Evangelização

Os avanços colonialistas. Desafios e respostas

O autor recorda o apelo do Papa Francisco a negar "as novas colonizações ideológicas que procuram destruir a família". 

Juan Ignacio Gonzalez Errazuriz-13 de Setembro de 2017-Tempo de leitura: 3 acta
Catedral do México.

O Papa Francisco utiliza regularmente a expressão colonização ideológica. Ele define-a como a tentativa de impor aos povos ideologias estranhas aos seus princípios. A América Latina e a África são hoje o território destas conquistas. Essa afirmação de que a nossa América Negra era o continente da esperança desvaneceu-se perante o novo colonialismo. O principal "expedições". colonizadores vêm das organizações internacionais e das Nações Unidas, que são os instrumentos do novo "missão". 

O liberalismo americano, com poder e dinheiro, é outro aliado que dedica os seus recursos à agenda. "civilizador. Financiamento do Estado para a IPPF (Federação Internacional de Planeamento Familiar) e os seus amigos ameríndios e africanos são a prova disso. Os invasores encontraram cúmplices bons e eficazes, que trabalham arduamente para impor as novas ideias. Alguns são agentes directos e outros cooperantes semi-dormentes, desarticulados no seu pensamento original, como é o caso dos partidos políticos de raízes cristãs, que se dobraram à maré da reforma. O movimento de colonização é de longa data. Vem do racionalismo do século XVIII, temperado com o secularismo do século XX, e temperado com o relativismo do século XXI. Aqueles que ontem nos trouxeram o cristianismo vieram agora tirá-lo de nós. 

O novo colonialismo é em grande parte contido pela Igreja Católica, que se opôs aos seus desígnios, mesmo que as ideias modernas tenham entrado nas suas fileiras e se tenham arrastado para mais de um teólogo que hoje sustenta posições perturbadoras dentro dela. A Igreja liderada por Pedro - Paulo, João Paulo, Bento e Francisco - não vacilou nas questões essenciais - não negociáveis - da dignidade humana, mesmo que os condenados humanos digam que as batalhas perdidas não valem a pena ser travadas. Para ser justo, o evangelismo protestante também, nos seus milhares de grupos de farpas, é uma defesa anti-colonialista. No entanto, não pode ser tomada como um todo, porque cederam em alguns fundamentos muito importantes, como a defesa da indissolubilidade do casamento, a aceitação do aborto, etc. 

Ideologia de família e género 

As bandeiras de batalha da investida colonialista são bem conhecidas. Partindo da rejeição de qualquer norma ou princípio superior, diríamos a lei de Deus e a moral cristã, os navios coloniais têm nomes precisos: a expansão do divórcio e da contracepção por toda a parte, e do casamento entre pessoas do mesmo sexo; a propagação da ideologia do género, "o ataque mais artístico contra a fé cristã".O Papa disse aos bispos chilenos, para chegarem à adopção de crianças por casais homossexuais; a tentativa de retirar os pais da educação dos seus filhos, de a deixar nas mãos do Estado; um animalismo exacerbado, que coloca os seres humanos no mesmo nível que o resto dos vivos, e tudo isto apoiado por duras leis de não discriminação que tentam abafar todas as dissidências face à ofensiva colonial. Escusado será dizer que os ataques à Igreja - aparentes ou encobertos - fazem parte do programa de invasão, mesmo que tenham cuidado com a forma e prometam não lhe tocar com a pétala de uma rosa. Toda esta força tem enormes recursos financeiros a mobilizar.

O Papa Francisco avisa-nos: "Estejamos atentos a novas colonizações ideológicas".óHá colonizações ideológicas. Há colonizações ideológicasóEles vêm de fora, é por isso que digo que são colonizações. [...] Eles vêm de fora, é por isso que eu digo que são colonizações. Não percamos a liberdade da missão.óMissão dada por Deus, a missão doóO Comité das Regiões E assimí como os nossos povos, num dado momento da sua história, chegaram à maturidade de dizer 'não' a qualquer colonização da sua terra, e como os nossos povos, num dado momento da sua história, chegaram à maturidade de dizer 'não' a qualquer colonização da sua terra.s website política, como família temos de ser muito, muito sagazes, muito espertos, muito espertos, muito espertos, muito espertos, muito espertos, muito espertos, muito espertos.áO Comité das Regiões considera que a proposta da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho de Ministros para os website ideológico sobre a família". (Encontro com as famílias, 16 de Janeiro de 2015).

Quanto tempo pode durar esta investida? Dado o longo período de incubação, é certo que vai durar muito tempo. É por isso que é necessário perguntarmo-nos como nos opormos eficazmente a ela, a fim de diminuir os seus danos. O próprio Papa deu-nos algumas pistas: ao colocar a mulher, mãe, esposa e criada na linha principal de defesa dos valores cristãos e, em particular, da família. A sua sabedoria, intuição e capacidade de sacrifício e resiliência em tempos difíceis é o caminho a seguir para não se perder. Assegurar o desenvolvimento da piedade popular, uma expressão cristã de massa, capaz de sobreviver a qualquer ataque ideológico, especialmente devido à presença nela da Mãe de Deus, que guia, cuida e encoraja o povo na sua viagem. 

A América é de um extremo ao outro uma terra de Maria, sob cuja luz ricos e pobres encontram o seu lugar na escuridão. Dando cada vez mais atenção aos jovens, que têm o dom da profecia, antecipam o futuro e são eles próprios o tempo que está para vir. Encorajar o diálogo entre as novas gerações e o nosso povo mais velho, "os anciãos tribaisDesta forma, aqueles que anunciam o futuro recebem a memória daqueles que já viveram o passado e assim transmitem os valores para os novos tempos, que não são mais do que os princípios perenes do cristianismo.

O autorJuan Ignacio Gonzalez Errazuriz

Bispo de San Bernardo (Chile)

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.