Evangelização

São Carlos de Foucauld

Em Maio último o Papa Francisco canonizou São Carlos de Foucauld, um soldado e explorador que acabou por se encontrar com Cristo, deixando para trás uma vida errática para se entregar completamente a Deus.

Pedro Estaún-1 de Dezembro de 2022-Tempo de leitura: 4 acta
Charles de Foucauld

Charles de Foucauld

A 1 de Setembro de 1858, nasceu numa família nobre em Estrasburgo, Charles-Eugéne de Foucauld. Os seus pais morreram, um após outro, em 1864, e Charles e a sua irmã, Marie, foram confiados ao seu avô, o Coronel Morlet, um homem bom mas fraco. Estudou em Paris numa escola jesuíta e começou a preparar-se para uma escola militar. O seu interesse nos estudos era muito fraco. Aos 16 anos de idade perdeu a sua fé. Dois anos mais tarde o seu avô morreu e ele herdou uma grande fortuna, que começou a desperdiçar de forma desastrosa. Entrou na escola de cavalaria Samur em Outubro, onde sairá com a última qualificação: número 87 de 87 alunos. Levou uma vida de folia e indisciplina cheia de excentricidades. No entanto, era um bom desenhador e cultivava-se lendo muito. Em 1879, ele juntou-se a Mimi, uma jovem mulher de má reputação, e viveu com ela. Dois anos mais tarde o seu regimento foi enviado para a Argélia e Charles levou Mimi com ele, passando-a como sua esposa. Quando a sua super-arbítrio foi descoberta, ele foi despromovido e regressou à Europa. Por ocasião de uma revolução na Tunísia, regressou a África e durante oito meses provou ser um excelente oficial, mas, seduzido pelo deserto, deixou o exército e instalou-se na Argélia, onde começou a explorar terrenos que na altura nunca tinham sido visitados por nenhum europeu. Levou o rabino Mordecai como seu companheiro, vestido de hebreu e viajou clandestinamente por Marrocos durante um ano. Tentou ali casar com uma jovem argelina, mas quebrou a relação face à oposição categórica da sua família. 

Regressou a França após dois anos de ausência. Dedicou-se então a recolher o máximo de informação possível sobre Marrocos, sempre de uma forma oculta por medo de ser descoberto pelos árabes. Entre 1887 e 1888 publicou duas obras importantes: "Reconhecimento de Marrocos y "O Itinerário de Marrocosque recebem uma aclamação entusiasta da crítica. Ficou conhecido como um grande explorador pela qualidade e quantidade de informação que recolheu e pelas valiosas observações sociais e consuetudinárias que incluiu nas suas contas. Recebe a medalha de ouro da "Société Française de Géographie" e é assim colocado num mundo de honras.

Impelido por profundas preocupações espirituais, em Outubro de 1886 Carlos foi à igreja de Santo Agostinho em Paris para pedir conselho ao Padre Huevélin, de quem a sua prima Marie Bondy lhe tinha falado. O padre pediu-lhe que se confessasse e comungasse imediatamente, depois eles falariam, e ele aceitou. Passou os anos seguintes na casa da sua família e teve conversas frequentes com o seu confessor. A sua alma ficou cada vez mais cheia de Deus e começou a pensar em tornar-se um religioso. No Natal de 1888, ele foi para a Terra Santa, onde a sua decisão irrevogável de se tornar um monge amadureceu. Regressou a França e decidiu tornar-se trapista. Ele deu todos os seus bens à sua irmã e renunciou definitivamente a toda a glória humana.

Em Janeiro de 1890, partiu para o mosteiro trapista de Notre Dame des Neiges em França e entrou no noviciado com o nome de Frater Marie-Albéric. Seis meses mais tarde partiu para outro mosteiro trapista muito mais pobre, o de Akbès na Síria, uma região muito remota que no final do século XIX só pôde ser alcançada após vários dias de viagem. Lá trabalhou no jardim, fazendo os trabalhos mais humildes até 1896. No entanto, uma voz interior chamou-o a uma solidão ainda mais profunda. Seguindo o conselho do Padre Hevélin, com quem continuou a corresponder, elaborou o seu primeiro plano para uma congregação religiosa "à sua própria maneira". Foi enviado para Roma para prosseguir os seus estudos e lá pediu para ser dispensado dos seus votos. Em 1897, o Prior Geral dos Trapistas libertou-o para seguir a sua vocação. 

Parte novamente para a Terra Santa e começa uma vida como eremita num convento de Clarissas em Nazaré, onde é seu criado e moço de recados, vivendo numa simples cabana perto do claustro. Permaneceu lá durante três anos e tornou-se uma figura querida em Nazaré pela sua espiritualidade e caridade continuada. As Clarissas e o seu confessor exortaram-no a procurar a ordenação sacerdotal. Regressou a França para se preparar e foi ordenado sacerdote a 9 de Junho de 1901. Pouco tempo depois partiu novamente para a Argélia, para o oásis de Beni-Abbès, para ajudar espiritualmente um destacamento militar francês. Construiu um simples eremitério com uma capela. A partir daí alertou os seus amigos e as autoridades francesas para o drama da escravatura. Salvou vários escravos, percorreu a terra dos tuaregues, a região mais solitária do interior, aprendeu a sua língua, ensinou-lhes um catecismo e começou a traduzir o Evangelho, instalando-se numa aldeia a uma altitude de 1500 metros onde construiu uma pequena cabana na qual montou uma capela e uma sala simples. O Padre Foucauld está agora dividido entre os pobres de Beni-Abbès e os de Tamanrasset, a 700 km de distância no deserto. Carlos é o único cristão. Como os fiéis não estavam presentes, ele foi proibido de celebrar a Missa; compensou-a fazendo da sua vida uma Eucaristia. Em 1908, exausto, caiu mortalmente doente. Os Touaregs salvaram-no partilhando com ele o pequeno leite de cabra que tinham naquela época de seca. Entre 1909 e 1913, fez três viagens a França para apresentar o seu projecto do "Petis frères do Sagrado Coração, uma associação leiga para a conversão dos incrédulos. 

Durante a Guerra Mundial, o deserto revela-se um lugar perigoso e ele permanece em Tamanrasset. Para proteger os nativos dos alemães, ele constrói um forte. Continua a trabalhar na sua poesia e nos seus provérbios Touareg. A 1 de Dezembro de 1916, foi capturado e morto por bandidos. Ao morrer estava sozinho... ou quase sozinho. Em França existem 49 membros da Associação do Sagrado Coração de Jesus que ele conseguiu obter a aprovação das autoridades religiosas. A sua morte foi como uma semente. Em 2002, dezanove fraternidades diferentes de leigos, padres, religiosos e religiosas, viviam o Evangelho seguindo a espiritualidade de Charles de Foucauld. A 15 de Maio de 2022, o Papa Francisco canonizou-o.

O autorPedro Estaún

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.