Educação

A relação Igreja-Estado no Panamá no campo da educação

No Panamá existe uma relação de respeito entre o Estado e a Igreja, também na educação religiosa, e a liberdade religiosa é respeitada. Giancarlos Candanedo estudou este assunto, e propõe a assinatura de um acordo entre os dois no campo educativo e cultural.

Salada de Vytautas-18 de Novembro de 2022-Tempo de leitura: 6 acta
panama

Giancarlos Candanedo tem experiências profissionais de todos os tipos. Após os seus estudos em Direito e Ciência Política, bem como uma pós-graduação em negociação, ambos no Panamá, e um mestrado em comunicação política e empresarial no Universidade de NavarraTem trabalhado como advogado, como professor universitário e também como apresentador de televisão. Foi também funcionário público e passou alguns anos na política do seu país; fez mesmo parte da equipa responsável pela organização do Dia Mundial da Juventude Panamá 2019.

Parece que a última etapa da sua viagem profissional começa agora: a 19 de Novembro Giancarlos, juntamente com outros 24 fiéis do Opus Dei, será ordenado diácono em Roma, enquanto a sua ordenação sacerdotal está agendada para 20 de Maio de 2023.

Dentro de alguns meses, defenderá a sua tese de doutoramento em direito canónico no Pontifícia Universidade da Santa Cruz, Roma, sobre o tema "O direito humano à educação integral e o ensino da religião no Panamá", que é o tema da presente entrevista.

Como tomou conhecimento da necessidade de abordar esta questão?

- Quando, em 2017, comecei a minha licenciatura em Direito Canónico na Universidade Pontifícia da Santa Cruz, tive de apresentar um trabalho sobre a aplicação dos cânones 804 § 2 e 805 no meu país, relativo ao ensino e educação religiosa católica e à nomeação, aprovação e remoção de professores de religião. Nunca pensei que de uma forma tão prematura se abrisse para mim um horizonte largo que me levasse, a partir desse momento, a trabalhar numa tese de doutoramento.

A partir dessa experiência, pude visualizar várias coisas no meu país. Em primeiro lugar, o facto de existir uma relação cordial Igreja-Estado no campo da educação.

Em segundo lugar, que esta relação não se baseia numa concordata ou acordo. Sendo assim, levantou-se a questão de saber em que se baseia?

Em terceiro lugar, precisamente devido à ausência de um acordo no campo da educação, houve um interessante campo de investigação e a possibilidade de contribuir com um grão de areia sobre este assunto no Panamá, uma ideia que foi apoiada pelo meu guia nesta longa viagem académica, Professor Stefan Mückl, bem como pelo Arcebispo do Panamá, Monsenhor José Domingo Ulloa, que me encorajou a aprofundar o assunto.

Quais são os pontos-chave para garantir o direito à educação religiosa no seu país? Que solução propõe?

- O respeito pelo direito internacional e pela Constituição panamenha são os pontos-chave para assegurar o direito de ensinar religião, qualquer que seja a religião, e que, por iniciativa dos pais, o ensino da religião seja solicitado nas escolas públicas.

Neste sentido, tanto a liberdade religiosa como o direito dos pais a escolherem o tipo de educação para os seus filhos têm amplo apoio no direito internacional.

A minha proposta inclui, entre outros, a assinatura de um acordo Igreja-Estado no campo educacional e cultural, do qual apresento um projecto.

Acha que outros países enfrentam desafios semelhantes e que a solução para o Panamá seria uma proposta válida para outros países? 

- Embora não me tenha debruçado sobre a realidade de outros países, excepto nos casos de Espanha e Itália, onde o assunto está bastante bem desenvolvido, parece-me que do diálogo com colegas da América Central temos situações e desafios semelhantes em termos da relação Igreja-Estado no campo da educação. Nesta perspectiva, sem ter pensado nisso no início da tese, parece que esta investigação, com as suas origens num problema panamenho, poderia ser útil ou ter um âmbito regional.

A fim de avaliar a validade desta proposta noutros países, será necessário estudar em profundidade a legislação de cada país, contudo, em primeira mão, tudo sugere que existem elementos em comum, pelo menos no istmo centro-americano, e por isso, esta investigação poderia lançar luz noutras latitudes sobre como enfrentar a realidade jurídico-canónica no campo da educação.

Qual é a importância do ensino da religião nas escolas públicas do Panamá? 

- É uma disciplina mandatada constitucionalmente que deve ser ensinada em todas as escolas públicas do país. O artigo 107 da Constituição do Panamá estabelece que a religião católica deve ser ensinada nas escolas públicas, mas também especifica que o seu ensino e frequência nos serviços religiosos não será obrigatório quando solicitado pelos pais ou tutores dos alunos.  

Não seria mais congruente com o carácter secular do Estado deixar o ensino da religião a cenários extracurriculares? Não seria isto também mais eficaz?

- Devemos ter presente que o ensino da religião nas escolas, quer públicas quer privadas, não é sinónimo de catequese. O ensino da religião do ponto de vista histórico, cultural e identitário, e a catequese, que consiste na transmissão da doutrina àqueles que, pela fé, a desejam receber, são duas coisas diferentes. O primeiro não exige que se seja católico, ou mesmo cristão, enquanto o segundo exige a fé da pessoa que recebe a catequese.

Dada esta distinção clara, não é incompatível com o carácter secular do Estado ensinar religião nas escolas, mesmo nas escolas públicas.

Que reacções observou: interesse, surpresa, talvez raiva por "tentar trazer" a igreja para as instituições públicas?

- Pude certamente falar com muitas pessoas: funcionários e ex-funcionários públicos; bispos; religiosos, homens e mulheres e leigos responsáveis por iniciativas educativas públicas e privadas; professores, etc. Pude visitar iniciativas educacionais conjuntas Igreja-Estado, tais como as dos Irmãos De La Salle nas cidades do Panamá e Colón, mesmo em zonas de difícil acesso, tais como a escola dirigida pelos Agostinianos Recoletos em Kankintú, na região indígena Gnöbe Buglé.

As reacções têm sido sempre positivas. Todos, principalmente as autoridades governamentais e membros da sociedade civil, reconhecem o trabalho que a Igreja Católica tem historicamente realizado no campo da educação no Panamá.

Estão também conscientes de que esta relação surgiu através da boa vontade das partes e que, apesar disso, existem muitos obstáculos - principalmente económicos e burocráticos - que têm de enfrentar para cumprir uma função social, que é também um direito humano que implica a educação integral das gerações futuras.

Quais são os desafios do ensino da religião no Panamá?

- Do ponto de vista do Estado, penso que o desafio é precisamente assegurar o cumprimento da Constituição, não só na área da educação religiosa católica, mas também em termos do direito à liberdade religiosa e do direito dos pais a escolherem o tipo de educação para os seus filhos. Até agora não houve conflitos a este respeito, mas isto não significa que não possam ocorrer no futuro, como aconteceu em outros países.

Do ponto de vista da Igreja Católica, eu diria que o principal desafio é assegurar que a religião católica seja realmente ensinada, tanto nas escolas públicas como nas escolas públicas, e que aqueles que a ensinam sejam adequados para a tarefa e sejam acompanhados nessa missão.

É também importante que os pais recebam orientação para que saibam quando uma escola é católica ou de inspiração católica, por oposição a uma que não o é, mesmo que tenha o nome de um santo. 

Que papel desempenha a Igreja na vida pública e política do Panamá? Qual é a relação entre a Igreja e o Estado panamenho?

- Existe uma relação de respeito mútuo, na qual a posição e o papel que cada um, Igreja e Estado, deve desempenhar é reconhecido. Quanto à Igreja Católica do Panamá, sempre gozou de grande reconhecimento social, porque em todos os momentos, mesmo durante os anos mais difíceis da ditadura militar (1968-1989), manteve uma posição conciliadora.

Ao longo da história - também durante a democracia - tem sido o garante, a pedido tanto dos governantes no poder como da sociedade civil, de diálogos frutuosos em busca da paz e do bem comum.

Se Deus quiser, em breve tornar-se-á diácono e mais tarde sacerdote. Acha que esta obra será útil para o seu futuro serviço eclesial? 

- Não sei onde irei parar no ministério sacerdotal, ou se terá alguma coisa a ver com esta investigação; o que sei é que serei ordenado a servir a Igreja onde quer que ela precise que eu a sirva, e como ela quiser e precisar que eu a sirva.

Em qualquer caso, acredito que esta investigação em si já é um serviço à minha Igreja local e está disponível para a Igreja - católica ou não - bem como para a comunidade académica e jurídica em todo o lado.

O autorSalada de Vytautas

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.