Evangelização

Vinte anos de Consagração do mundo à Misericórdia Divina

A Consagração do mundo à Misericórdia Divina por João Paulo II há duas décadas aumentou fortemente a devoção promovida por Santa Faustina Kowalska.

Bárbara Stefańska-18 de Agosto de 2022-Tempo de leitura: 3 acta

Foto: Santuário da Misericórdia Divina. ©Aleksandr Petukhov

"Deus, Pai misericordioso [...] a Ti confiamos hoje o destino do mundo e de cada homem" - disse João Paulo II há 20 anos em Cracóvia. Este evento teve uma dimensão global. E não perdeu a sua relevância.
O actual Santuário do Misericórdia Divina em Cracóvia-Łagiewniki é o local onde ele viveu e morreu. Irmã Faustina Kowalska durante os últimos anos da sua vida. Os seus restos mortais estão ali enterrados. Através desta simples freira, o Senhor Jesus recordou ao mundo a sua misericórdia.

Uma mensagem oportuna

Em Agosto de 2002, o Papa João Paulo II veio à Polónia pela última vez. Um dos principais objectivos da sua viagem foi a consagração de um novo santuário, uma vez que a velha e pequena igreja já não era suficiente para a multidão de peregrinos que ali afluíam. A 17 de Agosto, uma multidão de fiéis reuniu-se no santuário e no amplo terreno do santuário.

"Quanto o mundo de hoje precisa da misericórdia de Deus! Em todos os continentes, um grito de misericórdia parece emergir das profundezas do sofrimento humano. Onde há ódio, desejo de vingança, onde a guerra traz dor e morte aos inocentes, é necessária a graça da misericórdia que acalma as mentes e corações humanos e gera paz. Onde há desrespeito pela vida e dignidade humanas, é necessário o amor misericordioso de Deus, à luz do qual o valor indizível de cada ser humano é revelado. A misericórdia é necessária para que toda a injustiça no mundo possa encontrar o seu fim no esplendor da verdade", disse o Papa doente na altura. Como estas palavras são relevantes hoje em dia!

"É por isso que hoje, neste Santuário, desejo fazer um acto solene de confiar o mundo à misericórdia de Deus. Faço-o com o desejo ardente de que a mensagem do amor misericordioso de Deus, aqui proclamada através da Irmã Faustina, possa chegar a todos os habitantes da terra e encher os seus corações de esperança. Que esta mensagem se difunda deste lugar para a nossa amada pátria e para o mundo inteiro", com estas palavras João Paulo II expressou o propósito de consagrar o mundo à misericórdia de Deus.

Palavras enigmáticas

Recordou também as misteriosas palavras do Diário de S. Faustina, nas quais ela assinala que da Polónia deve vir "a centelha que preparará o mundo para a vinda final de Cristo" (cf. Diário, 1732). João Paulo II também nos deixou a todos uma tarefa: "Esta centelha da graça de Deus deve ser acesa. É necessário transmitir o fogo da misericórdia para o mundo. Na misericórdia de Deus, o mundo encontrará a paz e o homem encontrará a felicidade. Confio esta tarefa a vós, queridos irmãos e irmãs, à Igreja em Cracóvia e na Polónia, e a todos aqueles dedicados à misericórdia de Deus que aqui vêm da Polónia e de todo o mundo. Ser testemunhas de misericórdia.

O Papa da misericórdia

A difusão do culto da Misericórdia Divina é um dos frutos do pontificado do Papa polaco. Foi, por assim dizer, uma extensão do trabalho que ele tinha iniciado como Metropolita de Cracóvia. Nessa altura, encomendou uma análise do "Diário" para efeitos do processo de beatificação da Irmã Faustina. Isto exigiu uma análise diligente porque a Santa Sé tinha proibido a difusão do culto da Divina Misericórdia de acordo com as formas transmitidas pela Irmã Faustina em 1959. A proibição foi levantada em 1978, mesmo antes da eleição de um papa polaco.

O Cardeal Wojtyla encerrou o processo na fase diocesana. Como Papa, João Paulo II declarou abençoada a Irmã Faustina e depois uma santa. No dia da sua canonização, em Abril de 2000, estabeleceu a festa da Misericórdia Divina para toda a Igreja, marcada para o primeiro domingo após a Páscoa. Anteriormente, esta festa já tinha sido celebrada na Polónia. João Paulo II também contribuiu para a difusão da devoção à misericórdia de Deus ao publicar a encíclica Mergulhos em misericórdias em 1980.

A rendição do mundo à misericórdia de Deus em 2002 foi, por assim dizer, o toque final para recordar esta mensagem à Igreja e a todas as pessoas. Não é por acaso que João Paulo II morreu no sábado, véspera da festa da Divina Misericórdia.

O autorBárbara Stefańska

Jornalista e secretário editorial da revista semanal ".Idziemy"

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.