Educação

Religião nas escolas públicas? Sim, obrigado!

O debate sobre o tema da religião tem normalmente duas frentes para se justificar. Por um lado, dialoga com a opinião pública para defender a sua inclusão no currículo educacional. Por outro lado, há quem argumente dentro da Igreja que seria melhor eliminar o assunto confessional e proporcionar uma boa catequese nas paróquias.

Santiago Mata-17 de Junho de 2022-Tempo de leitura: 4 acta

Nárnia, uma actividade religiosa católica para estudantes da escola pública de Madrid. Na foto, o rapper Grilex, na edição de 2022.

Não é raro ouvir dizer que a religião não deve constar do currículo escolar. escola pública O ensino da religião a nível secundário, e que não deve certamente ser marcado (algo que já foi imposto em Espanha pela LOMLOE). Aqueles que o dizem por vezes rejeitam o ensino da Religião como se fosse algo não científico. Outros rejeitam-na do campo católico, pensando que a sua defesa torna desconfortáveis as relações com os não cristãos, ou que é um esforço inútil face ao interesse cada vez menor dos alunos ou, ainda mais, à indiferença dos pais. Não seria melhor concentrar-se em dar uma boa catequese nas paróquias e escolas denominacionais aos que estão realmente interessados?

Quem escolhe a Religião?

Graças à minha modesta experiência como professor de Religião no ensino público durante seis anos, vi como este assunto é útil para a nossa sociedade: vou dizer-vos os resultados, se me permitirem.

Para começar, retirarmo-nos para quartéis ou cardumes paroquiais onde o peixe já é vendido, significa deixar de nos submetermos ao controlo de qualidade. No sector público, o número de alunos que exigem a disciplina - porque as crianças a pedem e não os seus pais, não nos iludamos - é cerca de um terço do total em Espanha (com grandes diferenças, na minha escola ultrapassa o 40%). Abandoná-lo não é coerente com a vocação docente e está também a desistir do desafio de ser escolhido, examinado e preferido não só pelos estudantes, mas também pela comunidade educativa em geral.

Ir para as periferias

Podemos investir recursos e dinheiro no fornecimento de magníficos professores e aulas em escolas e paróquias onde prometemos oferecer educação religiosa de qualidade... Mas fá-lo-emos distanciando-nos do lugar para onde os alunos realmente vão. E com esta distância requintada vamos traí-los, porque as crianças que preferem a classe religiosa a outras alternativas - agora na prática origami, graças ao trabalho do Ministro Celaá, hoje embaixador no Vaticano - não são susceptíveis de pôr os pés numa paróquia durante muitos anos, e muito menos de se inscreverem em classes que estão muito afastadas do seu ambiente de vida. Os estudantes que frequentam aulas de Religião em escolas públicas não só raramente ou nunca vão à missa, como nem sequer fazem a sua primeira Comunhão. Precisamente porque para o fazer, têm de sair da sua esfera de vida em constante decadência.

Em suma, a religião nas escolas públicas pode ter poucas horas, menos recursos, e um público que não está disposto a fazer um esforço. Mas é isso que acontece com todos os sujeitos, por isso ou lhes damos o que pode ser dado nestas circunstâncias, ou eles não terão nada. De muitas maneiras nós professores de Religião (da religião pública, insisto) somos informados de que as nossas aulas serão para muitos a última ocasião para ouvir falar de Deus, ou no nosso caso para ter a doutrina católica correctamente explicada a eles. É claro que não se pode colocar portões no campo ou cortar as mãos de Deus. Precisamente por esta razão, não podemos negar-lhes isto per diem. E sim, esperar que não seja a última ocasião: mas se lhes negarmos isso, eles nem sequer terão isso.

Menos preconceitos entre os alunos

Para aqueles que são reticentes em querer diferenciar - ou separar e até confrontar - a classe religiosa e a catequese, penso que estão bastante desactualizados. É verdade que houve um tempo (quando eu era jovem) em que já conhecíamos a religião católica e íamos às aulas com um espírito rebelde e um desejo de incomodar o professor. Pela minha limitada experiência, parece-me que as crianças de hoje têm a desvantagem sobre as de antigamente da sua total ignorância da Religião, mas a vantagem da sua total ausência de preconceitos: estão ansiosas por saber, enquanto nós, que já sabíamos, só queríamos dar cabo da classe. Contudo, para não idealizar o carácter, o desejo não é normalmente acompanhado por um grande espírito de sacrifício, mas por um espírito mais próximo da curiosidade dos atenienses do Areópago...

Até este ponto, espero ter fornecido algum argumento para manter, por muito pouco que seja, o que foi preservado do ensino da Religião nas escolas públicas. Seria necessário acrescentar a consideração de que é um direito humano, um direito dos pais, reconhecido na Constituição, e assim por diante. A realidade é que os pais tendem a ter outras preocupações, que a maioria não está disposta a exigir nada, nem dos seus filhos nem dos educadores, e que em Espanha foi a Conferência Episcopal que defendeu este direito, e que parece estar a ficar cansada da luta. Por esta mesma razão, talvez seja apropriado que aqueles de nós que estão conscientes de que as crianças e os jovens têm o direito de ouvir falar de Deus, e que muitos o estão a pedir, tomem o bastão.

Falar de Jesus Cristo

Não me ouvirá dizer que a religião é útil para a compreensão do mundo moderno. Não, o que os jovens precisam é de ser informados sobre Deus, sobre Cristo, não sobre a influência que o cristianismo teve na história. Em primeiro lugar, porque os professores de história e de arte já lá estão para lhes dizer isso, e sobretudo porque a influência do cristianismo está a tornar-se cada vez mais escassa e, portanto, estaríamos a mentir-lhes. De facto, deveríamos antes dizer que o professor de religião pode explicar-lhes porque é que o mundo é incompreensível e desumano, e sugerir-lhes que um outro mundo é possível.

E, finalmente, um pensamento para aqueles que criticam a Religião como se fosse algo impróprio para a educação pública num "país secular". Mesmo para aqueles que não acreditam directamente - e isto é verdade para os católicos em relação a outras religiões em relação às quais aparecemos como "infiéis" - um sentido saudável de integração social faz-nos compreender que é melhor para aqueles que ensinam Religião - seja ela qual for - fazê-lo se o desejarem nas suas casas ou nas suas igrejas, mas também na esfera pública: porque temos de conhecer os argumentos e mesmo as intenções de todos. Em suma, é melhor falar em público se quisermos evitar a corrupção, o sectarismo e o fanatismo, que exigem sigilo.

Sem auto-segregação

Se forçarmos e obrigarmos todos a dizer abertamente o que a sua religião prega, evitaremos surpresas, preconceitos desnecessários, ou esforços para desmascarar o irracional. Por outro lado, encurralar o ensino da religião nas sacristias (ou mesquitas) é o primeiro passo para a segregação e a perseguição religiosa. Basta olhar para o passado para ver como a ignorância mútua é a semente das teorias da conspiração e dos pogroms.

Em suma, expulsar a Religião do ambiente escolar público é puro sectarismo e uma agressão contra um direito muito próximo da liberdade de culto, que não pode ser exercida por ignorância. Não caiamos nós católicos na ingenuidade de acreditar que esta é a melhor solução para não parecer intransigentes.

O autorSantiago Mata

Professor e escritor de religião do ensino secundário.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.