Vaticano

Histórias Judaicas no Arquivo Apostólico do Vaticano

O Papa Francisco abriu em Junho de 2022 o arquivo "judeu", que contém a documentação com os pedidos de ajuda que os judeus fizeram a Pio XII durante a Segunda Guerra Mundial.

Stefano Grossi Gondi-6 de Julho de 2022-Tempo de leitura: 4 acta

Foto: Arquivo de Pio XII. ©CNS foto/Paul Haring

Durante séculos foi chamado Arquivo Secreto do Vaticano e foi criado por Paulo V a 31 de Janeiro de 1612. O Papa Francisco mudou o seu nome em 2019: é agora mais simplesmente chamado Arquivo Secreto do Vaticano. Arquivos Apostólicos do Vaticano. A palavra "secreto" vem do adjetivo latino "secretum" (de secernere, que significa separar, distinguir, reservar). Distinguiu o arquivo papal como separado dos outros e reservado ao uso do pontífice e dos seus funcionários nomeados. A mudança é apenas nominal, porque a intenção do Papa era eliminar qualquer possível mal-entendido sobre as intenções da Igreja, todas elas visando a transparência, sem qualquer desejo de esconder ou interpretar mal. 

Nova sede

A quantidade de documentos é imensa, porque se referem a vários séculos de actividade, mais longa do que a de qualquer nação do mundo. No século XX, o Papa Paulo VI quis que fosse construído um novo Arquivo sob a Cortile della Pigna. É um imenso bunker subterrâneo com 85 quilómetros de prateleiras, o que o torna a maior base de dados histórica do mundo. 

O património documental preservado nos seus vastos repositórios estende-se por um período cronológico dos últimos doze séculos, e é constituído por mais de 600 explorações arquivísticas. Embora não seja o maior arquivo do mundo em termos de quantidade, é o maior em termos de geografia, abrangendo todos os continentes e todos os estados em que a Igreja Católica está presente.

O arquivo judeu

Após o trabalho de ordenação de períodos históricos inteiros, os arquivos dessa época serão colocados à disposição do público na sua totalidade. Um exemplo é o que diz respeito ao actividades de Pio XIIO desempenho em tempo de guerra durante a Segunda Guerra Mundial despertou muito interesse e curiosidade. 

A série "judaica" do Arquivo Histórico da Secretaria de Estado foi recentemente publicada na Internet. Um total de 170 volumes, equivalentes a quase 40.000 ficheiros, estão disponíveis para consulta. Inicialmente, 70% do material total estará disponível, para ser completado mais tarde com os últimos volumes em progresso. 

Durante a guerra, houve milhares de pedidos de ajuda dirigidos ao Papa por judeus de todas as idades. Por exemplo, é mencionado como um jovem estudante alemão, Werner Barasch, se peidou. O leitor espera um final feliz, imaginando a sua libertação do campo de concentração e a sua tentativa bem sucedida de se reunir com a sua mãe no estrangeiro. Neste caso particular, o nosso desejo foi concedido: se procurar recursos na Internet, encontrará vestígios dele em 2001. Não só existe uma autobiografia que conta as suas memórias como um "sobrevivente", mas entre as colecções online do Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos existe até uma longa entrevista em vídeo, na qual o próprio Werner Barasch conta a sua incrível história aos 82 anos de idade.

O arquivo "judeu" é portanto um património precioso, pois contém os pedidos de ajuda enviados ao Papa Pio XII pelos judeus, baptizados e não baptizados, após o início da perseguição nazi-fascista. 

Quase 3000 ficheiros

Por ordem do Papa Francisco, esta herança é agora facilmente acessível a todo o mundo. A primeira parte deste arquivo sobre os judeus (1939-1948) está disponível para consulta por estudiosos de todo o mundo desde 2 de Março de 2020, na sala de leitura do Arquivo Histórico.

A então Sagrada Congregação para os Assuntos Eclesiásticos Extraordinários, equivalente a um Ministério dos Negócios Estrangeiros, confiou a um diplomata meticuloso (Monsenhor Angelo Dell'Acqua) a tarefa de tratar dos pedidos de ajuda que chegavam ao Papa vindos de toda a Europa, a fim de prestar toda a assistência possível. Os pedidos podem ser de vistos ou passaportes para expatriação, refúgio, reunificação com um membro da família, libertação, transferência de um campo de concentração para outro, notícias sobre uma pessoa deportada, fornecimento de alimentos ou vestuário, apoio financeiro, apoio espiritual e muito mais.

Cada um destes pedidos constituía um ficheiro que, uma vez processado, se destinava a ser guardado numa série documental chamada "Judeus". Existem mais de 2.700 ficheiros, contendo pedidos de ajuda, a maioria dos quais para famílias ou grupos inteiros de pessoas. Milhares de pessoas perseguidas pela sua pertença à religião judaica, ou por meros ancestrais "não arianos", voltaram-se para o Vaticano sabendo que outros tinham recebido ajuda, como escreve o próprio jovem Werner Barasch.

Os pedidos chegaram ao Secretário de Estado, onde os canais diplomáticos foram activados para tentar prestar a maior assistência possível, dada a complexidade da situação política global.

A lista Pacelli

Após o pontificado de Pio XII ter sido aberto para consulta em 2020, esta lista específica de nomes foi chamada "lista Pacelli" (ou seja, a do Papa Pio XII), fazendo eco da conhecida "lista Schindler". Embora os dois casos sejam diferentes, a analogia capta perfeitamente a ideia de como, nos corredores da instituição ao serviço do pontífice, houve esforços incessantes para fornecer ajuda concreta aos judeus.

A partir de Junho de 2022, a série judaica estará disponível no website do Arquivo Histórico da Secretaria de Estado - Secção de Relações com Estados e Organizações Internacionais - numa versão virtual, livremente acessível a todos, na Internet.

Para além da fotocópia de cada documento individual, será disponibilizado um ficheiro com o inventário analítico da série, no qual todos os nomes dos beneficiários da ajuda encontrados nos documentos foram transcritos.

Acessível aos membros da família

Como no caso da candidatura do jovem Werner Barasch, a maioria dos mais de 2.700 ficheiros que chegaram à Secretaria de Estado, e que hoje nos contam tantas histórias de perseguição racial, deixam-nos de boca aberta, mesmo que nem sempre haja fontes com mais informações disponíveis. A digitalização de toda a série judaica disponível na Internet permitirá aos descendentes daqueles que procuraram ajuda para procurar vestígios dos seus entes queridos em todo o mundo. Ao mesmo tempo, permitirá aos estudiosos e a qualquer pessoa interessada examinar este património arquivístico especial de forma livre e remota.

A Igreja pretende tornar os documentos da sua história secular ainda mais acessíveis, tirando partido dos avanços tecnológicos que tornam tudo mais acessível através da digitalização. Todos os anos, este arquivo acolhe cerca de 1.200 bolseiros de cerca de 60 países de todo o mundo. A abertura desejada pelo Papa Francisco estende a possibilidade de consultar e estudar os documentos até 9 de Outubro de 1958, o dia da morte do Papa Pio XII. 

O autorStefano Grossi Gondi

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.