Mundo

A crise do Afeganistão, uma pedra de toque para a dignidade humana

A fuga do Afeganistão de milhares de afegãos aterrorizados, a angústia de deixar o país de tantos afegãos e ocidentais, para os quais o dia 31 de Agosto é um prazo no aeroporto de Cabul, e os obstáculos à recepção nos países ocidentais, reflectem um ataque dramático à dignidade humana e à fraternidade.

Rafael Mineiro-26 de Agosto de 2021-Tempo de leitura: 3 acta
Cabul, Afeganistão

Foto: ©CNS foto/Staff Sgt. Victor Mancilla, U.S. Marines handout via Reuters

Pouco mais de seis mil quilómetros separam Madrid de Cabul, 14 horas por avião. De Roma e do Vaticano, um pouco menos. E de Genebra, a sede do escritório das Nações Unidas na Europa, semelhante. Mas a distância em termos de direitos humanos tornou-se quase infinita nos dias de hoje.

O Encarregado de Negócios da Missão Permanente da Santa Sé junto das Nações Unidas em Genebra, Monsenhor John Putzer, acaba de o assinalar. Falando na 31ª sessão especial do Conselho dos Direitos Humanos, exortou "a reconhecer e defender o respeito pela dignidade humana e pelos direitos fundamentais de cada pessoa, incluindo o direito à vida, à liberdade de religião, ao direito à liberdade de movimento e de reunião pacífica".

"Neste momento crítico", acrescentou, "é de vital importância apoiar o sucesso e a segurança dos esforços humanitários no país, num espírito de solidariedade internacional, para não perder os progressos alcançados, especialmente nas áreas da saúde e da educação". Segundo a Santa Sé, o "diálogo inclusivo" é "o instrumento mais poderoso" para alcançar o objectivo da paz, e pretende apelar a toda a comunidade internacional para que "passe das declarações à acção", acolhendo os refugiados "num espírito de fraternidade humana".

Monsenhor Putzer recordou assim o apelo do Papa Francisco à oração de 15 de Agosto, implorando que sejam procuradas soluções à mesa do diálogo, e que o barulho das armas cesse. As suas palavras textuais na oração do Angelus foram as seguintes: "Peço-vos que rezeis comigo ao Deus da paz para que o barulho das armas cesse e para que sejam encontradas soluções à mesa do diálogo. Só então os mártires desse país - homens, mulheres, idosos e crianças - poderão regressar aos seus lares e viver em paz e segurança com total respeito mútuo".

A apreensão de Cabul afecta-nos

O regresso ao poder dos Talibãs significou o fim de vinte anos de presença dos Estados Unidos e dos seus aliados. E como escreveu Andrea Riccardi, fundador da Comunidade de Sant'Egidio, "a aquisição de Cabul também nos afecta" (Famiglia Cristiana). O regresso dos Talibãs afecta toda a gente em todos os sentidos, mas acima de tudo, claro, no sentido puramente físico, a luta pela vida, o primeiro direito humano. Basta ver as imagens de centenas de afegãos amontoados nos porões dos aviões, ou as palavras de afegãos que chegaram recentemente ao nosso país, como o capitão da equipa afegã de basquetebol em cadeira de rodas, Nilofar Bayat, que disse em Bilbao: "Sou a prova de que no Afeganistão não há futuro nem esperança".

De facto, o dia 31 de Agosto está cada vez mais próximo. Esta é a data acordada entre os EUA e os Talibãs para a retirada das tropas, mas milhares de pessoas continuam por evacuar e poderá ser necessário prorrogá-la. Para os Talibãs, esta possível extensão "é uma linha vermelha", "ou haverá consequências". A instabilidade e suspeita de ataques estão a crescer num aeroporto ao qual milhares de pessoas estão a tentar desesperadamente aceder.

Fraternidade humana

As ameaças do regime talibã à vida humana, dignidade e liberdade são uma fonte de grande preocupação para milhares de pessoas num país com um pequeno número de cristãos, e certamente para o Papa Francisco, que realizou um encontro histórico no Iraque em Março deste ano na antiga cidade de Ur dos Caldeus, em Abraão, com representantes de judeus e um maior número de comunidades muçulmanas, e exortou-os a percorrer um caminho de paz, fraternidade e perdão.

A crise afegã é também, na mesma linha, um golpe para os ensinamentos do Papa Francisco na encíclica Fratelli Tutti, assinado pelo Santo Padre a 4 de Outubro do ano passado em Assis. Como sublinhou o Professor Ramiro Pellitero neste portal, ao tratar da fraternidade e da amizade social, "o Papa declara que se detém na dimensão universal da fraternidadeNão é por acaso que um dos pontos-chave do documento é a rejeição do individualismo. Somos todos "irmãos", membros da mesma família humana, que vem de um único Criador, e que navega no mesmo barco. A globalização mostra-nos a necessidade de trabalhar em conjunto para promover o bem comum e cuidar da vida, do diálogo e da paz.

O acolhimento e os esforços para integrar os muitos milhares de refugiados que fogem aterrorizados do seu próprio país serão uma pedra de toque para visualizar o apoio à dignidade da pessoa humana, independentemente da sua raça, religião ou nacionalidade, e a adesão aos ensinamentos do Papa.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.