Evangelização

Irmã Roberta TremarelliAs missões tiram-nos do individualismo para vivermos plenamente a nossa condição de pessoas baptizadas".

A Irmã Roberta Tremarelli, SSMC, Secretária Geral da Infância Missionária em Roma afirma que "o mundo missionário de hoje mostra a universalidade da Igreja, a abertura e o acolhimento, a circularidade da solidariedade na oração e na caridade".

Giovanni Tridente-22 de Julho de 2022-Tempo de leitura: 6 acta
missões roberta tremarelli

Foto: Irmã Roberta Tremarelli ©OMP Espanha

Nesta entrevista com Omnes, a Irmã Roberta Tremarelli, SSMC, Secretária-Geral da Obra da Santa Infância em Roma, fala do passado e do presente de uma organização cujas missões estão centradas nas crianças, um aviso a todas as pessoas baptizadas.

Irmã Roberta, na vasta gama de obras missionárias da Igreja há uma que talvez não seja bem conhecida, mas que tem raízes muito interessantes que remontam à evangelização da China já em meados do século XIX, a Obra da Santa Infância. Como surgiu este grande projecto de evangelização?

- O momento propício para a fundação da Obra da Sagrada Infância foi o do Papa Gregório XVI, antigo Prefeito da Congregação da Propaganda Fide, durante cujo papado nasceram muitas congregações sacerdotais e congregações missionárias ad gentes, bem como numerosas associações leigas, entre as quais a Obra para a Propagação da Fé da Sagrada Infância. Pauline Jaricot.

A Obra da Sagrada Infância nasceu em França a 19 de Maio de 1843, após um longo período de reflexão durante o qual o fundador, Charles de Forbin-Janson, estava preocupado e interessado na salvação das crianças chinesas destinadas, por causa da pobreza e da ignorância, a morrer sem serem baptizadas.

O desejo do fundador era ir como missionário à China, mas ele nunca teve a oportunidade. E assim continuou a alimentar a sua paixão missionária através dos testemunhos e cartas que recebeu de missionários franceses que tinham ido à China.

Que notícias vinham a chegar?

- Graças a eles, tomou conhecimento das condições das crianças de famílias pobres ou desfavorecidas. Os bebés, assim que nasceram, foram eliminados, especialmente se eram raparigas e se tinham algum defeito. Os missionários pediram ajuda para os salvar, para os acolher nas missões onde foram baptizados e educados como cristãos. O bispo levou o problema a sério e começou a sensibilizar a população.

Podemos imaginar que não foi uma coisa fácil de fazer....

- Desde o início, Forbin-Janson teve muitas dificuldades em conseguir que a ideia de criar uma nova Obra Missionária fosse aceite, porque havia numerosas fundações de Institutos Missionários em curso em França, e Forbin-Janson podia parecer estar em competição.

Os próprios membros da Obra para a Propagação da Fé opuseram-se seriamente à proposta do bispo. Mas a novidade de a instituição ir directamente às crianças para as crianças superou toda a perplexidade. Como a China parecia demasiado longe para os adultos, o bispo chamou a atenção das crianças para a situação das crianças chinesas e pediu-lhes a sua vontade de ajudar a Igreja a salvar os pequenos que morrem sem serem baptizados com dois compromissos simples: uma Ave Maria por dia e um cêntimo por mês. As crianças concordaram e, através da oração, do sacrifício e de gestos de solidariedade, começaram uma raça de fraternidade universal que continua até hoje para salvar as crianças em todos os continentes.

Quais eram os objectivos deste trabalho?

- Os objectivos da Obra foram imediatamente claros tanto para o Fundador como para os seus colaboradores: resgatar uma multidão de crianças da morte e abrir o céu ao maior número possível de crianças através do Baptismo; fazer destas crianças um instrumento de salvação como professores, catequistas, médicos, sacerdotes, missionários. A obra missionária das crianças não era uma rua de sentido único; as orações, sacrifícios e vontade das crianças europeias eram correspondidas pelas orações, sacrifícios, alegria e por vezes testemunho de martírio das crianças chinesas.

E qual é o elemento característico?

- O elemento característico é a participação activa das crianças e jovens na obra evangelizadora da Igreja. O Fundador dá às crianças o papel de protagonistas missionários na história da salvação.

Pela primeira vez, os pequenos estavam activos na Igreja como agentes pastorais e depressa se tornaram parte da corrente universal de solidariedade: uma verdadeira cooperação espiritual e material entre as Igrejas, realizada pelas crianças, para santificação e salvação, foi posta em marcha.

Como é que se espalha no mundo actual?

- Hoje em dia, a Obra da Sagrada Infância ou Infância Missionária está espalhada por mais de 120 países do mundo e o lema inicial "crianças ajudando crianças" tem sido enriquecido "crianças evangelizando crianças, crianças orando por crianças, crianças ajudando crianças de todo o mundo".

Fiel ao carisma inicial e ao desejo do fundador, continua a ter como objectivo ajudar as crianças a desenvolver um espírito missionário e uma liderança missionária, encorajá-las a partilhar a sua fé e os seus meios materiais, e a promover, encorajar e apoiar as vocações missionárias ad gentes. É um instrumento de crescimento na fé, também numa perspectiva vocacional. Está organizado de forma diferente, de acordo com o contexto local. Oração, oferta e sacrifício são as três palavras-chave de toda a Obra Missionária Pontifícia e também da Sagrada Infância, à qual se acrescenta o testemunho, essencial à fé cristã.

A 3 de Maio de 1922, o Papa Pio XI, consciente da grande contribuição que a Obra tinha dado às missões em cerca de oitenta anos, tornou-a sua, reconhecendo-a como Pontifícia. A 4 de Dezembro de 1950, o Papa Pio XII instituiu o Dia Mundial da Criança, declarando o dia da Epifania como a data da celebração, mas dando a cada nação a liberdade de adaptar a data às necessidades locais.

O senhor é o seu Secretário-Geral em 2017. Como mudou nos últimos anos o mundo das missões em geral e dos cuidados infantis em particular, que se têm caracterizado por mais do que algumas "emergências"?

- Creio que hoje em dia cada vez mais tentativas estão a ser feitas para promover a consciência e a responsabilidade missionária desde tenra idade.

Há ainda aqueles que, ao falar de missão e missionários, pensam no padre de barba longa que deixa o seu país e vai para longe para proclamar o Evangelho e ajudar outros povos e nunca mais regressa.

Há ainda muitos missionários ad gentes, como tenho relatado, mas há também muitas realidades missionárias empenhadas na proclamação missionária e na cooperação no seu contexto local, para encorajar os cristãos a viverem de acordo com a natureza missionária que flui do Baptismo.

Entre outras coisas, já não há países que recebem e outros que dão, não só ajuda financeira mas também uma presença humana prioritária. O mundo missionário de hoje, se o olharmos atentamente, mostra-nos a universalidade da Igreja, a abertura e o acolhimento, a circularidade da solidariedade na oração e na caridade. Elementos que ainda não internalizámos realmente para os vivermos em plenitude e profundidade.

Além disso, há muitos sacerdotes e leigos fidei donum em missão, não só dos países da Europa, mas de todos os continentes; dioceses que organizam experiências missionárias no estrangeiro para jovens.

Cada proposta deve contribuir para abrir os nossos corações, mentes e olhos, ajudando-nos a sair do nosso recinto limitado. Esperemos que sim.

A 22 de Maio, Pauline Jaricot, fundadora da Obra para a Propagação da Fé, foi beatificada em Lyon. Uma leiga fiel que põe toda a sua vida ao serviço das missões, que ensinamentos é que o novo Beato transmite aos leigos de hoje?

- Pauline Jaricot era uma mulher apaixonada por Jesus e pelas missões, atenta às necessidades dos outros, à realidade social do mundo à sua volta, e disponível para o Espírito Santo através de uma oração fiel e perseverante. Vivia com os pés no chão e o seu coração voltado para Deus. Muitos descrevem-na como uma mística em acção. Ela desejava amar a Deus e torná-lo amado por todos os homens e mulheres. Ela alimentou a sua paixão e o seu compromisso missionário na Eucaristia e com sacrifício.

A sua vida é um convite a todos os homens e mulheres leigos para cultivar uma relação com o Senhor, a fim de servir a Igreja e na Igreja. A sua criatividade no apoio às missões incita-nos a tirar partido dos instrumentos de que dispomos, mas também a ir mais longe ao propor os elevados valores do Evangelho sem medo de ficarmos sozinhos. Pauline morreu pobre e sozinha, mas no seu coração ela teve a alegria que só Deus pode dar.

Este ano marca também o 400º aniversário da Congregação De Propaganda Fide, agora o Dicastério da Evangelização. Como podemos tornar a "paixão" e o empenho pela evangelização cativantes no nosso mundo individualizado e algo "aborrecido"?

- Eu diria que a resposta já está na pergunta: paixão e empenho missionário ajudam a sair do individualismo e egoísmo, a descobrir que pertencemos a um mundo.

Assim, convido todos os entusiastas da missão a reintroduzir, com fervor, animação missionária e informação missionária, bem feita e com respeito pela dignidade. A paixão é animada por estes dois, apoiada pelo testemunho de vida de quem os realiza, utilizando uma linguagem inclusiva e acolhedora.

Cabe a cada uma de nós, mulheres consagradas, sacerdotes, leigos, sair, como diz o Papa Francisco, não tanto para nos darmos a conhecer e promover as nossas limitadas iniciativas, mas para proclamar a salvação de Cristo.

Em que projectos está actualmente envolvido como Trabalho Missionário Infantil?

- Os projectos apoiados pelo Fundo de Solidariedade Universal (o grande mealheiro alimentado por crianças e jovens missionários em todo o mundo) da Obra da Sagrada Infância são vários e a favor de igrejas particulares em África, Ásia, Oceânia e algumas na América Latina, os chamados "territórios de missão". No ano passado, foram aprovados mais de 15 milhões de dólares em subvenções para crianças e jovens até aos 14 anos de idade, divididos entre as seguintes categorias de projectos:

- Cuidados pastorais ordinários, 16%.

- Formação e animação missionária, 16%.

- Educação Escolar, 45%.

- Protecção da Vida, 23%.

Gostaria de fazer um apelo aos nossos leitores?

-Sim, é claro! Mais do que um apelo, um convite para visitar o website das Sociedades Pontifícias de Missão, Secretariados Internacionais, www.ppoomm.va para descobrir e aprofundar a realidade da TPM, que cada cristão deve conhecer e promover, a fim de alimentar a sua espiritualidade missionária.

Além disso, para aqueles que trabalham com crianças e jovens para partilhar o carisma da Obra da Sagrada Infância e as várias propostas, a nível nacional e internacional, para os envolver nesta rede mundial de oração e caridade ao serviço do Papa.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.