Família

Amaya AzconaA relação entre a Madre Vermelha, a Cáritas e as paróquias é intensa".

Na sua Exortação Programática Evangelii gaudium (A Alegria do Evangelho), o Papa Francisco apelou a "a um novo protagonismo de cada um dos baptizados". (n. 120). Omnes falou com Amaya Azcona, directora geral de Fundação Rede Mãeque explica a colaboração entre CáritasA "Igreja que se preocupa", e a Madre Vermelha, que ajuda as mulheres com gravidezes, especialmente com gravidezes não planeadas.

Francisco Otamendi-22 de Agosto de 2022-Tempo de leitura: 4 acta

Durante a recente viagem apostólica ao Canadá, o Papa Francisco teve gestos e atitudes que não passaram despercebidos. Entre estes gestosVale certamente a pena notar o seguinte: a 26 de Julho, a festa de S. Joaquim e S. Ana, antes da celebração da Missa na igreja de S. João e S. Ana, na festa de S. João e S. Ana. EdmontonFrancis pôde passear pelo estádio no popemobile, e cumprimentar e beijar uma partitura de bebés na frente de mais de 50.000 pessoas presentes. 

As questões da família e da vida na sociedade civil e a vida da Igreja são assuntos em que as dioceses e paróquias precisam de peritos, como é o caso de tantas coisas. Falamos de co-responsabilidade dos leigos, como pode ver na Edição Especial do número de Verão da Omnes. 

Amaya Azcona tem sido a directora geral durante anos da Fundação Red Madre, uma entidade que só em 2020, por exemplo, atendeu 49.535 mulheres grávidas e novas mães, mais 17.690 do que no ano anterior, e que aponta no seu Memória que 8 em cada 10 mulheres grávidas com dúvidas que se ligavam à Red Madre prosseguiram com a sua gravidez, uma vez que receberam o apoio de que necessitavam. 

Apoio à gravidez

A pergunta de Omnes a Amaya Azcona é simples. Como entidade não confessional, e não fazendo parte da organização eclesiástica, qual é a sua relação com as dioceses e paróquias? Ou não existe qualquer relação?

"Estou a responder-vos, porque é uma actividade regular da Red Madre", responde Amaya Azcona. "Red Madre é uma fundação de direito civil e não denominacional. Mas como somos uma rede, trabalhamos em rede com outras organizações, civis ou confessionais, públicas ou privadas. A Igreja Católica é uma organização importante com a qual trabalhamos regularmente. Temos uma grande relação. Por um lado, o pároco, padre, pode referir-nos mulheres que têm dificuldades em acompanhar a sua gravidez, que têm dúvidas sobre a sua continuação. De facto, as mulheres grávidas são-nos encaminhadas regularmente das paróquias para que as possamos acompanhar". 

"Também referimos muitas mulheres, depois de terem dado à luz e terem uma carreira mais estável, à Cáritas, com quem temos uma relação directa praticamente por toda a Espanha", acrescenta. "Em todas as associações Red Madre, por vezes enviamos famílias para lhes dar comida, outras vezes Cáritas de Vallecas pedem-me um carrinho para gémeos. De pequeno para grande. Sim, sempre com uma relação muito boa. Isto no que diz respeito à assistência". 

"Também se deve dizer que em algumas cidades estamos alojados em paróquias. Porque tinham espaço mais do que suficiente, porque existe uma amizade entre o pároco e a pessoa que iniciou a Red Madre. Em Cáceres, por exemplo, estamos numa paróquia, e por vezes a Igreja Católica dá-nos instalações para que possamos cumprir a nossa missão", relata Amaya Azcona.

Defender a maternidade, defender a vida

O director-geral da Fundação Red Madre refere-se agora a aspectos de formação, em áreas como a prevenção do aborto, educação afectivo-sexual, etc., e à sua missão. "É comum que tanto os porta-vozes das associações como eu, mais especificamente, sejamos convidados a dar formação. Tanto em universidades católicas como em universidades civis, e em paróquias. Por exemplo, o CEU convida-nos regularmente, e eu dei pessoalmente o meu testemunho em congressos sobre Católicos e Vida Pública. No ano em que se dedicaram à vida, dirigimos um workshop com a Red Madre, porque estão interessados na nossa missão de defender a maternidade e a vida que chega ao seu povo. Existe uma relação importante com o ACdP".

"E depois, nas paróquias, é muito normal que lá vamos. A última foi numa paróquia em Málaga, sobre como lidar com a notícia de uma gravidez não planeada, como ajudar aquela mulher que está a passar por uma situação complicada. Um católico não pode ignorar nem ficar calado.", Amaya Azcona salienta. 

"Falamos a partir da nossa mensagem, digamos não denominacional, mas que está totalmente imbricada no que a Igreja defende: a vida humana no ventre da mãe, desde a fertilização até à morte natural", explica o chefe da Fundación Red Madre.

Prevenção e acompanhamento pós-aborto

"Usamos argumentos da razão, da biologia, da sociologia, da economia, que também ajudam os católicos na sua preparação. É muito normal que eu fale na Universidade de Navarra e outros. Na Universidade Católica de Ávila, por exemplo, fizeram-me conselheira da cadeira de mulheres de Santa Teresa, juntamente com outras pessoas. É também comum que convidem Benigno Blanco, o promotor da Red Madre, eu próprio, etc., a dar uma formação muito específica sobre a defesa das mulheres como mães, não só na vida privada mas também na vida pública, porque a maternidade é um bem público".

"Por outro lado", acrescenta Amaya Azcona, "eles pedem-me muito treino sobre as consequências do aborto, como evitá-lo, e como acompanhar as mulheres que tenham sofrido um aborto. A Igreja tem programas de acompanhamento pós-aborto, e por vezes convidam-me a dar a parte de formação, talvez mais de acompanhamento psicológico no período pós-aborto".

"Por exemplo, os católicos não podem ignorar situações de gravidez não planeada", explica ele. "Temos de ajudar aquela mulher, ou aquele homem que disse ter engravidado a sua namorada. Em Espanha, o número de abortos está a diminuir em números brutos [o número de abortos foi de 88.000 em 2020, de acordo com fontes oficial], porque há menos mulheres em idade fértil, mas aumenta na proporção de mulheres grávidas.

Diagnóstico pré-natal

Falámos também com Amaya Azcona sobre diagnósticos pré-natais, por exemplo de malformação, que mais ou menos metade dos pais recuam e abortam. "Uma tragédia, diz o perito. Mas vamos deixar o assunto para outro momento, porque o espaço é limitado.

Ela deseja simplesmente recordar que a Red Madre também depende de instituições religiosas que têm casas ou apartamentos para mulheres grávidas ou mães que tenham dado à luz recentemente.

O autorFrancisco Otamendi

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.