Mundo

As aparições de Fátima e a fé dos pastorinhos, esperança para o mundo

Ricardo Cardoso-3 de Maio de 2017-Tempo de leitura: 5 acta

Falando dos tempos vindouros, Jesus refere que "O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão". (cf. Mt 24,35). A partir destas palavras de Jesus podemos concluir que a sua Mãe continuará a fazer ressoar no coração da humanidade ferida a necessidade de olhar novamente para o seu Senhor, procurando Aquele que se preocupa com eles no Amor. É por isso que o serviço do Amor de Deus continua a ressoar em gerações sucessivas que, desde 1917, têm ouvido o que Nossa Senhora transmitiu aos pastorinhos em Fátima: a sua Mensagem.

A primeira manifestação sobrenatural foi em 1915, na montanha do Cabeço. As narrações da Irmã Lúcia (Memórias da Irmã Lúcia) indicam que, enquanto esteve com três amigas (Teresa Matias, Maria Rosa e Maria Justino), "Quando chegou o meio-dia, comemos o nosso lanche, e então convidei os meus companheiros a rezar o terço comigo, e eles juntaram-se de bom grado. Mal tínhamos começado quando, diante dos nossos olhos, vimos, como se estivéssemos suspensos no ar acima das árvores, uma figura como se fosse uma estátua de neve que os raios do sol tornavam transparente". Para estas raparigas, imersas em oração, a dúvida permaneceu quanto a quem era a figura.

Primeira aparição do Anjo

Na Primavera de 1916, outra manifestação sobrenatural teve lugar. Desta vez tudo é mais claro, pois o próprio anjo se dá a conhecer "Não tenha medo! Eu sou o Anjo da Paz. O Anjo toma a iniciativa e convida-os a rezar: "Rezem comigo! A Irmã Lúcia diz que, nesse momento, o Anjo, "Ajoelhado no chão, inclinou a testa para o chão".

A atitude daquele que é enviado por Deus é seguida pelas crianças: "Transportado por um movimento sobrenatural, imitamo-lo e repetimos as palavras que o ouvimos pronunciar". Da iniciativa do Anjo, surge o acto de adoração eucarística e trinitária.Meu Deus, eu acredito, eu adoro, eu espero e amo-vos. Peço o vosso perdão para aqueles que não acreditam, não adoram, não têm esperança e não vos amam"..

Reparação e Comunhão

No Verão do mesmo ano, 1916, teve lugar a segunda manifestação sobrenatural do Anjo, mas desta vez, enquanto descansavam junto ao poço do Arneiro. O Anjo disse-lhes: "O que estás a fazer? reza, reza muito! Os Corações de Jesus e Maria têm desígnios de misericórdia para convosco. Oferecer orações e sacrifícios constantemente ao Altíssimo".

As crianças perguntaram-lhe como o deveriam fazer, e o Anjo concretiza: "De tudo o que puderdes, oferecei um sacrifício como acto de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido, e de súplica pela conversão dos pecadores [...]. Acima de tudo, aceitai e suportai com submissão o sofrimento que o Senhor vos envia". Ele acrescenta: "Tragam assim a paz à vossa pátria". Eu sou o vosso Anjo da Guarda, o Anjo de Portugal".

No Outono de 1916, teve lugar a terceira manifestação sobrenatural do Anjo. As crianças tinham acabado de terminar o terço quando ele lhes apareceu. "segurando na sua mão um Cálice e sobre ele uma Hóstia, da qual caíam algumas gotas de sangue no Cálice. Deixando o Cálice e a Hóstia suspensos no ar, prostrou-se no chão e repetiu a oração três vezes: -Santa Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo, adoro-vos profundamente...".

Depois deu às crianças a Sagrada Comunhão, dizendo-lhes:"Tomai e bebei o Corpo e Sangue de Jesus Cristo, horrivelmente ultrajados por homens ingratos. Faz reparar os seus crimes e consola o teu Deus".

Aparições de Nossa Senhora: 13 de Maio

O estudo e o conhecimento do fenómeno sobrenatural das aparições de Nossa Senhora em Fátima exigem uma leitura equilibrada da fé, longe do sensacionalismo emocional ou intelectualismo da fé. Desta forma, o ponto de partida será sempre o que o Catecismo da Igreja Católica nos ensina. Em qualquer revelação em particular a sua função não é a de "...".melhoria". o "completa" O objectivo não é tanto revelar a Revelação definitiva de Cristo, mas ajudar a vivê-la mais plenamente num determinado momento da história.

Nas aparições da Virgem Maria, como documentado no Memórias da Irmã LúciaAs histórias coloquiais em que a Virgem fala com proximidade, ternura e o coração de uma mãe são impressionantes.

Na primeira aparição, a 13 de Maio de 1917, a Santíssima Virgem surpreendeu-os enquanto fugiam de uma tempestade. Mesmo ali, onde o Capelinhaeles viram "Sobre uma azinheira uma Senhora, vestida toda de branco, mais brilhante que o sol, irradiando uma luz mais clara e intensa que um copo de cristal, cheio de água cristalina, perfurada pelos raios do sol mais ardente. Parámos espantados com a aparição. Estávamos tão perto que ficámos dentro da luz que a rodeava, ou que Ela irradiava".

A Virgem Maria pergunta-lhes sobre a sua vontade de aceitar a missão de Deus para eles.Quereis oferecer-vos a Deus para suportar todos os sofrimentos que Ele gostaria de vos enviar, como um acto de expiação pelos pecados com que Ele é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores? E na sua resposta -Sim, nós fazemos.- Estas criancinhas assumem maduramente a sua colaboração com os desígnios do Amor salvífico de Deus. Na mesma aparição, Nossa Senhora pede-lhes que a encontrem lá todos os meses e que rezem o terço todos os dias.

Rezar o terço para a conversão

A 13 de Junho, Nossa Senhora revela-lhes que em breve levará Francisco e Jacinta para o céu. pergunta Lúcia: "¿Eu fico aqui sozinho?. A resposta de Nossa Senhora não é apenas para Lúcia, porque continua a ecoar em todos os corações crentes: "Não, meu filho, e estás a sofrer muito? Não desanimar. Nunca vos deixarei. O Meu Imaculado Coração será o vosso refúgio e o caminho que vos conduzirá a Deus. Este Coração de Mãe é o lugar de ternura e segurança, o caminho seguro que conduz a Deus.

Na terceira aparição, a 13 de Julho, Nossa Senhora continua a insistir na recitação do terço como meio de obter muitas graças por várias intenções, especialmente a paz e a conversão dos pecadores.

Tal como nas aparições de Anjo, Nossa Senhora também insiste em oração e sacrifícios constantes pela conversão dos pecadores e permite-lhes ver os sofrimentos do inferno.

Por outro lado, Nossa Senhora fala-lhes dos planos de Deus e dos riscos que a humanidade enfrenta: "Vistes o inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores; para os salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração. Se fizerem o que vos vou dizer, muitas almas serão salvas e terão paz. A guerra vai acabar. Mas se não deixarem de ofender a Deus, um pior começará no reinado de Pio XI. Quando virdes uma noite iluminada por uma luz desconhecida, sabei que é o grande sinal que Deus vos dá de que Ele punirá o mundo pelos seus crimes por meio da guerra, da fome e das perseguições à Igreja e ao Santo Padre.

Consagração e algum tempo de paz

"Para o evitar". -A Virgem Maria continuou, ".Virei pedir a consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração, e a Comunhão Reparadora nos primeiros sábados. Se atenderem aos meus pedidos, a Rússia será convertida e haverá paz; se não, espalhará os seus erros por todo o mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja. O bem será martirizado, o Santo Padre terá de sofrer muito, várias nações serão aniquiladas. Finalmente, o meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre consagrar-me-á a Rússia, que será convertida, e será concedida ao mundo.apenas em tempo de paz".

A Virgem Maria também os aconselha a rezar o terço, "depois de cada mistério dirás: Ó Jesus Meu Deus, perdoa-nos, livra-nos dos fogos do inferno, traz todas as almas para o céu, especialmente as mais necessitadas!

Na aparição de Outubro, Nossa Senhora instrui-os a construir uma capela em sua honra, e a pedir aos pecadores que façam reparações e que peçam o perdão dos pecados. "não ofendam mais o Senhor nosso Deus, que já está muito ofendido". Quando terminou, levantou-se para o céu, e foi então que as setenta mil pessoas que ali estavam testemunharam o milagre do sol, que fez voltas rotativas na sua periferia, emitindo faíscas de luz, e adquiriu cores diferentes que se espalharam por toda a Terra, durando de 8 a 10 minutos, segundo os protagonistas e cientistas.

"A primeira condição para a beatificação é ter praticado as virtudes em grau heróico, e foi dito que as crianças não tinham essa capacidade", recorda a cardeal portuguesa Saraiva Martins. "Mas no caso dos pastorinhos Jacinta e Francisco este não é o caso, porque eles mostraram um heroísmo que eu gostaria de ver em muitos adultos", assegura ele. O Papa não os declara santos por causa das aparições de Nossa Senhora, mas por causa da forma como viveram a sua fé, acrescenta ele.

O autorRicardo Cardoso

Vila Viçosa (Évora, Portugal)

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.