Livros

Uma "aposta católica" da sociologia

Chiara Giaccardi e Mauro Magatti vêem nas ideias de Bento XVI e Francisco uma continuidade que pode trazer o catolicismo de volta ao contacto com uma realidade em mudança. Foi isto que eles expuseram no livro "The Catholic Gamble", publicado em 2019 para considerável aclamação.

Andrés Cárdenas-9 de Dezembro de 2022-Tempo de leitura: 7 acta
Para a Igreja

Significado da inscrição: "Para a Igreja" (Foto: Unsplash / Jon Tyson)

Os sociólogos italianos Chiara Giaccardi e Mauro Magatti, casados desde 1985, com sete filhos, ambos nascidos e adoptados, e ambos professores universitários em Milão, escreveram um livro no qual expõem as suas ideias sobre as características que uma "aposta católica" deveria ter para o futuro (La scommessa cattolicaIl mulino, 2019). São autores de cerca de uma dúzia de ensaios, sempre sobre a relação entre a fé, a sociedade e o futuro, bem como conferencistas activos. O seu último trabalho, Supersocietàpublicado este ano, no qual analisam se ainda faz sentido apostar na liberdade na sequência da pandemia e no meio de um mundo em guerra.

Em La scommessa cattolica distanciam-se tanto da nostalgia de uma situação anterior, supostamente melhor na Igreja, como da afirmação acrítica de tudo o que a modernidade trouxe; estão convencidos de que estamos a viver num momento em que não há lugar para "sempre foi feito desta forma", nem para uma simples "manutenção ordinária", mas para recordar corajosamente que o cristianismo tem algo de novo a dizer em cada situação histórica. "Precisamos, eles mantêm, palavras no caminho, palavras que procuram dar voz e forma à sensação difusa de precariedade; palavras capazes de transmitir a experiência da fé onde, como diz Michel de Certeau, a própria estabilidade significa ir mais além, em direcção à procura de novas formas de presença e narração".

Abstracção", uma doença da razão

As teses de Giaccardi e Magatti - esta "procura de novos caminhos" - são difíceis de organizar sistematicamente, mas o seu tronco poderia ser resumido da seguinte forma: sofremos, como cultura, de uma doença da razão, atrofiada num uso puramente instrumental, descrito agudamente em numerosas ocasiões por Bento XVI; e só podemos ser curados desta situação se seguirmos algumas das intuições do Papa Francisco, que visam tentar acordar deste tipo de paralisia, pondo as nossas mãos e o nosso espírito em acção.

O caminho começa pelo reconhecimento da crise sofrida pelo Ocidente, provocada pela espada de dois gumes da aliança entre o cristianismo e a razão. Certamente, é uma aliança que está no coração da Igreja, mas que a certa altura tomou um rumo que finalmente nos afastou da realidade concreta para nos atirar para o que eles chamam "o mundo da abstracção". Seguindo de perto Romano Guardini, esclarecem que "não é uma crítica da ciência, que é uma conquista inalienável da humanidade, mas da absolutização da linguagem científica: uma linguagem que constrói os seus próprios objectos e que, quando perde a tensão com o que não é fabricável, mensurável, disponível, toma um rumo mortal". Quando esta abstracção se torna a única forma que utilizamos para ver a realidade - como, de facto, aconteceu - habituamo-nos a separar o que é unido, a opor-nos ao que é de facto recíproco; isto acontece, por exemplo, com as dicotomias vida-morte, corpo-espírito, raciocínio-sentimento, forma-matéria, homem-mulher, sujeito-objecto, bem-estar, individual-sociedade, ser-benefício, etc. O desejo positivo de dar uma razão para a própria fé pode acabar por encerrar tudo em teorias que estão muito afastadas do betão.

Talvez a abstracção mais dolorosa aconteça quando tentamos compreender-nos a nós próprios, quando estudamos o "Eu" como algo isolado do que nos rodeia: família, comunidade, cultura, história, Deus. A consequência inevitável deste "eu abstracto" é uma solidão sem precedentes. De acordo com os estudos a que recorrem, a percentagem de famílias monopessoais está a crescer a uma taxa alarmante de 90% em locais como o centro de Manhattan, mas em grandes capitais europeias é de cerca de 50%. Consideramo-nos como seres com grande capacidade de autonomia, como se a felicidade dependesse apenas de nós próprios, mas acabamos por colidir com uma realidade que, mesmo que a mantenhamos escondida das redes de exposição pública, é sempre diferente. É paradoxal que, na era da transparência, o sofrimento individual seja transportado em segredo.

Para sair desta situação, Giaccardi e Magatti concluem que só a razão não é suficiente, "não basta falar do bem e querer transformá-lo em discurso; especialmente se o bem é tão intelectualizado que já não consegue acender energias espirituais, nem mesmo as mais básicas para que qualquer forma religiosa possa gerar uma vida autêntica e pôr em movimento a realidade".

Uma estratégia com duas vertentes: o descarte e o mistério

É então que os sociólogos vêem na continuidade Francis-Benedict XVI a chave para uma "aposta católica" que pode reconectar-se com a realidade. Bento XVI fez um diagnóstico preciso dos nossos tempos quando reconheceu a perda da capacidade da razão para iluminar a fé. Apesar dos avisos proféticos de muitos - incluindo papas anteriores - sobre a deriva absoluta para uma razão puramente técnica, era um movimento difícil de reverter. A questão foi sempre: como abrir a nossa razão para além da sua funcionalidade técnica? 

E é aqui que entra em jogo a resposta de Francisco: a razão não se abre por caminhos intelectuais. A razão", escrevem Giaccardi e Magatti, "só se abrirá se estiver pronta para se deixar questionar pela realidade. Porque é da realidade, ouvida e amada, que virão os argumentos indispensáveis para escapar ao domínio da razão instrumental, associado ao niilismo cultural radical que o sustenta e o torna intolerável. É precisamente nesta abertura que o cristianismo pode e deve jogar o seu próprio jogo. Assumindo uma postura dinâmica que se deixa provocar pela experiência humana, especialmente por aquela que é abandonada à margem e que, ao contrário da crença popular, constitui a verdadeira linfa da regeneração". É apenas em contacto com o periférico que o sangue novo pode emergir.

Para realizar a tarefa que Ratzinger delineou de forma tão precisa a nível intelectual", explicam, "não há outra forma senão seguir o caminho de Bergoglio". E esboçam uma possível estratégia que se desdobra, inicialmente, em dois flancos: o do descarte e o do mistério; levando a sério o problema do vizinho e levando a sério o problema da oração. É nestas duas fronteiras que a Igreja aposta na recuperação do "sentido religioso" que muitas vezes parece ter sido perdido. 

A primeira fronteira - a de recuperar o que foi descartado da sociedade - não se trata de um "humanismo" ou de um bomismo em que, mais uma vez, nós próprios estamos no centro, mas sim de nos deixarmos empurrar para aquele lugar de encontro que nos pode salvar; transformar o nosso vizinho, especialmente o nosso vizinho nas periferias, em janelas a partir das quais podemos olhar de novo para o mundo. Na segunda fronteira está aquele grande vazio que o homem contemporâneo, cheio de todos os seus desejos realizados, não sabe onde preencher: ir em busca do alfabeto perdido da oração. Se o cristianismo sempre partiu do desejo de Deus que está no fundo do coração humano, o principal objectivo do modelo económico dominante é precisamente convencer-nos de que não há desejo que não possa ser satisfeito dentro dos seus mecanismos - e, portanto, não há necessidade de salvação. De facto, o mercado depende de um desejo insaciável, depende do estabelecimento de uma relação estreita com esse movimento. E não se trata apenas de satisfazer as necessidades materiais, mas também do sentido de mistério que a tecnologia também procura desvirtuar. 

É por isso que Giaccardi e Magatti defendem "uma oração que é palavra, liturgia, sacramento, rito, mas também, e acima de tudo, silêncio. Esta é uma grande responsabilidade da Igreja na esfera pública contemporânea: antes e mais do que a exibição de certezas de granito, antes e mais do que uma participação colectiva, somos chamados a manter vivo na cidade o fogo da oração como capacidade de habitar a nossa solidão, de enfrentar os horizontes últimos da existência, de nos curvarmos perante o mistério da vida. Para contemplar. Ou seja, ouvir: o acto original e distintivo de acreditar, que foge das falsas certezas da idolatria para aceitar caminhar por caminhos não assinalados, seguindo a voz que chama".

Pessoas, testemunho, liberdade, fé

Lá se vai o que poderia ser um fio comum no trabalho de Giaccardi e Magatti. Entre os vários outros temas que emergem destas considerações, há talvez quatro que são particularmente importantes em termos de repensar uma "aposta católica" sobre o futuro. Por um lado, o isolamento do "eu" acima mencionado, no meio de uma cultura hipermediatizada em que raramente temos contacto directo com a realidade, torna difícil gerar um "povo", uma preocupação que os autores também partilham com Francisco. Sustentam que a Igreja tem uma vocação necessariamente popular no sentido de se propor a todos, e não apenas a pequenos grupos; e, nesta tarefa, deve ter sempre em mente as condições de vida dos seus contemporâneos, as suas esperanças e medos, uma vez que é aí que a mensagem do Evangelho se insere, no meio de uma comunidade que partilha o mesmo caminho. Por outro lado, a doença a que um povo individualizado pode ser vítima é o populismo, que tira partido da fragmentação e abstracção, combinado com a necessidade de pertencer. 

Giaccardi e Magatti pensam que a religião tem mais possibilidades do que a política para curar as doenças de um povo individualizado, também em pequena escala, em comunidades mais pequenas, mas desde que se concentre em gerar uma experiência. "Nenhum discurso terá o poder de fazer uma mossa no ecrã, quanto mais uma mossa na consciência europeia, se não nascer de uma experiência, de uma realidade que é atravessada e amada. É por isso que devemos insistir no que foi dito a partir das cadeiras mais importantes: hoje a única língua que pode falar é a língua do testemunho, ou seja, da experiência que fala (...). Sobre este ponto é possível falar mesmo sem palavras; e não para dar regras, mas para inspirar nova vida (...). Tudo isto supondo que, como católicos e como Igreja, temos visto realmente alguma coisa".

Além disso, reconhecem um grande desafio antropológico na Igreja, o de conciliar fé e liberdade, um conflito cujas raízes mais específicas podem ser traçadas pelo menos até Lutero. É um desafio ao qual não basta responder com generalizações, e menos ainda cair nas imposições das quais se pretende, com razão, fugir. Citando Maritain, ambos argumentam que é mais claro do que nunca que "ou o cristianismo é capaz de se qualificar como a religião da liberdade ou simplesmente não conseguirá falar ao homem contemporâneo".

Finalmente, ao contemplarmos a grande mudança cultural na nossa compreensão da autoridade, a transformação da comunicação, com o liberalismo e a sua ênfase na escolha individual, etc., desde os anos 60, é lógico que também houve mudanças na nossa relação com a fé. De certa forma, já não é possível pensar numa "fé de adesão" que supunha "corresponder tão precisamente quanto possível a uma regra de vida externa que o sujeito assumia como seu próprio ponto de referência; com o peso do dever, do esforço, da disciplina que isso implicava, na tentativa de se conformar com esse ideal". Com o ónus adicional de que este modelo poderia legitimar um poder que guarda este "deveria ser", onde a deriva violenta não é impensável. Além do facto de nada indicar que tal modelo seja o modelo evangélico, conformar-se com um modelo externo é insustentável quando o ambiente já não empurra na mesma direcção. A "procura de novos caminhos" também precisa de descobrir alternativas a esta "fé como aderência" - algumas das quais são expostas no seu livro -: caminhos que descobrem na modernidade um terreno fértil onde o Evangelho pode crescer.

O autorAndrés Cárdenas

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.