Evangelização

"A vida de Carmen Hernández representa a história da Igreja no século XX".

Carmen Hernández está mais próxima dos altares. A 4 de Dezembro, a Universidade Francisco de Vitória acolherá a sessão solene de abertura da fase diocesana da causa de beatificação e canonização do Servo de Deus. Nesta ocasião, entrevistamos Aquilino Cayuela, autor da biografia Carmen Hernández (BAC, 2021)

Maria José Atienza-4 de Dezembro de 2022-Tempo de leitura: 4 acta

A 19 de Julho de 2016 faleceu em Madrid. Carmen Hernández. Co-fundadora do Caminho Neocatecumenal, colaboradora insubstituível de Kiko Argüello, esta mulher, natural de Ólvega (Soria) está cada vez mais perto de se tornar a primeira santa ligada ao Caminho Neocatecumenal.

Esse trabalho apostólico que começou nos bairros de lata nos arredores de Madrid é hoje uma realidade, um caminho através do qual centenas de milhares de pessoas encontram Deus e vivem a sua fé.

Aquilino Cayuela

Aquilino Cayuela é o autor da biografia Carmen Hernándezpublicado pela Biblioteca de Autores Cristianos em 2021.

Este professor de Filosofia Moral e Política na Universitat Abat Oliba CEU destaca "a constância e intensidade do seu amor por Jesus Cristo, em todos os momentos, na escuridão e nas alegrias" na vida do co-iniciador da Via Neocatecumenal.

Escrever uma biografia de uma pessoa que muitos consideram ser uma santa é sempre delicado, especialmente quando aqueles que a conheciam de perto serão os seus leitores. O que significa para si escrever a biografia de Carmen?

Para mim, foi, por um lado, uma honra e, por outro, uma grande responsabilidade. Foi o iniciador, juntamente com Kiko Arguello, de uma das mais importantes realidades eclesiásticas após o Conselho. Foi de facto uma tarefa delicada que tentei levar a cabo com o máximo rigor.

Tentei fazer isto com objectividade e equilíbrio. Carmen, de certa forma, era a grande desconhecida, era tímida e reservada e teve uma experiência muito rica de Jesus Cristo e da Igreja, antes de conhecer Kiko, que quase ninguém conhecia bem. 

Como definiria Carmen Hernández?

-Ela era uma mulher de grande personalidade e iniciativa. Tem sido sempre caracterizada por um amor intenso por Cristo e pela Igreja, desde a sua infância. Era também uma mulher inquieta e não conformista, com uma forte personalidade, uma forte vocação missionária e reformista. A sua própria vida e a sua busca é exemplar, no sentido em que representa a história da Igreja no século XX, a sua renovação e todo o ambiente do Concílio Vaticano II.

A vida de Carmen Hernández não foi fácil. Que pontos da sua vida são as chaves para a catequista e missionária que viemos a conhecer?

Precisamente os pontos de viragem na sua vida: quando, como jovem, experimentou dificuldades em seguir a sua vocação missionária e encontrou a oposição do seu pai. Mais tarde, quando os Missionários de Jesus Cristo não permitiram que ela continuasse. E depois a intensidade do seu encontro com Jesus na sua primeira viagem à Terra Santa.

O seu encontro providencial com Kiko e a sua decisão de se juntarem a ele numa experiência de catecumenato, que eles próprios começaram a levar primeiro para Espanha e, um pouco mais tarde, para Itália e outros países.

O sucesso do seu próprio Caminho como iniciação cristã é uma séria responsabilidade para ela e ela experimenta momentos de ansiedade.

Carmen tem sido para muitos a mulher na "sombra", contudo, a realidade e o alcance do Caminho Neocatecumenal não pode ser compreendido sem ela. O que é que Carmen traz ao carisma iniciado por Kiko Argüello?

-Na verdade, havia uma importante complementaridade entre eles. Ela traz a liturgia, a renovação do Vaticano II, a compreensão bíblica na ligação com a tradução hebraica, a oração e o papel das mulheres na Igreja de hoje.

Agora que a causa de beatificação e canonização de Carmen é uma realidade, de que forma é Carmen um exemplo para os fiéis de hoje?

-Caro que existem diferentes aspectos que cada um pode contemplar na sua biografia, mas o que se destaca é a constância e intensidade do seu amor por Jesus Cristo, em todos os momentos, na escuridão e nas alegrias.

carmen hernandez

Em segundo lugar, o seu amor pela Igreja e pelo Papa, o seu espírito de renovação e a sua sincera vocação missionária, o que faz dela uma mulher muito ousada. A sua franqueza também se destaca. Ela é perseverante na oração e tem uma forte ligação com a Escritura. Ela é uma pessoa muito autêntica na sua vida e no seu trabalho, ela queria de todo o coração renovar a Igreja deste tempo para que homens e mulheres pudessem encontrar o amor de Deus em Jesus Cristo.

Finalmente, a sua proposta de feminilidade é um modelo muito interessante.

Beatificação e canonização

A 4 de Dezembro, a Universidade Francisco de Vitória acolherá a sessão solene de abertura da fase diocesana da causa de beatificação e canonização da Serva de Deus Carmen Hernández.

A sessão, presidida pelo Arcebispo de Madrid, Cardeal Carlos Osoro, contará com a presença da equipa internacional do Caminho Neocatecumenal, Kiko Argüello, Mario Pezzi e Ascensión Romero, e do postulador, Carlos Metola. Além disso, haverá o juramento do tribunal delegado para esta causa, formado pelo delegado episcopal para as Causas dos Santos em Madrid, Alberto Fernández; o promotor de justiça Martín Rodajo, e os notários adjuntos Ana Gabriela Martínez, R. C. e Mercedes Alvaredo.

Como explicou o postulador desta causa, Carlos Metola à OmnesA reputação de santidade de Carmen Hernández começou no momento da sua morte: "Em muitas partes do mundo há uma convicção de que Carmen viveu a sua vida em santidade: durante a sua vida, imediatamente antes e depois da sua morte". Tudo isto foi documentado. Também das visitas ao túmulo de Carmen, que já foi visitado por mais de 35.000 pessoas, na sua maioria do Caminho Neocatecumenal, mas também por muitas outras pessoas que vieram a conhecer Carmen e a sua vida".

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.