Mundo

Quão promissor é o futuro da Igreja em África?

O continente africano vive situações de secularização em avanço, e coloca-se a questão de saber se a Igreja será capaz de resistir a estes ventos frios que sopram por toda a África.

Martyn Drakard-17 de Agosto de 2021-Tempo de leitura: 4 acta
nairobi

Foto: Murad Swaleh / Unsplash

Há quase um ano e meio, quando os primeiros casos de Covid-19 começaram a aparecer, a principal manchete de um jornal de Nairobi na segunda-feira de manhã, referindo-se a uma reunião de Pentecostais ao ar livre cheia de gente no dia anterior, exclamou em negrito "Agentes da morte". Desde então e até hoje, as igrejas e mesquitas têm estado completamente fechadas ou abertas até um terço da sua capacidade. Os serviços foram difundidos através da Internet. No ano passado, as escolas estiveram fechadas durante muitos meses. Isto significava que os alunos das escolas católicas eram privados de sacramentos e de aulas de religião. Em vez disso, estavam mais expostos às redes sociais e afins, algumas das quais são bastante prejudiciais - e, sim, as redes sociais estão tão disseminadas nos centros urbanos de África como em qualquer outra parte do mundo. 

Quando as coisas voltarem a ser como eram antes da pandemia, se voltarem, os jovens voltarão às igrejas com o mesmo interesse e fervor que antes?

Ao contrário da Europa ou da América, onde a Igreja sempre esteve aberta aos fiéis, em África tem sido um caso de abertura-fechado-fechado-aberto-fechado desde os tempos apostólicos, mas durante esses 2.000 anos a Igreja sempre manteve a luz da fé acesa algures no vasto continente.

Como São João Paulo II nos recordou em Ecclesia em África (30-37), os inícios remontam a São Marcos Evangelista, e apesar da pressão e avanço do Islão, deixaram comunidades florescentes no Egipto e na Etiópia até aos dias de hoje, e em Núbia (actual Sudão) até ao século XVII.

A segunda fase teve lugar nos finais dos séculos XV, XVI e XVII com viagens portuguesas de exploração à costa ocidental, e o estabelecimento de um reino cristão no que é hoje a República Democrática do Congo - uma história fascinante em si mesma - mas que chegou ao fim no século XVIII. E na costa oriental, onde Francis Xavier celebrou missa a caminho da Índia, e os 300 mártires africanos e portugueses de Mombaça cuja causa está agora a ser investigada. Outra história comovente. Nessa altura, os primeiros holandeses e franceses Huguenotes tinham chegado ao Cabo para se instalarem.

O último capítulo teve lugar no século XIX e início do século XX, a enorme vaga missionária para o interior do continente, cujo impulso ainda se faz sentir. O fluxo de missionários quase secou e a Igreja não está apenas nas mãos do clero local, mas a África está a exportar clero para preencher as paróquias vagas na Europa fortemente secularizada.

A questão agora é: poderá a Igreja resistir aos ventos frios da secularização que sopram por toda a África, inicialmente nos grandes centros urbanos e muito rapidamente em todo o lado?

A população africana é jovem e curiosa sobre o mundo exterior, especialmente novos aparelhos e tecnologia, o que os coloca ao mesmo nível que os jovens em qualquer parte do mundo e, se possível, mesmo à sua frente. O conteúdo dos media sociais está fora do alcance e controlo dos pais, mesmo dos melhores, e pode diluir os valores e a sabedoria que os pais transmitiram; aumentar a pressão dos pares.

O Papa João Paulo II falou disto há quase 30 anos quando advertiu contra "seduções materialistas de todo o tipo, uma certa secularização e uma agitação intelectual provocada por uma avalanche de ideias insuficientemente críticas difundidas pelos meios de comunicação social".

E o Papa Francisco, encontrando-se com os jovens ugandeses em Kampala, a 28 de Novembro de 2015, num espírito semelhante, picou-lhes a consciência, advertindo-os contra o medo de ir contra a maré, de ceder à gratificação e ao consumo alheio aos valores mais profundos da cultura africana. O que diriam os mártires ugandeses sobre o mau uso dos nossos meios de comunicação modernos, onde os jovens são expostos a imagens e visões distorcidas da sexualidade que degradam a dignidade humana, causando tristeza e vazio?

No entanto, o Papa João Paulo II tinha uma grande fé em África. Em Ecclesia in Africa, n. 42, elogiou os africanos pelo seu "profundo sentido religioso, um sentido do sagrado..." (que filósofos e teólogos africanos como o Protestante John Mbiti e o falecido Padre Charles Nyamiti tinham analisado e aclamado). O Papa continuou: "...da existência de Deus Criador e de um mundo espiritual. A realidade do pecado nas suas formas individuais e sociais está muito presente na consciência destes povos, assim como a necessidade de ritos de purificação e expiação".

Até o Covid-19 mudar as coisas, os jovens africanos viajavam mais do que nunca para fora de África e estavam expostos e familiarizados com outros "valores" e "estilos de vida" ou, pelo menos, liam sobre eles nos meios de comunicação social. O que é que têm? Foram irreparavelmente afectados? Ou será que o bom senso, a pressão dos pais e da família alargada e a experiência de vida os deixarão seguir na direcção certa quando deixarem de girar?

Talvez uma pequena anedota nos possa dar uma indicação. O fundador e presidente da Sociedade Queniana de Ateus deixou tudo nas mãos de um sucessor e juntou-se a um grupo de cristãos evangélicos, apercebendo-se de que era aqui que ele sempre tinha pertencido!

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.