Notícias

"Sem a Conferência Episcopal, o caminho da Igreja em Espanha é incompreensível".

A Conferência Episcopal Espanhola (CEE) está a celebrar o seu 50º aniversário. Para assinalar a ocasião, haverá dois congressos internacionais: um em Junho, sobre a natureza e história das Conferências Episcopais; e outro no Outono, sobre Paulo VI, o Papa que os instituiu. Falámos com o Cardeal Ricardo Blázquez Pérez sobre o aniversário e outras questões actuais.

Henry Carlier-13 de Abril de 2016-Tempo de leitura: 8 acta
Cardeal Ricardo Blázquez

As Conferências Episcopais surgiram do Concílio Vaticano II, que terminou em 8 de Dezembro de 1965. Apenas dois anos depois, teve início a primeira Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Espanhola, que durou de 26 de Fevereiro de 1967 a 4 de Março. Foi realizada na Casa de Ejercicios del Pinar de Chamartín de la Rosa, em Madrid.

Os primeiros estatutos foram aprovados a 27 de Fevereiro e ratificados pela Santa Sé nesse mesmo ano. A 28 de Fevereiro, o Arcebispo de Santiago, Cardeal Fernando Quiroga Palacios, foi eleito o primeiro presidente da CEE. E a 1 de Março teve lugar a constituição oficial da CEE.

Sobre este meio século das Conferências e sobre a Conferência espanhola em particular, quisemos falar com o seu presidente, o Cardeal Ricardo Blázquez, que também gentilmente nos respondeu, como de costume, sobre outras questões actuais que afectam a Igreja em Espanha.

Qual é a sua avaliação dos cinquenta anos de vida das Conferências Episcopais, e será que estiveram à altura das expectativas do Conselho? -Existem duas instituições da Igreja nascidas no contexto do Concílio Vaticano II, nomeadamente o Sínodo dos Bispos e as Conferências Episcopais, que a meu ver têm sido muito frutuosas nos cinquenta anos desde o Concílio Vaticano II. Têm sido instrumentos muito eficazes para a implementação do Conselho. 

No que diz respeito à Conferência Episcopal Espanhola, no próprio dia do encerramento do Concílio Vaticano II, os bispos escreveram uma carta, assinada em Roma, expressando a sua determinação em instituir a Conferência Episcopal o mais rapidamente possível. Foi uma decisão rápida que mostrou a atitude receptiva ao Concílio por parte dos bispos da Igreja em Espanha. 

Desde então, os seus documentos têm sido numerosos. A Conferência tem acompanhado constantemente as dioceses e os seus fiéis na reflexão e orientação. O Conselho teve sem dúvida razão em criar as Conferências Episcopais, e a nossa tem estado atenta em cada momento histórico e tem dado uma ajuda muito considerável, que deve ser reconhecida e agradecida.

Pensa que a verdadeira natureza eclesiológica das Conferências se instalou dentro e fora da Igreja, ou ainda existe alguma confusão? - Provavelmente o significado eclesiológico das Conferências Episcopais ainda não foi adequadamente percebido por muitos. De facto, recebi cartas de pessoas que assumiram que o Presidente da Conferência era o "chefe" dos bispos e tinha autoridade sobre as dioceses em Espanha. Por vezes ficam surpreendidos quando lhes é dito que só o Papa tem autoridade sobre os bispos; e que em cada diocese o bispo tem a responsabilidade de a orientar; e que a Conferência é uma ajuda, ainda que muito qualificada, para os bispos.

No nosso caso específico, terá a Conferência Episcopal Espanhola contribuído eficazmente para a coordenação dos bispos espanhóis?  -Minha convicção é que os órgãos da Conferência Episcopal agiram com consciência da sua responsabilidade e do alcance exacto das suas manifestações. Ajudou certamente a promover a unidade entre os bispos e a acção pastoral coordenada das dioceses. Acolhendo o Conselho, orientações em momentos mais complicados, comunhão entre os bispos e acção pastoral convergente de todos... nestes e noutros pontos, a Conferência Episcopal Espanhola prestou um serviço inestimável. O funcionamento tanto da Assembleia Plenária como dos outros órgãos pessoais e colegiais tem sido, pela minha experiência, correcto. As acções da Conferência terão provavelmente sido mais brilhantes nalguns momentos e mais discretas noutros, mas sempre agiu de acordo com a sua missão. 

Por outro lado, os bispos não são a favor de um papel absorvente para a Conferência. Reconhecem o papel da Conferência, mas não querem que ela se intrometa na responsabilidade que lhes foi confiada. É verdade que em certos momentos os desafios colocados à Conferência foram mais urgentes e delicados, aos quais teve de responder pronta e seriamente.

Quais teriam sido os marcos mais importantes nos cinquenta anos de existência da CEE? Que principais realizações destacaria? -Na minha opinião, os primeiros dez anos da Conferência foram decisivos para responder às reformas exigidas pelo Concílio e para alinhar a Igreja espanhola com a Declaração do Concílio sobre a liberdade religiosa, na altura do que chamámos a transição. A Igreja, com a orientação do Concílio, conseguiu prestar uma ajuda valiosa à sociedade espanhola e à comunidade política naqueles anos. Como é bem sabido, houve mal-entendidos, dificuldades e também colaboração. 

Nestes cinquenta anos, a Conferência ajudou todos os bispos e respectivas dioceses em todos os campos da acção pastoral: doutrina, liturgia, catequese, caridade, relações Igreja-Estado, atenção aos sacerdotes, religiosos, consagrados e leigos, associações de fiéis, seminários, missões, educação, etc. Sem a Conferência Episcopal, a longa história da Igreja em Espanha seria incompreensível. Os diferentes planos de acção diocesanos e as cartas pastorais dos bispos dão testemunho desta valiosa ajuda.

Alguma anedota ou experiência significativa destas cinco décadas? -Eu tenho boas recordações. Fui ordenado bispo em 1988; quando participei na Assembleia Plenária pela primeira vez, senti como o afecto colegial era também um caloroso acolhimento e afecto fraterno por parte dos bispos. Fui recebido na Assembleia não só como alguém que por direito participou nela, mas sobretudo como alguém que foi recebido cordialmente. Ouvi de outros bispos que eles também tiveram uma tal impressão. Os Bispos estão unidos não só pelo dever pastoral, mas também por laços de afecto e uma atitude pessoal de partilha de trabalho e de esperanças.

De acordo com o actual Plano Pastoral da CEE, quais são as principais dificuldades que a Igreja em Espanha enfrenta? -Nós bispos há muito que estamos convencidos de que a evangelização na nossa situação actual, a nova evangelização, é o desafio mais urgente e fundamental que os católicos em Espanha enfrentam. 

A transmissão da fé cristã às novas gerações é uma tarefa decisiva. A família, tanto nesta tarefa como na educação das crianças em geral, é insubstituível. Estamos preocupados com a indiferença religiosa e o esquecimento de Deus. O último Plano Pastoral, aprovado há alguns meses, está a avançar nesta direcção. Desejamos realizar uma revisão que conduza a uma conversão pastoral das formas, dos canais institucionais, das dificuldades e das experiências alegres nesta ordem. 

Promover a comunhão na Igreja, testemunhar o Evangelho, celebrar os sacramentos com maior autenticidade e ser coerentes no serviço da caridade e da misericórdia para com todos e particularmente para com os mais pobres, marginalizados e distantes, são tarefas que temos vindo a cumprir e que desejamos intensificar.

Em Março 2005 foi eleito presidente da CEE; o 13 de Março a partir de 2010A 12 de Março de 2014, foi nomeado arcebispo de Valladolid; e a 12 de Março de 2014, foi reeleito para um segundo mandato como presidente do episcopado. Qual é a sua avaliação destes dois últimos anos à frente da CEE?  -Eu acrescentaria outra data em Março à minha biografia pessoal: a 28 de Março de 1988, o núncio informou-me da decisão do Papa de me nomear bispo. 

Tenho notado uma comunhão mais quente entre todos nós. O realismo missionário leva-nos a acentuar a nossa confiança na luz e na força do Senhor para enfrentar o trabalho diário para o Evangelho. Noutros tempos - por exemplo nos anos do Conselho - a esperança era alimentada pela euforia; nos nossos tempos, a esperança genuína é profundamente posta à prova. Estamos a concentrar-nos nas tarefas e atitudes fundamentais que queremos que sejam mais humildemente evangélicas. A nossa fraqueza incita-nos a confiar na força de Cristo. O Papa Francisco, com a sua vida e as suas palavras, ajuda-nos eficazmente. 

Nos últimos anos, o número de vocações sacerdotais em Espanha tem vindo a crescer ligeiramente. Como vê o panorama vocacional?  -Há muito tempo que sofremos de uma grave crise vocacional para as vocações ao ministério sacerdotal e à vida consagrada. Existem algumas excepções que, em comparação com os anos de extraordinária abundância, não são assim tão más. Há algumas comunidades religiosas que são mais vigorosas, mas em geral sofremos de carências. Esta escassez não significa um declínio na fidelidade. Por vezes há uma retoma, mas não creio que seja significativa do ponto de vista da descolagem profissional. A crise dos seminaristas é provavelmente uma crise dos padres, e a crise dos padres é uma crise das comunidades cristãs. 

O trabalho para as vocações sacerdotais tem sido muito intenso durante muitos anos. Os sofrimentos mais sensíveis dos bispos estão relacionados com os seminários. O trabalho pastoral vocacional deve envolver famílias, catequese, paróquias, movimentos apostólicos, comunidades. Precisamos de uma "cultura vocacional", ou seja, um ambiente amplo, uma rede de esforços coordenados e de cristãos convergindo neste campo pastoral.

O tema da Religião continua a sofrer em alguns lugares, especialmente devido à diferente aplicação da lei nas diferentes Comunidades Autónomas. Por que razão é rejeitado por alguns?  -Os pais têm o direito de educar os seus filhos nas suas convicções; o ambiente cultural em que vivemos reconhece teoricamente este direito, mas nem sempre age consistentemente para o pôr em prática. 

O tema da religião nas escolas não é um privilégio, mas um direito que na realidade é um serviço aos alunos, às famílias e à sociedade no seu conjunto. É uma solução razoável torná-la obrigatória para as escolas públicas e uma escolha livre para os pais e possivelmente para os seus filhos. Mas esta abordagem nem sempre é fielmente seguida, então porque é que quando há uma proporção tão elevada de candidaturas, esta exigência verdadeiramente democrática é então por vezes negada? 

Também se entende que o cumprimento deste direito à educação religiosa exige qualidade no ensino da religião. Gostaria de pedir mais respeito pelo direito dos pais. 

Por exemplo, o que pensa do facto de o Tribunal Constitucional ainda não ter resolvido o recurso contra a lei do aborto?  -Publicamente, na qualidade de Presidente da Conferência Episcopal, num discurso na abertura da Assembleia e noutras ocasiões, expressei a minha opinião sobre o assunto. É o seguinte: não compreendo, não sei porque é que a lei que foi apelada quando estávamos na oposição não foi alterada quando tivemos a oportunidade de governar. 

O direito à vida, desde o útero até à morte natural, é um direito inviolável. O edifício dos direitos humanos é abalado quando o mais fundamental dos direitos não é respeitado. Como o Papa Francisco repetiu, a mãe que se encontra numa situação angustiante para receber o seu filho por nascer deve ser ajudada. A Igreja tem alguns recursos para ajudar, e mesmo que sejam limitados, são eficazes. Existem centros que prestam um serviço crucial para a vida da criança e para a confiança da mãe. 

Como vê a situação socioeconómica e de desemprego no nosso país, e pensa que se está a fazer o suficiente para os mais desfavorecidos? -É uma questão difícil, porque inclui um ingrediente de generosidade a partilhar e um factor de trabalho técnico que complica as coisas. A Conferência Episcopal aborda esta questão na Instrução Pastoral "A Igreja ao serviço dos pobres", que foi tornado público em Abril em Ávila. 

A percentagem de desempregados, e especialmente os jovens, é muito elevada no nosso país, embora tenhamos de reconhecer o lento e constante declínio dos últimos anos. Aprofundemos no Ano da Misericórdia a nossa atenção aos pobres e desempregados, com uma clara consciência de que os bens da criação são para toda a humanidade. Cultivemos a solidariedade entre todos, com os que estão próximos e distantes; e juntemos esforços técnicos sem cair em ideologias que obscureçam tanto os problemas como as soluções. O desemprego elevado é uma tarefa para todos nós e afecta muitas pessoas, privando-as dos recursos necessários e do devido reconhecimento da sua dignidade. Como podem os jovens constituir uma família sem recursos suficientes?

Como vê a situação política actual? -Vejo a situação com preocupação, não tanto devido ao mapa político sem precedentes resultante das eleições gerais de 20 de Dezembro, mas devido às imensas dificuldades que os líderes políticos estão a mostrar para se reunirem, falarem e procurarem em conjunto a solução mais apropriada. É triste quando, dia após dia, eles se atiram uns aos outros e adiam os diálogos insubstituíveis necessários para encontrar uma saída que nos dará a todos serenidade e confiança. 

Não cabe à Conferência Episcopal apontar o caminho a seguir; respeitamos todas as partes e não excluímos nem vetamos nenhuma delas. Os cidadãos, que são também nós, votaram e nós respeitamos o veredicto das urnas. Estamos prontos a colaborar com o governo que é formado para o bem da sociedade. As causas da justiça, liberdade, reconciliação e paz são também as nossas causas, tanto em termos de ética geral como em termos de exigências evangélicas.

De vários partidos políticos, levantam-se vozes a favor de uma revogação ou revisão dos acordos do Estado com a Santa Sé. Estas declarações são motivo de preocupação para a CEE? -Interrogo-me por que razão esta pergunta aparece na praça pública sempre que são feitas propostas para o futuro por certos grupos. Serão os Acordos tão prejudiciais para a sociedade? Não têm sido uma fórmula razoável no caminho para relações respeitosas e concordantes? Serão os Acordos um recurso fácil ou um engodo para aquecer os ânimos? Serão estas manifestações políticas sobre a denúncia dos Acordos, sobre a sua violação, sobre a sua revisão? A opinião pública tem de ser dita claramente e não numa atmosfera de nevoeiro que introduz confusão. 

Por outro lado, os actuais acordos estão em conformidade com a Constituição, forjados num clima de consenso e aprovados por todos os espanhóis. A nossa história não pode consistir em tecer e desfiar, como fez Penelope, semeando insegurança e incerteza.

O autorHenry Carlier

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.