Evangelização

Origens da celebração litúrgica da Assunção

Neste artigo, o teólogo Antonio Ducay resume como surgiu a festa do adormecimento de Maria. O autor é um perito que publicou recentemente um livro sobre o assunto, "A Festa da Dormição de Maria".A Assunção de Maria: História, teologia, schaton"..

Antonio Ducay-15 de Agosto de 2022-Tempo de leitura: 3 acta
assunção maria

Foto: Imagem da Assunção, Cumiana, Turim, Itália. ©Patrizio Righero

O veneração da Virgem Maria existe desde os primeiros dias do cristianismo. Já nos Evangelhos, a figura de Maria, embora tratada com sobriedade, é de grande importância. No 2º cêntimo, Pais da IgrejaEla é considerada pelos escritores, como Justino e Ireneu, como a "nova Eva" que colabora na redenção do mundo, e os escritos apócrifos da época exaltam a sua pureza virginal e apresentam-na com uma dignidade quase angélica. 

As primeiras celebrações marianas

No século III, a oração "Sub tuum praesidium" fala do poder de intercessão que os cristãos atribuíram à Virgem. Sabemos também de uma série de hinos marianos que foram cantados no final do século IV, mesmo antes do Concílio de Éfeso ter proclamado solenemente em 431 que Maria é a Mãe de Deus ("Theotókos").

Jerusalém em meados do século V conheceu apenas uma comemoração litúrgica de Maria. Esta comemoração teve lugar numa igreja localizada a meio caminho entre Jerusalém e Belém. Sabemos isto porque o calendário litúrgico com as festas e comemorações celebradas na Cidade Santa nessa altura foi preservado na língua arménia. Este calendário também inclui as leituras para cada celebração. Uma das suas entradas diz: "15 de Agosto: Mary Theotokos: na segunda milha de Belém". Esta não foi a festa da Assunção que hoje celebramos, nem a festa da Dormição de Maria, que precedeu a Assunção a partir do século VI. Esse dia comemorou o repouso da Mãe de Deus ("Theotókos").

A dormitório

Que tipo de descanso foi este? Na altura, havia uma lenda de que Maria, já grávida, tinha parado para descansar na viagem a Belém. Uma escrita apócrifa muito antiga, o "Protoevangelium of James", conta como, a meio caminho entre Jerusalém e Belém, Maria, perto de dar à luz, se sentiu cansada e saiu do burro para descansar um pouco: o momento do nascimento virginal aproximava-se. Em memória deste episódio lendário, uma piedosa mulher cristã, Hikelia, construiu uma igreja no local por volta de meados do século V, que foi naturalmente chamada a Igreja do Descanso ou "Kathisma" ("assento" ou "assento" em grego antigo). Esta igreja, cujo plano ainda está preservado, tem como centro a rocha sobre a qual se diz ter Maria sentado para descansar. O calendário arménio refere-se a ele. 

Este calendário diz-nos, portanto, que na igreja do "Kathisma" havia um memorial mariano de Maria, Mãe de Deus. As leituras daquele dia continham a bem conhecida profecia de Isaías sobre a Virgem concebendo e dando à luz Emmanuel ("Deus connosco") e o texto em que São Paulo diz aos Gálatas que "quando a plenitude dos tempos tinha chegado, Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher". Era, portanto, uma recordação em que tudo estava ligado ao nascimento de Jesus e ao nascimento virginal de Maria. 

A Festa da Assunção da Virgem Maria

Mas então, como viemos celebrar no dia 15 de Agosto uma festa que não comemora o nascimento de Jesus de uma mãe virgem, mas a sua Assunção no céu? Um calendário posterior (provavelmente do final do século V ou VI), semelhante ao arménio mas preservado na língua georgiana, relata uma prática diferente. Nela, a comemoração mariana celebrada na Igreja de Repose ainda está presente, mas já não está a 15 de Agosto: foi antecipada para o dia 13 do mesmo mês. No entanto, a 15 de Agosto, este calendário indica uma nova comemoração mariana, desta vez realizada na igreja do Getsémani, perto do jardim onde Jesus tinha rezado antes da sua paixão. 

Alguns dos apócrifos colocaram ali o lugar onde o corpo de Maria tinha sido colocado após a sua morte, antes do Senhor o ter transferido para o céu. De acordo com estes escritos, esta igreja continha o túmulo vazio de Maria. As leituras e hinos deste calendário georgiano mostram que já é uma comemoração da Dormição e da transferência da Virgem para o céu. 

Um festival universal

Deus não tinha permitido que o corpo da sua Mãe permanecesse no túmulo. Na igreja do Getsémani, no final do século V, os cristãos celebraram esta bela graça. No século seguinte, a ampla difusão destes escritos apócrifos sobre a Dormição e Glorificação de Maria favoreceu a difusão desta comemoração mariana do Getsémani. Assim começou a ser celebrado também noutros lugares, ao ponto de, no final do século VI, o imperador Maurice ter decretado que deveria ser celebrado como uma festa em todo o império. 

Roma estabeleceu-o meio século depois (século VII), chamando-lhe a Festa da Assunção de Maria no Céu. A festa mariana de 15 de Agosto iria em breve tornar-se a mais solene e popular das festas marianas de Roma.  

O autorAntonio Ducay

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.