual pode ser a natureza desse encontro. Mostrou como equilibrar um diálogo entre gerações. Evitou ficar preso a uma forma antiga de fazer as coisas e aceitou a realidade do seu tempo. Sabia como trazer as diferentes gerações para o diálogo. Não considerou o velho como ultrapassado e o novo como a única coisa relevante. Esta lacuna de geração pode ser comparada a chegar ao meio-dia a uma reunião agendada para as nove da manhã. Se a conversa se prolongou durante as três horas anteriores, o falecido terá perdido muitos detalhes e correrá o risco de repetir o que já foi dito. É esta capacidade de incorporar a conversa iniciada às nove horas no momento presente que tem demonstrado nas suas cartas. Nas suas cartas teve conversas sobre vários temas: feminismo, educação, castidade, férias, notícias falsas e relativismo, e tem mesmo uma carta para um pintor anónimo. Era um homem que sabia como conversar.

Escrevo-lhe com gratidão também porque me ensinou que os livros podem ser relidos como o fez muitas vezes no aniversário do nascimento ou morte de um autor, ou em qualquer outra ocasião. Releio o seu livro novamente por ocasião da sua beatificação este ano, tal como me ensinou. Espero que as pessoas tenham a oportunidade de ler essas suas cartas nesta ocasião.

"Louvemos os homens ilustres, os nossos pais de acordo com as suas gerações. Eram bons homens, cujos méritos não foram esquecidos". - Eclesiasticus 44,1.10

Ilustre Albino, escrevo-vos porque sois agora um dos homens ilustres. Sois ilustre não pela vossa capacidade literária, mas pela vossa santidade, que a Igreja em breve reconhecerá com a vossa beatificação. Ensinaste-me a ser um interlocutor - na tua carta a São Lucas, o Evangelista, e na tua carta a Jesus - a dialogar com as personagens do Evangelho e a dialogar com Cristo. Esta foi a fonte da vossa santidade. Era um homem de oração, um homem em diálogo com Deus. Quando escreveu a Jesus, escreveu-lhe tremendo, mostrando que estava em constante conversa com Ele. Na sua carta, escreveu isso:

"Caro Jesus:

Tenho sido alvo de algumas críticas. É um bispo, é um cardeal", dizem, "trabalhou exaustivamente escrevendo cartas em todas as direcções: a M. Twain, a Péguy, a Casella, a Penelope, a Dickens, a Marlowe, a Goldoni e não sei quantas outras. E nem uma única linha a Jesus Cristo"!

Sabe disso. Tento manter uma conversa contínua com vocês. Mas é difícil para mim traduzi-lo numa carta: são coisas pessoais, e tão insignificantes"!

Estava em constante conversa com Cristo. Esta é a verdadeira fonte da sua ilustre natureza e o que me ensinou é de primordial importância. Terminou a sua carta a Cristo dizendo que "o importante não é que se escreva sobre Cristo, mas que muitos devem amar e imitar Cristo".

Escrevo-vos com gratidão porque sois um homem humilde. Tomou "Humilitas" como o seu lema episcopal. Na sua carta ao rei David, mostrou uma dimensão disto e quantas vezes tentou enterrar o orgulho que tinha. Muitas vezes realizou um funeral e cantou o requiem com orgulho. Sobre isto, disse ao rei David que, "Regozijo-me quando o encontro, por exemplo, no breve Salmo 130, escrito por si. Dizes nesse salmo: Senhor, o meu coração não é altivo. Tento seguir os teus passos, mas infelizmente, tenho de me limitar a perguntar: Senhor, desejo que o meu coração não corra atrás de pensamentos orgulhosos...!

Muito pouco para um bispo, dirá. Compreendo isso, mas a verdade é que uma centena de vezes celebrei o funeral do meu orgulho, acreditando que o tinha enterrado a seis metros de profundidade com tanto "requiescat", e uma centena de vezes vi-o ressuscitar mais desperto do que antes: apercebi-me que ainda não gostava de críticas, que os elogios, pelo contrário, me lisonjeavam, que estava preocupado com o julgamento dos outros sobre mim".

Foi a virtude da humildade que também recomendou na sua primeira audiência geral como Papa. Não só recomendou a virtude da humildade, mas também se considerou o mais baixo. Escreveu a Mark Twain mostrando-lhe como se considerava o mais baixo entre os bispos.

"Como existem muitos tipos de livros, existem também muitos tipos de bispos. Alguns, de facto, são como águias que voam com documentos magistral da mais alta ordem; outros são como rouxinóis que cantam belamente os louvores do Senhor; outros, pelo contrário, são pobres pardais que, no último ramo da árvore eclesiástica, não fazem mais do que chilrear, tentando dizer um pensamento ou dois sobre vastos tópicos. Eu, caro Twain, pertenço a esta última categoria".

Escrevo-vos com gratidão por terem falado do nosso serviço à Verdade. Somos servos e não senhores da Verdade. Isto é o que escreveu no seu diário pontifício pessoal. Tornou-se um colaborador da Verdade. Ensinou-nos a procurar a verdade com docilidade, em reconhecimento do facto de que não acreditamos nela. Escreveu ao Quintiliano sobre educação e como procurar a verdade através dela. Escreveu que "a dependência é natural à mente, que não cria verdade, mas deve apenas curvar-se perante ela, de onde quer que venha; se não aproveitarmos os ensinamentos dos outros, perderemos muito tempo na procura de verdades já adquiridas; nem sempre é possível alcançar descobertas originais; muitas vezes é suficiente ter a certeza crítica das descobertas já feitas; finalmente, a docilidade é também uma virtude útil. [...] Por outro lado, o que é melhor: ser o confidente de grandes ideias ou o autor original de ideias medíocres"?

Não fazemos as nossas próprias verdades, mas aprendemos com aqueles que foram antes de nós e, por sua vez, tornamo-nos colaboradores da verdade. Até mostrou como podemos facilmente servir a verdade através de imagens e exemplos da literatura. Deu a conhecer muitos dos seus ensinamentos através de imagens literárias. Até deu um caso em que explicou a incoerência do relativismo religioso usando uma história de Tolstoi. No final, disse que "o que Rahner por vezes não consegue esclarecer com os seus volumes de teologia, Tolstoi pode resolver com uma simples banda desenhada"!

Escrevo-vos com gratidão porque falastes da alegria e da caridade que a acompanha. É conhecido como o Papa do sorriso. Quando escreveu a Santa Teresa de Lisieux, falou de uma alegria que é requintada caridade quando é partilhada. Contou a história do irlandês a quem Cristo pediu para entrar no paraíso por causa da forma como ele comunicou a sua alegria. Cristo disse-lhe: "Eu estava triste, abatido, prostrado, e tu vieste e contaste algumas piadas que me fizeram rir e me devolveram o espírito ao paraíso"! Na sua terceira audiência geral como Papa, falou de como São Tomás declarou que brincar e fazer as pessoas sorrir era uma virtude. Ele disse que estava "na linha das 'boas-novas' pregadas por Cristo, das 'hilaritas' recomendadas por Santo Agostinho; derrotou o pessimismo, revestiu de alegria a vida cristã, convidou-nos a tirar o coração das alegrias saudáveis e puras que encontramos no nosso caminho".

Vós sois o Papa do sorriso. Os seus escritos irradiam alegria, tal como a sua catequese. Era um homem de alegria, de bom humor.

Escrevo-lhe com gratidão porque também teve uma grande estima pela sua pessoa. A escolha do seu nome é em si mesmo um exemplo concreto do seu espírito de gratidão. No seu primeiro discurso Angelus disse como a gratidão aos dois Papas anteriores, João XXIII e Paulo VI, o levou a escolher pela primeira vez um nome binomial. Explicou isto bem no seu primeiro discurso Angelus. Ouvi a gravação deste discurso no website da fundação criada em vosso nome pelo Vaticano. Gostei de ouvir o discurso na vossa própria voz. Podemos imaginar como ficou vermelho quando Paulo VI colocou a estola nos seus ombros, como diz nesse discurso.

Tornei pública a minha primeira carta a um homem ilustre. Não tenho dúvidas de que gostaria que estas cartas, estes diálogos, continuassem com outros homens ilustres. Tentaríamos manter o seu legado, especialmente o da sua santidade. Com alegria estaríamos a celebrar a sua beatificação.

Se esta carta foi um pouco barroca e detalhada, é provavelmente porque tentei copiar o estilo das vossas cartas e fiz mal. As suas cartas não faltaram exemplos de textos. Estou a escrever-lhe como gostava de escrever. Talvez também gostaria de o ler dessa forma.

O autorTubo Vitus Ntube

Leia mais
Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.