Mundo

Cardeal Arborelius: "Precisamos do oxigénio da esperança".

O Arcebispo de Estocolmo, Anders Arborelius, Cardeal desde há um ano, dá uma mensagem de esperança à Igreja na Europa numa ampla entrevista com Palabra, na qual discute a secularização, o interesse pela fé, as relações ecuménicas e as relações com o Estado, a vocação e os jovens.

Omnes-4 de Setembro de 2018-Tempo de leitura: 2 acta

Texto - Texto - Texto - Texto - Texto - Texto - Texto - Texto - Texto - Texto - Texto - Texto Alfonso Riobó 

Na sua recente visita ad LiminaO que interessou o Papa sobre a Igreja no seu país?

Como sabe, o Santo Padre há muito que se interessa muito pela situação dos refugiados. A Suécia tem sido muito aberta aos refugiados, tal como os outros países nórdicos, pelo que este foi um dos primeiros assuntos em que se interessou.

Em segundo lugar, é claro, estamos também a falar de diálogo ecuménico. O Papa veio explicitamente à Suécia em Outubro-Novembro de 2016 para o 500º aniversário da Reforma Protestante, com a intenção de intensificar o diálogo com os luteranos.

E como terceiro tema, o Papa estava interessado em conhecer a realidade de uma Igreja como esta, que é uma pequena comunidade no meio de um mundo secularizado e que se encontra, portanto, numa situação muito peculiar. Ao mesmo tempo, é uma das poucas Igrejas particulares na Europa onde o número de católicos está a aumentar, especialmente graças à imigração. Neste sentido, a nossa realidade como periferia da Igreja é única, e esta periferia é um tema preferencial do Santo Padre.

Passou um ano desde a sua criação como cardeal em Junho de 2017: é o primeiro cardeal sueco na história, e em 1998 foi o primeiro bispo sueco desde a época da Reforma. Qual é a sua avaliação após este primeiro ano?

A nomeação como cardeal foi uma grande surpresa para mim. Ao mesmo tempo, fiquei muito feliz por ver o interesse do Santo Padre pela nossa situação aqui na Suécia. Também fiquei surpreendido por a minha nomeação como cardeal ter despertado tanto interesse nos meios de comunicação social e na opinião pública. Nesse sentido, foi um momento importante para a Igreja Católica na Suécia.

Nos últimos anos, tivemos várias oportunidades de experimentar o interesse do Papa. Primeiro houve a canonização de Santa Maria Elizabeth Hesselblad a 5 de Junho de 2016, depois a visita de Francisco à cidade sueca de Lund para o início da comemoração da Reforma, e depois a nomeação como cardeal.

E como tem reagido a opinião pública?

Na opinião pública do nosso país há um grande interesse pela Igreja Católica, e até simpatia, embora haja também, naturalmente, vozes contra ela.

No que diz respeito às autoridades, existe alguma distância. Muitas pessoas têm-me perguntado se recebi felicitações do rei ou do primeiro-ministro pela minha nomeação como cardeal, mas devido a esta distância ainda não houve reacções oficiais. Em vez disso, foi bem recebido pelos meios de comunicação social e entre as pessoas comuns. Pode dizer-se que a decisão do Papa tornou a Igreja Católica um pouco mais presente no espaço público na Suécia.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.