Vocações

No dia em que o nosso filho nos disse: "Eu quero ser padre".

Em 2020 (os últimos dados fornecidos pela CEE) foram ordenados 125 padres em Espanha. 125 histórias de rapazes que se entregam a Deus para sempre. 125 histórias de rapazes que se entregam a Deus para sempre... e 125 famílias nas quais pais, mães, irmãos, irmãos, amigos, também fazem parte da viagem. Como é que as famílias vivem o chamamento de um filho? O que é que temem? Como é que aceitam a vontade de Deus?

Maria José Atienza-11 de Julho de 2022-Tempo de leitura: 6 acta
filho sacerdote

A família Navarro Carmona no dia da ordenação de Juan Carlos.

María Luisa, Manuel, María José, Antonio, Julia... estas são as mães e os pais que viram como Deus se tornou corpo e sangue através das palavras pronunciadas pelos seus filhos na Consagração do Santíssimo Sacramento. Santa Missa. Famílias normais e diversas, de zonas rurais e urbanas, com histórias muito diferentes, com mais ou menos crianças, com mais ou menos vida eclesial... Mas unidas pelo apelo ao qual os seus filhos responderam e no qual participam.

Unidos no altar

Manuel e María José têm dois filhos, um dos quais, Antonio Jesús, é sacerdote no diocese de Cádiz e Ceuta. No seu caso, há uma peculiaridade: Manuel é diácono permanente, partilha parte do ministério com o seu filho, algo que ele vive com grande alegria.

A sua história vocacional está ligada a uma data: 24 de Junho, quando "depois da Eucaristia em que toda a família participou, fomos apresentados pelo nosso pároco ao nosso bispo, Monsenhor Ceballos, para pedir a entrada de Antonio Jesús no seminário e a minha admissão para iniciar o caminho para o diaconado". 

Manuel e António Jesús encontram-se como pai e filho fisicamente, mas também espiritualmente, especialmente nas celebrações em que o diácono permanente assiste o padre.

"O dia da sua primeira missa", recorda Manuel, "foi um momento cheio de significado e de sentimentos. Como diácono, pedi a sua bênção antes de ler o Evangelho, como as normas litúrgicas estabelecem: 'Pai, abençoa-me', ao meu filho. Um momento que nunca esquecerei e que cada vez que celebramos a Eucaristia é repetido e adquire o mesmo valor".

Quando Deus pede o 100% das crianças

A família Navarro Carmona, de Córdova, tem dois filhos, ambos padres diocesanos. A entrada no seminário de António, o mais velho, não os apanhou de surpresa: "vimos o seu processo e vimo-lo ansioso por avançar no seu caminho; e o caminho não foi fácil, diríamos muito difícil. Contudo, viu o lado positivo, reafirmou-se a si próprio e a sua vocação cresceu face aos contratempos".

A decisão de Juan Carlos, porém, demorou um pouco mais: "Pensámos que ele poderia fazer outra coisa. Oferecemos-lhe muitas opções. Lembro-me", diz a sua mãe, Julia, "de termos mencionado a vocação de um médico, curar, salvar vidas... quando terminamos de falar, ele disse: 'Queres que eu faça essa carreira? Eu faço-o. Depois continuarei com o que gosto: "Quero dedicar-me a curar almas e a salvá-las".

Ficámos entusiasmados ao responder: 'A tua vocação é forte, vai em frente'. O seu marido, António, sublinha que o apelo do seu segundo filho parecia, de facto, "demasiado para a nossa família". 

No entanto, não se opuseram violentamente ao apelo dos seus filhos: "Acreditamos na liberdade e no direito das crianças a escolherem a sua vida. Não concordamos com qualquer imposição, nós pais não temos o direito de negar a decisão de Deus.

Talvez devido a este compromisso com a liberdade e responsabilidade pessoal dos jovens, quando perguntados o que dizer àqueles que se opõem à entrada dos seus filhos no seminário, Antonio e Julia são claros: "O nosso conselho é que ouçam os vossos filhos".

Com um futuro promissor como arquitecto, a entrada de António Jesús no seminário foi acompanhada de um grande mal-entendido. Como o seu pai recorda, "houve certos comentários na família, perguntaram-nos porque o deixámos ir ao seminário com aquilo que ele valia... depois de se ter tornado padre, a maior parte da família está feliz. Na sua escola, um colega seu, um dos seus professores, disse-me que lamentava que o tivéssemos deixado ir para o seminário com o valor académico que ele tinha".

Reacções normais daqueles que não partilham ou compreendem a importância do apelo, e às quais estes pais responderam com uma clara analogia: "Quantos pais, embora discordando da escolha feita pelos seus filhos, os defendem dizendo: 'se ele está feliz, isso é que é importante'. Bem, da mesma forma que se pode responder: não só é feliz, mas pela sua dedicação e testemunho, pode fazer muitas pessoas felizes".

Há também mal-entendidos mais ternos, recorda o casal de Cádiz, como a reacção da senhora que cuidava dele desde criança enquanto os seus pais trabalhavam. Quando ele lhe disse que tinha decidido entrar no seminário porque sentia a chamada, Perguntei-lhe: "Antonio, meu belo, mas diz-me, quem é aquele que te está a chamar? 

Um exército de orações

Numa carta dirigida às mães do sacerdotes quando era Prefeito da Congregação para o Clero, o Cardeal Mauro Picenza, salientou que "cada mãe de um padre é misteriosamente uma "filha do seu filho". Para ele pode também exercer uma nova "maternidade", na discreta, mas mais eficaz e inestimável, proximidade de oração e na oferta da sua própria existência para o ministério do seu filho. Eles são um verdadeiro "exército" que, da terra, eleva orações e ofertas ao Céu e que, ainda mais numerosas, do Céu intercede para que toda a graça seja derramada sobre a vida dos sagrados pastores". Palavras que poderiam muito bem ser aplicadas ao grupo de mães de sacerdotes que, todos os meses em Madrid, se reúnem para rezar pelas vocações sacerdotais.

Uma iniciativa de Maria Luisa Bermejo, que nasceu como resultado da ordenação do seu filho Yago, do Prelatura do Opus Dei. Nessa altura, Maria Luísa entrou em contacto com outras mães de sacerdotes e iniciou um grupo de oração pelas vocações sacerdotais: "Falei com um amigo meu que tem um filho que é sacerdote diocesano. Juntos pensámos que poderíamos fazer "algo mais" pelos padres e surgiu a ideia de um dia nos reunirmos para rezar o Terço pelas vocações sacerdotais. Partilhámos esta ideia com alguns seminaristas diocesanos que nos puseram em contacto com as suas mães e a coisa começou", quando as reuniões foram preenchidas com novos membros.

"Falámos com um padre que sugeriu que nos encontrássemos numa igreja para que pudéssemos rezar melhor. Depois o reitor da Igreja do Espírito Santo em Madrid, D. Javier Cremades, deu-nos tudo o que podia. Não só nos permitiu vir uma vez por mês para rezar o terço, como também começou a rezar Missa por nós e a conduzir-nos em oração.

Aquele pequeno grupo de mães de sacerdotes cresceu pouco a pouco: "Éramos quase 70", recorda María Luisa, que assinala que "agora somos menos, mas continuamos com este encontro. Todos os meses um filho de um dos sacerdotes vem rezar uma Missa por nós e conduz-nos em oração. Não só rezamos pelos padres, mas também criámos uma rede impressionante de amizade entre nós".

As mães destes sacerdotes decidiram nomear as suas orações: "decidimos fazer uma espécie de 'amigo invisível de oração'", diz María Luisa, "escrevemos os nomes dos sacerdotes e das suas mães em folhas de papel, cada um levou uma ou duas folhas - não podia ser seu filho - e prometeu rezar por estes sacerdotes todos os dias. Tenho dois deles, muito simpáticos", conclui ela.

filho sacerdote
Manuel, assiste o seu filho Antonio Jesús na Santa Missa como diácono.

Estes pais e mães rezam pelos seus filhos, com "a gratidão de que a sua oração litúrgica é uma oração a 'duas vozes'", como Manuel assinala, mas rezam também por aqueles que encontram dificuldades no seu ambiente para responder ao apelo de Deus, pela sua fidelidade, pela sua perseverança.

Medos e alegrias

Numa sociedade em que a figura do padre está, mais do que nunca, no centro das atenções, estes pais partilham os receios daqueles que têm um filho em cargos públicos. Como Júlia salienta, "eles estão sempre na ribalta: as suas decisões, acções e actos são escrutinados" e há sempre o medo de interpretações erradas, ou mesmo de juízos públicos injustos... mas "as alegrias são imensas e em abundância, uma vez que estas crianças são muito agradáveis. Sabemos que eles estão sempre a apoiar-nos com as suas orações e a sua presença".

Maria José e Manuel expressam-se de forma muito semelhante quando assinalam que "na sociedade actual, só por dizer que se é crente, é garantido que se é criticado e desprezado..... Mais ainda quando o seu filho não só diz que é um crente, mas também, pela sua vida e forma de vestir, proclama que é um padre. Não é raro ver olhares e comentários enquanto ele passa, mas também se deve dizer que outras pessoas se aproximam dele e lhe pedem confissão, conselho, bênção...".

Mas essa mesma manifestação traz consigo muitas anedotas de "encontros fortuitos" com a Igreja, tais como o tempo em que "numa das suas viagens de Madrid - onde estava a estudar Teologia Moral - a Cádiz, o comboio parou no meio do campo e alguns passageiros vieram ter com ele pedindo "pai, reza por nós para sairmos desta situação".

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.