América

Uma nova fonte negra em Cuba

A Igreja Católica em Cuba pode ser um reflexo do movimento que trouxe de volta a soberania e liberdade para os europeus do outro lado da cortina de ferro. 

José Luis Orella-7 de Setembro de 2021-Tempo de leitura: 3 acta
Manifestantes em Cuba.

Na repressão das manifestações, vários jovens católicos cubanos foram presos. Entre eles estavam Isabel María Amador Pardías e Karem del Pilar Refeca Remón, em Bayamo, membros da pastoral juvenil; Serguis González Pérez, filho do diácono Sergio González da igreja de San Nicolás de Bari em Mayabeque; Evelio Bacaro, ecónomo e organista da mesma igreja; Jonathan E. Porto Dilut, 24 anos, membro do Movimento Cristão de Libertação (MCL) preso em Palma Soriano; Neife Rigau, uma jovem católica envolvida no trabalho pastoral, designer dos meios de comunicação independentes A Hora Cubanafoi preso a 11 de Julho, juntamente com o jornalista Henry Constantín e a fotógrafa Iris Mariño. Entre o clero, o padre Cástor Álvarez Devesa, sacerdote da arquidiocese de Camagüey, que foi espancado, e o seminarista Rafael Cruz foram presos. A rápida cobertura por parte dos meios de comunicação internacionais significou que foram enviados para casa alguns dias depois. 

São uma recordação dos acontecimentos de pouco mais de três décadas atrás. Em 1989 o comunismo foi derrubado na Europa graças à liderança de São João Paulo II e aos seus ensinamentos sobre a defesa da dignidade humana face a qualquer totalitarismo que ameaçasse o nosso estatuto livre como filhos de Deus. Os ensinamentos do Papa polaco nunca falaram de política, mas concentraram-se em destacar e comunicar o que era ser uma pessoa na sua autêntica realidade, livre de escolher o bem, e herdeira de uma dignidade que nenhum movimento totalitário poderia ferir ou controlar. A Igreja Católica em Cuba é um reflexo fiel desse movimento que derrubou os muros e recuperou a soberania e a liberdade dos europeus do outro lado da cortina de ferro. Por esta razão, os membros da Igreja são semeadores de paz, mas não surdos à dor do povo. A repressão que os católicos sofrem rotineiramente tem a sua chave para a defesa da dignidade humana, o que os torna testemunhas desconfortáveis e estimuladores de perguntas às autoridades que só são favoráveis à permanência no poder através da eliminação da dissidência. 

Os Bispos de Cuba, num comunicado de 12 de Julho, escreveram: "A violência gera violência, a agressividade de hoje abre feridas e alimenta ressentimentos para amanhã, que serão difíceis de ultrapassar, por isso convidamos todos a não encorajar a situação de crise, mas com serenidade de espírito e boa vontade, a exercitar a escuta, a compreensão e a tolerância, que tem em conta e respeita o outro para encontrar juntos formas de uma solução justa e apropriada"..

Os bispos hispano-americanos do Conselho Episcopal Latino-Americano, através do seu presidente, Monsenhor Miguel Cabrejos Vidarte, enviaram a sua solidariedade ao episcopado cubano com as seguintes palavras: "Do Conselho Episcopal Latino-Americano associamo-nos ao vosso apelo para que a resposta às exigências da população não seja a imobilidade que contribui para a continuidade dos problemas, sem os resolver, nem o endurecimento de posições que poderiam prejudicar todos".

A ilha das Caraíbas já teve a sua primeira "Primavera negra" em 2003, quando 75 defensores dos direitos humanos foram condenados a duras penas de prisão. A causa foi a sua participação como organizadores do Projecto Varela juntamente com Oswaldo Payá, que organizou o Projecto Varela ao abrigo da constituição cubana, o que lhe permitiu recolher as assinaturas necessárias para apresentar ao governo uma petição para mudanças na legislação. As 11.000 assinaturas foram apresentadas e visualizaram a força organizacional da organização política fundada no subsolo por Oswaldo Payá, o MCL, que nunca foi uma organização confessional mas cujos princípios se baseavam na doutrina social da Igreja e na mensagem libertadora do Evangelho. Os seus principais dirigentes foram expulsos da ilha, e em 2012 Oswaldo Payá e Haroldo Cepedo morreram num bizarro acidente de viação que permanece pouco claro. A sua filha Rosa Mª Payá continua a luta a partir de Cuba DecideA população cubano-americana exilada é de 2,5 milhões só nos Estados Unidos, num 65 % na Florida.

No passado, a forte repressão comunista impediu os dissidentes de se tornarem um perigo real, uma vez que eles não podiam convenientemente difundir as suas ideias. Hoje, porém, o turismo, a única verdadeira indústria da ilha, aproximou a realidade do resto do mundo de Cuba, um ramo da economia que agora entrou em colapso sob a covid-19. A migração económica fornece apoio e notícias, e já não está dependente de canais controlados pelas autoridades. As novas tecnologias deram acesso a pequenos telemóveis, o que proporcionou à nova geração cubana a possibilidade de se ligar ao mundo fora da ilha e de se organizar sem ser detectada. Em 2003 houve dezenas de activistas, em 2021 foi toda a população que tomou as ruas para exigir que a ilha deixasse de ser uma prisão para os seus habitantes. Mesmo os barões do regime de outrora, os antigos privilegiados de Fidel, Pablo Milanés e Silvio Rodríguez, juntam-se ao grito do povo contra o regime comunista.

O autorJosé Luis Orella

Professor Titular, CEU Universidade de San Pablo

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.