América

Cardeal Sturla: "A Igreja encoraja uma vida pós-pandémica com mais esperança".

O Cardeal Daniel Sturla está à frente da única arquidiocese do Uruguai há já seis anos. Ele é uma referência clara não só na Igreja, mas também na sociedade uruguaia. Ele é jovem (61 anos) e um bom comunicador, mas mais ainda é o facto de apenas um ano após ter sido nomeado arcebispo, o Papa Francisco fez dele um cardeal.

Omnes-30 de Julho de 2020-Tempo de leitura: 10 acta

A Conferência Episcopal Uruguaia estava a organizar o V Congresso Eucarístico Nacional, que deveria ter lugar em Outubro. Palabra tinha planeado entrevistar o Cardeal Daniel Sturla nesta ocasião. A questão era se, com o atraso para 2021 devido ao Covid-19, a entrevista também deveria ser adiada. E se há uma coisa que o Arcebispo de Montevideo não sabe, é dizer não. Ele tem uma reputação arduamente conquistada. E ele respondeu: "Vá lá, vá lá. E depois assinalou que o V Congresso Eucarístico já começou de facto, com a renovação da consagração do Uruguai à Virgem de Treinta y Tres, em Novembro do ano passado.

Neste país, onde o futebol é paixão, não é fácil "festa". a Igreja tem de tocar em Montevideo. O ensino público é "laico, livre e obrigatório".recorda o Cardeal Salesiano, para quem é importante "promover uma identidade católica firme, forte, transparente e alegre, e ao mesmo tempo ter a capacidade de diálogo".. Na entrevista ele fala sobre iniciativas eclesiais, vocações e o "periferias"... Por exemplo, refere-se ao Padre "Cacho" (Rubén Isidoro Alonso, SDB). Ele costumava dizer que os nossos pobres são "os pobres de Deus", assinala o cardeal, porque parte da realidade da secularização no Uruguai tocava sobretudo as pessoas mais pobres. Começamos com o Papa.

Ficou surpreendido por ser nomeado cardeal e conhecia o Papa Francisco?

-Foi uma surpresa total! Digo isto não para ser modesto, mas porque é uma realidade. O Papa fez de mim um cardeal como presente para a Igreja uruguaia, que tem em grande estima, porque a conhece pela sua proximidade, pela sua proximidade, porque tem muitos amigos no Uruguai. Eu não conhecia o Papa Francisco. Tinha-o conhecido pela primeira vez quando fui bispo auxiliar no Rio de Janeiro, no Dia Mundial da Juventude em 2013. E eu também não tinha feito nada de relevante num ano como arcebispo. Penso que foi um gesto de afecto para com a igreja uruguaia.

Em qualquer caso, o gesto do Papa teve um bom "retorno": o Cardeal gosta muito da parte da Igreja que caiu à sua sorte, e está a alcançar objectivos e a ganhar apoio.

-A Igreja em Montevideo é linda! Em Montevideo, como toda a Igreja uruguaia, é uma Igreja pobre e livre, pequena e bela. Tem sido livre porque a secularização de há cem anos significava que tinha de gerir por si só, sem o apoio do Estado e muitas vezes com uma certa hostilidade... hostilidade pacífica, não agressiva, um certo desdém. E por isso tem a beleza de ser uma Igreja onde ninguém é católico por conveniência social, ninguém se torna padre porque se vai divertir, as vocações são mais vocações sofredoras... E tudo isto lhe dá as suas próprias características.

É também uma Igreja que sofreu muito no período pós-conciliar, como outras Igrejas, e onde houve uma queda muito grande na participação dos fiéis... É isto que nos questiona e ao que estamos a tentar responder.

Insistiu, como uma urgência pastoral, em alcançar os bairros mais carenciados, as "periferias", como o Papa Francisco lhes chama. 

-Pai "Cacho" (Rubén Isidoro Alonso, SDB), um padre cuja causa de beatificação iniciamos, passou os últimos catorze anos da sua vida a partilhar a sua vida num "cantegril" ("Villa miseria"), um lugar muito pobre. Ele disse que os nossos pobres são "Os pobres de Deus", porque parte da realidade da secularização neste país tocou sobretudo as pessoas mais pobres. 

A nossa pobreza tem esta característica: são pessoas pobres que não conhecem Deus, que não sabem quem é Jesus Cristo, cuja vida religiosa é muito ignorante, muito indiferente. Muitas delas têm referências a paróquias e obras sociais católicas, mas é uma referência que não toca o aspecto religioso.

Durante quase um século, os alunos das escolas públicas não receberam uma educação cristã. Como podemos evangelizar numa sociedade marcada pela ausência de valores cristãos?

- penso que há duas coisas que são muito importantes para mim.. Como promover, com absoluta clareza, uma identidade católica firme, forte, transparente, alegre, e ao mesmo tempo ter a capacidade de diálogo. Isto é importante, porque sempre que a identidade é sublinhada, parece que se está a adquirir a armadura de um cruzado...

A proposta é poder ter uma identidade clara numa sociedade plural, com espírito de diálogo, sem complexos, o que é algo que talvez tenha existido na Igreja no Uruguai. E, ao mesmo tempo, sem pretensões de um cristianismo que nunca foi forte no Uruguai, e que não existe há cem anos. Por outras palavras, não se trata de regressar a um passado glorioso, que nunca tivemos no Uruguai, mas de olhar com serenidade e alegria para a nossa identidade católica, no contexto da sociedade plural e democrática que marca a nossa cultura uruguaia.

Nesta linha, o Cardeal Sturla planeou uma importante missão na arquidiocese.

-Fizemos um Programa Missionário "Jacinto Vera (venerável primeiro bispo de Montevideo, 1813-1881), cujo objectivo era, na verdade, ser, "Igreja à saída", e não apenas no papel. No ano passado, foi realizada a primeira experiência, que se chamou Missão Casa de Todos. As paróquias que quiseram aderir, 50 das 83 paróquias da arquidiocese, aderiram. Houve uma mobilização para sair para as ruas, para ir aos centros comerciais, para estar nos autocarros, para fazer actividades, para convidar pessoas dos diferentes bairros para uma actividade organizada pela paróquia. 

Foi sobretudo uma mobilização das paróquias... E muitos disseram: finalmente a Igreja Católica pode ser vista na rua, finalmente a Igreja vai sair para evangelizar...

Mostrar que a Igreja está viva é importante para todos... Há iniciativas pastorais na arquidiocese, que deixaram uma marca especial.

-Em 2016 lançamos a campanha "Natal com Jesus", um programa a desenvolver durante a época do Advento, composto por cinco pontos: uma novena à Imaculada Conceição, rezar o Terço da Aurora em certos lugares; um gesto de solidariedade por parte da família ou da comunidade; uma oração a rezar na véspera de Natal nas casas das famílias, uma vez que aqui, oficialmente, o dia de Natal é o dia da família: no Uruguai, o calendário foi secularizado em 1919... 

O "Natal com Jesus inclui também a colocação de uma varanda com esta expressão e com a imagem do berço. Isto foi muito popular e também se espalhou pelo interior do país: as varandas foram vendidas aos milhares... 

Finalmente, encorajamos as pessoas a trazer a imagem da Criança Cristo à igreja para bênção no domingo antes do Natal. Desta forma, encorajamos as famílias a montar o presépio (o "berço"), porque estavam a desistir do hábito de o fazer e só colocavam a árvore.

Falou muitas vezes do avanço conjunto da Igreja, do papel dos pais na educação, da importância de levar Cristo às realidades temporais?

-É certamente esse o caso. E penso que a Igreja no Uruguai tem uma vasta experiência. Primeiro, porque está envolvido na educação desde o jardim-de-infância até à universidade, com duas universidades: a Universidade Católica e a Universidade de Montevideu. E com uma experiência muito forte de serviço social.

Ao mesmo tempo, criámos oportunidades de diálogo. Estamos a reanimar uma instituição católica que era muito relevante na altura, o Clube Católico, fundado em 1878, que tentava estabelecer o diálogo com a sociedade. E, por outro lado, estamos a promover uma experiência que foi muito interessante, que se chama "Igreja em Diálogo". Isto surgiu de um apelo feito pelo Presidente Tabaré Vázquez em 2016 para fazer propostas para o diálogo social.

Não descolou, mas criou uma dinâmica que significou que no ano passado, que foi um ano de eleições, todos os candidatos presidenciais foram convidados para reuniões com este grupo de "Igreja em Diálogo", realizado por leigos. Participei nos encontros, mas na realidade foram eles que os levaram adiante, e onde a Igreja pôde contribuir com a sua voz e as suas propostas, que tínhamos elaborado sobre cinco temas da realidade uruguaia: educação, convivência cívica, ambiente, promoção da mulher, o mundo empresarial e o trabalho.

Naturalmente, uma vez que a evangelização é tarefa de todos na Igreja, os padres são indispensáveis. Na primeira quinta-feira do mês, rezamos especialmente pelas vocações na arquidiocese....

-É uma realidade muito difícil. No Uruguai sempre houve falta de vocações sacerdotais e religiosas, e hoje em dia as vocações chegam a gotejar e a arrastar. No seminário interdiocesano, o único em todo o Uruguai, há 25 jovens, sete dos quais da arquidiocese de Montevideu. Mas nós não vamos desistir. Neste momento há um movimento juvenil interessante, que dará frutos.

O seu "movido". história vocacional pessoal, quero dizer a história da sua vocação sacerdotal, o que é? 

-Minha vocação salesiana nasceu no Instituto Juan XXIII, quando eu tinha 17 anos de idade e no meu quinto ano do liceu. O director era um homem de Deus, um homem muito bom, que trabalhava para as vocações, o Pe. Félix Irureta. Depois de um retiro com a minha turma, a 8 de Setembro, festa da Natividade da Virgem Maria, perguntou-me se eu tinha pensado em tornar-me padre... E acrescentou algo muito importante: que me fazia esta pergunta, mas que nunca mais a repetiria para mim, que eu me sentisse totalmente livre.

Na altura agradeci-lhe, mas disse-lhe que me vi a começar uma família, a ter uma carreira... Ele nunca mais me disse nada. Continuei a estudar, saindo, num ambiente muito agradável, num momento muito difícil do país... Além disso, tinha perdido ambos os meus pais no espaço de três anos um do outro: o meu pai morreu quando eu tinha treze anos e a minha mãe morreu quando eu tinha dezasseis. Eu sou o mais novo de cinco irmãos, por isso ficámos a viver juntos e a organizar-nos.

Quando terminei os meus estudos em João XXIII, entrei para a Faculdade de Direito, mas a inquietação continuava a bater no meu coração. Assim, nesse primeiro ano da Faculdade de Direito, decidi finalmente entrar no noviciado salesiano, em 1979, aos dezanove anos... Para resumir uma longa história, fui ordenado sacerdote em 21 de Novembro de 1987, aos 28 anos, e após alguns anos fui director de Juan XXIII. Mais tarde fui nomeado Provincial, Inspector dos Salesianos no Uruguai, e após três anos como Inspector, o Papa Bento XVI nomeou-me bispo auxiliar de Montevideu.

Sacerdotes de outros países vieram a Montevideo para dar uma mão?

-Uruguay é um desafio; adoro quando padres que aqui vêm conseguem capturar o espírito uruguaio e ultrapassar a primeira barreira. 

No nosso país a resposta religiosa é muito fria, muito escassa... Muitos padres desanimam, especialmente aqueles que vêm de países onde a figura do padre é uma figura muito prestigiada; chegam aqui e descobrem que o padre não vale a pena só porque é um padre, mas porque é um bom padre; não porque tem o título, a posição, o colarinho... O padre que vive esta experiência, que vê os aspectos positivos e o desafio que ela implica, consegue compreender a realidade e dá frutos.

Há um grupo argentino que vem desde há seis anos, e está a trabalhar muito bem e a dar muitos frutos, a Sociedade de São João. No ano passado, veio uma congregação peruana, Pro Ecclesia SanctaEstão também a trabalhar bem numa paróquia e na Universidade Católica.

Na solenidade de Pentecostes, o Credo Niceno-Constantinopolitano começou a ser rezado em todo o Uruguai no domingo, uma outra expressão de preocupação pelos "pobres de Deus" a todos os níveis da sociedade.

-Temos de ser formados na fé. Não estou a falar de formação teológica mas de formação básica; muitas vezes, com catequese deficiente, aos católicos faltam os elementos básicos da fé. É daqui que vem a preocupação de todos os bispos, para que a fé seja conhecida, para que possamos ser entusiastas na profissão da fé católica, com uma identidade clara num mundo pluralista como o do Uruguai, que é muito secularizado. Não se trata de nos encolhermos ou ampliarmos, mas de sermos felizes com a fé em que acreditamos e vivemos. Para isso, temos de o conhecer. 

É por isso que, durante a época pascal, começámos aqui e espalhámos por todas as dioceses, um processo formativo que consistiu num subsídio que trouxe um ponto do catecismo todos os dias e uma renovação da profissão de fé no dia de Pentecostes. A recitação do Credo Niceno-Constantinopolitano, que é mais catequético do que o Credo Apostólico, mais explicativo das verdades essenciais da fé, segue a mesma linha.

A Conferência Episcopal do Uruguai estava a organizar o V Congresso Eucarístico Nacional para o mês de Outubro, mas a Covid-19 forçou o seu adiamento até 2021. O que espera deste evento?

-O Congresso, na realidade, começou com a renovação da consagração do Uruguai à Virgem de Treinta y Tres, que nós, bispos, fizemos na catedral da Florida a 11 de Novembro do ano passado. Digo renovação, porque foi isso que fizemos: voltar à consagração feita por São João Paulo II em 1988, quando ele estava entre nós. Em todas as dioceses houve um mês de preparação, e foi um acontecimento de vida e de fé vivido em todas as comunidades. Durante este período de pandemia, através de zoomCelebramos especialmente a Solenidade de Pentecostes, como já expliquei. 

O objectivo do congresso será "para obter uma renovação da fé do povo de Deus em peregrinação no Uruguai, especialmente no mistério eucarístico".. O tema, A Eucaristia: o sacrifício de Cristo que salva o mundo. E o slogan, Tomar e comer: o meu Corpo desistiu por vós.

Como podem ver, enfatizamos a realidade sacrificial da Eucaristia. Aqui no Uruguai, como noutros lugares, mas no Uruguai em particular, a dimensão comunitária da celebração eucarística, que é obviamente um elemento chave para a vida da Igreja, foi muito enfatizada no seu tempo. "assembleia convocada".. E a assembleia convocada da Igreja é fundamentalmente expressa na Eucaristia, mas embora eu acredite que isto esteja bastante presente nos fiéis, o facto do sacrifício de Cristo, de que a Eucaristia é uma actualização do sacrifício de Cristo, tem permanecido muito diluído na consciência cristã. Por isso, nós bispos quisemos enfatizar esta dimensão, sem ignorar a outra.

É uma época de pandemia em todo o lado, com todas as peculiaridades que isso implica para a vida de fé. O Uruguai tem tido um baixo número de pessoas infectadas e mortes. Como tem estado presente a Igreja durante este tempo?

-Estou muito feliz, porque quando a pandemia começou, parecia que a noite estava a chegar para nós de muitas maneiras. Mas aqui, ao contrário do que acontece noutros países, as igrejas nunca foram fechadas. Aqui, podiam permanecer abertos; o que não podiam fazer era realizar celebrações que reunissem os fiéis; que dependessem dos párocos ou dos reitores das igrejas, se os mantivessem abertos.

Houve uma experiência muito agradável. Aos domingos, a bênção com o Santíssimo Sacramento foi dada nos bairros, na cidade; a maioria dos sacerdotes fê-lo e creio que deu frutos. Houve uma resposta imediata nas redes sociais. No dia a seguir ao início do confinamento, as missas já estavam a ser difundidas nas plataformas. E quase todas as paróquias e instituições começaram a trabalhar desta forma, bem como as escolas e universidades católicas. Ao mesmo tempo, houve uma resposta dos fiéis para continuar a colaborar economicamente, uma preocupação de que ao padre não faltasse nada; os padres no Uruguai vivem de forma muito austera, mas a nenhum padre faltaram as necessidades da vida. 

Tudo isto fala muito bem por nós. E agora, desde 19 de Junho, que este ano foi a festa do Sagrado Coração de Jesus, tem havido uma enorme alegria entre o povo ao regressar à celebração das Missas; tem sido muito bonito, houve realmente um desejo de participar na Eucaristia.

Finalmente, qual é a resposta da Igreja à realidade de um mundo globalizado, muito preocupada com o que esta pandemia deixou para trás?

-A resposta da Igreja é a proclamação da fé em Jesus Cristo, Salvador do mundo, confiança em Deus, que é aquele que em última análise lidera a história e, portanto, em semear a esperança no coração das pessoas. O mundo conheceu outras epidemias, obviamente nenhuma no mundo globalizado de hoje, mas, bem, as epidemias noutros tempos já passaram, deixaram as suas sequelas e esta também deixará as suas sequelas. 

Parece-me que a Igreja, na medida em que é capaz de proclamar o Cristo ressuscitado, o Senhor da história, próximo de nós, está a cumprir a sua missão e a encorajar uma vida pós-pandémica mais carregada de esperança, porque sem dúvida uma situação como a que estamos a viver conduz a questões fundamentais sobre a vida: o porquê, o para quê, qual é o significado da dor, qual é o significado da nossa existência.


Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.