Família

Obianuju EkeochaLer mais : "É melhor dar livros às crianças do que contraceptivos". 

Obianuju Ekeocha é presidente de Cultura da Vida ÁfricaA organização promove uma autêntica cultura de vida em África e em todo o mundo. Na sua famosa carta a Melinda Gates enfatizou o que o continente africano e especialmente as mulheres africanas realmente precisam: mais educação e menos políticas contraceptivas que ela sublinha "nunca foram pedidas".

Maria José Atienza-28 de Julho de 2022-Tempo de leitura: 7 acta
Obianuju Ekeocha

Obianuju Ekeocha ©CNS foto/cortesia do Obianuju Ekeocha

Natural da Nigéria, Obianuju tem estado envolvido em debates sociais e políticos relacionados com a dignidade da vida dentro da cultura africana. Tem também aconselhado legisladores em África, Europa e América do Norte. A sua defesa da vida levou-a a falar em locais como a Casa Branca, o Parlamento Europeu e a Universidade de Georgetown em Washington.

Nesta entrevista com Omnes, Obianuju Ekeocha assinala que as políticas contraceptivas impostas em África equivalem, na prática, a um novo colonialismo em que "cada aspecto deste modelo é controlado e determinado pelo doador ocidental rico".

Fala de novo colonialismo em relação às políticas contraceptivas que estão a ser implementadas em África, pagas por empresas ou governos ocidentais. Por que usa este termo? Qual é o verdadeiro objectivo destas políticas que impedem o nascimento de tantas pessoas? 

- O termo "Neocolonialismo" aponta para a realidade actual dos mecanismos de ajuda humanitária que são completamente controlados pelas nações e organizações doadoras. 

É bem conhecido que a maioria dos países africanos, devido à privação socioeconómica, são há décadas beneficiários dos Fundos de Ajuda Humanitária e de Ajuda ao Desenvolvimento. Isto criou espaço para as organizações doadoras ocidentais se inserirem como actores e parceiros no apoio e desenvolvimento em África. 

O problema é que, nos últimos anos, os doadores de África têm vindo com uma agenda clara e estabelecida sobre ideologia e pontos de vista e valores culturais. 

Um dos primeiros grandes empurrões foi para a contracepção. 

Apesar do facto de as comunidades africanas estarem a pedir ajuda principalmente para necessidades básicas como alimentação, água potável e acesso à educação, os doadores ocidentais em África começaram a impor enormes quantidades de contraceptivos no continente.

Isto significou um redireccionamento de fundos e possivelmente o desfinanciamento de outros projectos, a fim de assegurar que a contracepção e, na verdade, os programas populacionais sejam bem financiados. 

Refiro-me a isto como neocolonialismo porque todos os aspectos deste modelo são controlados e determinados pelo rico doador ocidental. 

Quanto ao objectivo destas políticas de inundação das comunidades africanas com contraceptivos, creio que é uma combinação de uma tentativa (por parte das potências ocidentais) de controlar as populações africanas, bem como uma tentativa de introduzir uma visão muito mais "libertada" da sexualidade humana. Uma espécie de libertinagem sexual que corrói o decoro sexual em todos os estratos das sociedades africanas. 

Hoje somos confrontados com leis terríveis que encorajam a morte. Os Estados Unidos acabam de revogar a Sentença Roe v. Wade. Para aqueles que não sabem o que está por detrás desta mudança na legislação, o que significa a revogação desta regra e o que significa para a promoção de uma cultura de vida nos Estados Unidos e em todo o mundo?

- Para explicar brevemente, Roe v Wade é a decisão do Supremo Tribunal dos EUA de 1973 que legalizou essencialmente o aborto em todos os 50 estados da América. 

Desde essa decisão, mais de 60 milhões de bebés prematuros foram mortos pelo aborto nos Estados Unidos, causando uma mudança significativa na sociedade por causa dos milhões de mulheres, homens e também famílias que foram afectados. 

Durante quase 50 anos, Roe v Wade nunca tinha sido firmemente contestado até 1 de Dezembro de 2021, quando um novo caso foi apresentado ao Supremo Tribunal dos EUA: Dobbs v Jackson Women's Health Organization, um caso que levou com sucesso à anulação da decisão de 1973 Roe v Wade. 

Este resultado ajuda sem dúvida a promover uma verdadeira Cultura da Vida, uma vez que reforça ainda mais os esforços pró-vida para satisfazer e ajudar as necessidades das mulheres em crise. Também lança as bases para a exposição das muitas facetas inescrupulosas da indústria do aborto, tais como a facilitação do abuso, abuso e exploração sexual infantil não denunciado, a colheita e venda antiética de órgãos fetais a empresas de investigação biológica, abortos ilegais tardios e todo o tipo de exploração gananciosa dentro da indústria do aborto.

O derrube de Roe v Wade marca o início do fim do aborto como a conhecemos nos Estados Unidos e em todo o mundo. 

Na sua famosa carta a Melinda Gates em 2012, indicou o que era necessário em África: cuidados pré e pós-natais, programas de alimentação, etc., e não contraceptivos. Estas necessidades mudaram em África? São maiores ou menores?

- Faz agora 10 anos que escrevi a minha carta aberta a Melinda Gates e, olhando para trás ao longo de todos estes anos, muito mudou no mundo. Mas o que não mudou, ou tornou-se mesmo consideravelmente mais desesperado, é a necessidade de necessidades humanas básicas em toda a África.

As mulheres ainda precisam de cuidados pré e pós-natais, uma vez que a África continua a ser o continente com as mais altas taxas de mortalidade materna. Continuamos a ser a região com menos acesso a água potável, continuamos a ser a região com as mais baixas taxas de matrícula escolar. 

Assim, mais do que nunca, mais do que em 2012, precisamos de uma verdadeira ajuda ao desenvolvimento em vez de contraceptivos e educação sexual gráfica não solicitada. 

A partir de Cultura da Vida ÁfricaDenuncia que a cultura da morte está a começar a corroer valores tradicionais e muito importantes em África, tais como a família, a chegada das crianças ou o cuidado com a vida. Como é que as novas gerações percebem estes valores?

- Como na maioria das partes do mundo, culturas, costumes, tradições, até mesmo língua, património, pontos de vista e valores são transmitidos de uma geração para a outra. São as gerações mais velhas que tentam ensinar e inculcar as lições mais importantes para as gerações mais novas. As nações africanas dependem disto há séculos.

O problema no nosso mundo moderno de hoje é que o mundo se tornou muito mais pequeno, especialmente para os jovens, sob a poderosa influência dos meios de comunicação social.

Primeiro, meios de entretenimento que foram fortemente influenciados pelo Ocidente - filmes, música, notícias por cabo das mais ricas redes de televisão ocidentais. Os jovens africanos começaram a consumir muito mais visões ocidentais do que as valiosas lições dos seus mais velhos. Isto foi exponencialmente acentuado com a introdução das redes sociais.

Centenas de milhões de jovens africanos estão viciados em meios de comunicação social, tal como os jovens de todo o mundo, e a realidade é que os meios de comunicação social se tornaram um mecanismo de distribuição de conteúdo ideológico direccionado e curado directamente nas mãos, corações e mentes de jovens impressionáveis. A juventude africana não tem sido poupada.

A imundície está a chegar-lhes e a sobrepor-se à sua capacidade (em muitos casos) de aprender as lições, opiniões e valores que foram transmitidos pelas gerações mais velhas. 

Obianuju Ekeocha
Obianuju Ekeocha fala na Universidade de Georgetown ©CNS foto/Jaclyn Lippelmann, Catholic Standard

É um nigeriano, um cientista biomédico que vive no Reino Unido, conhece "ambos os lados" do planeta. Como responde àqueles que falam de "falta de recursos", ou de "avanços no direito de decidir" e insistem em políticas anti-vida em África?

- O problema mais gritante de África não é realmente "falta de recursos", mas sim corrupção profundamente enraizada e falta de transparência da classe dominante. De facto, as nações africanas podem gabar-se de ricas reservas de matérias-primas, metais preciosos, petróleo e, sobretudo, recursos humanos, uma vez que a nossa população é predominantemente jovem. 

O que precisamos neste momento crítico não é do direito de matar os nossos bebés por nascer, mas de uma revisão muito séria dos nossos sistemas socioeconómicos e da educação das nossas populações para os formar em cidadãos que compreendam o seu próprio valor e dignidade, a ponto de exigir uma melhor governação aos seus líderes. Precisamos de populações que compreendam como subir ao mais alto nível para fazer ouvir a sua própria voz aos seus níveis local e nacional. Precisamos de uma população muito mais robusta, saudável e capacitada que se orgulhe dos países, culturas, património e valores africanos. 

Como podemos apoiar, a partir de cada um dos nossos lugares, a cultura da vida, nos nossos lugares e em África?

- O primeiro passo na construção de um cultura de vida em qualquer parte do mundo é ter o conhecimento e a compreensão das lutas culturais e ideológicas que estão a ter lugar em todo o mundo, a começar pelo Ocidente. Há muitos que nem sequer reconhecem que existe um conflito real sobre verdades básicas como a santidade da vida humana, o direito à vida de cada ser humano, incluindo os que se encontram no útero, uma feroz batalha pela compreensão da sexualidade humana, a realidade biológica do sexo, os direitos dos pais, os papéis dos pais, a importância do casamento e da família e a necessidade de salvaguardar os filhos em todas as sociedades. 

Cada um deles representa um ponto de vigilância para aqueles que querem construir uma verdadeira cultura de vida. 

Para apoiar África e mesmo a própria sociedade, devemos fazer um esforço consciente para procurar as boas organizações que estão a fazer o trabalho. Ajudar essas organizações, porque na realidade, as organizações pró-vida e pró-família (por exemplo) são as organizações mais reprimidas e as menos reprimidas que existem, cujos opositores em muitos casos são organizações gigantescas financiadas pelo governo. Mais pessoas precisam de apoiar organizações que ousem desafiar os novos movimentos culturais e ideológicos "progressistas". 

As pessoas nos países ocidentais deveriam também opor-se aos projectos internacionais dos seus governos que são obviamente ideológicos. Insistir que o seu governo ouça mais as necessidades das pessoas que estão a tentar ajudar. É melhor dar água limpa a uma comunidade desfavorecida do que muitos contraceptivos que nem sequer podem ser utilizados (porque nunca foram pedidos). É melhor dar livros às crianças do que preservativos. 

É tempo de realmente ouvir e descobrir o que é mais importante para as comunidades de acolhimento.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.