Evangelização

Nolan Smith: "Eu amo a minha fé. Eu quero fazer parte da igreja, participar nas suas actividades".

Nolan Smith fazia parte do grupo de pessoas que deu voz à comunidade de pessoas com uma variedade de deficiências na Igreja através do documento A Igreja é a nossa casa. Este jovem com síndrome de Down mostra, juntamente com a sua família, o desafio da plena integração de pessoas com deficiências diversas no seio da Igreja. 

Maria José Atienza-27 de Dezembro de 2022-Tempo de leitura: 5 acta

Aos 22 anos de idade, Nolan Smith vive em Lawrence, Kansas e está actualmente no Transição da Universidade para o Programa de Educação Pós-Secundária do Kansas e está a estudar a Educação Infantil. Desde que nasceu, partilhou a vida de fé na sua casa. A sua participação na vida paroquial abriu também novos caminhos na sua comunidade.

Nolan participou na elaboração do documento. A Igreja é a nossa casa. Juntamente com o seu pai, Sean Joseph, deu uma entrevista à Omnes para falar sobre a sua experiência. Uma experiência que realça a riqueza que estas pessoas trazem à comunidade, a sua vontade de oferecer os seus talentos e o apoio da sua família na vida de fé. 

Nolan, como viveste a tua fé em casa, na tua família, com os teus amigos?

-Vivei a minha fé em casa de muitas maneiras. Primeiro, como uma família, rezamos. Rezámos à hora das refeições e também à noite. Ajudámos também a comunidade e a paróquia como uma família. Os meus pais dizem que fazer isto ajuda os outros e é o que Deus quereria. Eu tento ser uma boa pessoa. Procuro partilhar com outros. Quero ter a certeza de que os meus amigos sabem que são especiais. Preocupo-me com eles e quero fazê-los felizes. Se os posso ajudar de alguma forma, ajudo. Também rezei com a minha avó. Viveu por perto durante os últimos quatro anos da sua vida. Todas as noites eu ia a sua casa, o meu pai trazia-nos o jantar e ambos comíamos. Depois tocávamos música e também rezávamos o terço.

Sean, como pai de Nolan, qual é a sua perspectiva sobre esta experiência?

-Nolan é um dos nossos quatro filhos. Ele, tal como os seus irmãos, participou na educação religiosa, sacramentos, orações em casa e educação através da Igreja. Como uma família, assistimos à missa. Foram convidados a ajudar com a Igreja em vários eventos, incluindo actividades paroquiais. 

Os nossos filhos mais novos frequentaram a escola paroquial. Nolan e a sua irmã mais velha não o fizeram porque Nolan não estava autorizado a comparecer. Agora, eles aceitam e educam as crianças com síndrome de Down.

É agora um jovem, Nolan, como participa na sua comunidade paroquial? 

-Ajudei a minha igreja de várias maneiras. Servi como acólito, ajudei no ensino de educação religiosa com o meu pai, e neste momento sirvo como lector. Também ajudei no concurso de Natal das crianças e também decorei a igreja no Natal e na Páscoa.

 Tem tido dificuldade ou facilidade em viver a sua fé?

-Eu amo a minha fé. A minha avó era muito especial para mim e ela também me ajudou a conhecer Deus. Tenho saudades dela, mas sinto que ela me ajudou a viver a minha fé. Ir à igreja e aprender sobre Deus tem sido parte do que fazemos como uma família. Por isso, é bastante fácil viver a minha fé.

Foi um dos participantes na reunião do Dicastery que conduziu ao documento. A Igreja é a nossa casaComo foi a sua participação na reunião?

-Foi bom. Tive a oportunidade de me apresentar e ouvir os outros: quem eram e de onde vinham. A primeira reunião de zoom foi uma reunião de "conhecer-o-se". Gostei de ouvir o tradutor e fiquei surpreendido por ver todas as línguas faladas. Foi-nos dada a tarefa de completar um folheto. O meu pai e eu pousamos o que pensávamos sobre a Igreja, o que vimos sobre a visão da Igreja para as pessoas com deficiência e afins. Depois deram-nos um resumo do que tinham aprendido. 

O que se pede à Igreja?

-Eu quero fazer parte da Igreja. Fazer parte é poder assistir à missa. Mas também para participar em actividades eclesiásticas, eventos sociais, aprendizagem e outros eventos. Antes da pandemia, costumava ir a um evento organizado por um padre aos domingos após a missa. Eu iria com a minha avó e tomaríamos refrescos e ouviríamos o padre falar sobre as leituras e outras coisas da igreja. Fiz parte deste grupo e isso foi importante. Coisas como essa são importantes para mim.

Pensa que há uma mudança de mentalidade no seio da Igreja no cuidado pastoral das pessoas com deficiência? 

-[Nolan] Não sei. Eu sei que faço parte da minha paróquia. Tenho sido capaz de fazer tudo o que tenho querido fazer. Tenho podido participar como os meus irmãos. O meu pai diz que a escola católica não me aceitou, mas agora estão a ensinar crianças com síndrome de Down. Portanto, isso é bom.

-[Sean Joseph] Penso que a Igreja tem sido mais lenta do que a sociedade. Faço parte da nossa comissão de deficientes. O foco actual por parte da paróquia e da arquidiocese é o acesso. Acesso no sentido de que temos de proporcionar o acesso básico à Igreja e aos sacramentos. A sociedade falava de acesso e acesso básico há 40 anos atrás. Hoje em dia, a sociedade fala e facilita a inclusão significativa. Inclusão onde as pessoas com deficiência fazem parte da comunidade, são incluídas em actividades típicas (por exemplo, servir no altar, ser leitor, escola paroquial) e são membros contribuintes da sociedade. Infelizmente, por vezes a Igreja fala apenas de como construímos rampas nos edifícios, de como fornecemos suportes áudio para pessoas surdas. Não falam sobre as necessidades das pessoas com deficiência intelectual ou autismo. Eles não se concentram nas deficiências de desenvolvimento, nas quais a sociedade está muito concentrada. 

Infelizmente, eu diria que eles estão a olhar para as coisas de uma perspectiva do século XX, quando nos encontramos na terceira década do século XXI.

Em A Igreja a nossa casa Sublinha que as pessoas com deficiência são também chamadas a dar. O que é que elas trazem à comunidade eclesial?

-[Nolan] Bem, antes de mais, sou uma pessoa. Portanto, esta ideia de que sou uma pessoa carenciada é um problema. Se a Igreja for aberta e forem oferecidas acomodações razoáveis, eu posso fazer parte da Igreja. 

Não me trate como alguém que é diferente e alguém que precisa de ter pena de mim ou de ser necessário. Quando o fazemos, tratamos as pessoas com deficiência de forma diferente. Tenho três irmãos. Não me trate de forma diferente dos meus irmãos só porque tenho uma deficiência. 

A Igreja tem de aprender com o que a sociedade aprendeu. Posso contribuir como qualquer outra pessoa. Tenho sido um acólito. Agora sou um lector. Posso participar no coro. Ajudei a ensinar a escola dominical. Basta dar-me uma oportunidade e alguns adereços (quando necessário) e eu farei parte.

Se me tratam de forma diferente porque tenho síndrome de Down ou me impedem de ajudar porque tenho síndrome de Down, isso é errado.

- [Sean Joseph] Nolan faz parte da paróquia. É um membro e um membro activo. Agora, eu diria que isto se deveu inicialmente à minha expectativa e apoio. Por exemplo, ajudei-o a ser treinado como acólito e também facilitei a sua participação nesse processo. O seu irmão também o ajudou quando eles estavam juntos no altar. Estou também encarregue dos conferencistas e, portanto, treinei-o. 

A comunidade paroquial, quando participou nestas actividades, tem sido muito bem recebida. Têm sido muito solidários e têm apoiado a sua participação em toda a paróquia. Eles vêem isto como típico de Nolan. 

No entanto, vi que outras pessoas com deficiência não estão assim incluídas. Então a paróquia tem trabalho a fazer. Porquê? Porque as pessoas com deficiência podem e devem participar em condições de igualdade com a comunidade eclesiástica. 

Somos todos filhos de Deus e quando os tratamos como tal (por exemplo, oferecemos apoio, criamos uma estrutura e um clima de inclusão, vemos todos primeiro como uma pessoa, não como uma deficiência e depois como uma pessoa), podemos facilmente incluí-los na nossa Igreja.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.