Ecologia integral

Emmanuel LuyirikaLer mais : "África rejeita a eutanásia. O foco está nos cuidados paliativos".

"Tanto em África a nível global como em cada país, a eutanásia tem sido redondamente rejeitada. O objectivo é tornar os cuidados paliativos acessíveis à população, e o principal desafio é o acesso aos medicamentos essenciais", médico ugandês Emmanuel B.K. Luyirika, director da African Palliative Care Association (APCA), que tem estado na Fundação Ramón Areces.

Francisco Otamendi-8 de Agosto de 2022-Tempo de leitura: 5 acta

Foto: Emmanuel Luyirika

Opioides como a morfina "não são suficientemente acessíveis", diz o Dr. Emmanuel Luyirika à Omnes. "Mesmo nos países que fizeram mais progressos nos cuidados paliativos. O acesso aos medicamentos continua a ser um dos maiores desafios em África. Estamos a trabalhar para envolver os governos nesta questão.

"Acreditamos que se os cuidados paliativos forem acessíveis e as necessidades do paciente forem satisfeitas, a questão da eutanásia não se colocará. Não há um grande debate social sobre esta questão [eutanásia] em África; talvez um pequeno debate na África do Sul, mas não para além disso", acrescenta ele.

Dr. Emmanuel Luyirika participou no simpósio conferência internacional 'Global Palliative Care: Challenges and Expectations', patrocinada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), e organizada pela Fundação Ramón Areces e pela Observatório Global Palliative Care Atlantes, do Instituto de Cultura e Sociedade do Universidade de Navarra, que foi designado como um novo centro colaborador da OMS para a avaliação do desenvolvimento global dos Cuidados Paliativos.

Participaram no simpósio os membros da OMS, a Associação Africana de Cuidados Paliativos e a Associação Internacional de Cuidados Paliativos, bem como o M.D. Anderson Cancer Center (EUA) e o Hospice Buen Samaritano (Argentina). 

A reunião foi apresentada por Raimundo Pérez-Hernández y Torra, Director da Fundação Ramón Areces; Marie-Charlotte Bouësseau, Chefe de Equipa do Departamento de Serviços Integrados de Saúde da Organização Mundial de Saúde na sede (Genebra); Joaquim Julià Torras, Vice-Presidente da Sociedade Espanhola de Cuidados Paliativos (SECPAL); e Paloma Grau, Vice-Reitora para a Investigação e Sustentabilidade da Universidade de Navarra.

Mais necessidade de paliativos

A questão é cada vez mais preocupante para os especialistas porque, como o simpósio salientou, o número de pessoas que necessitam de cuidados paliativos é quase será duplicado em 2060: de 26 milhões para 48 milhões em todo o mundo, como tem sido o caso no passado. relatório Omnes. Devido ao tipo de doenças que ocorrem, até metade das pessoas no mundo precisarão de cuidados paliativos para condições graves e de fim de vida. 

Actualmente, estima-se que das mais de 50 milhões de pessoas que necessitam de cuidados paliativos por ano, 78 % vivem em países de rendimento baixo e médio, enquanto que apenas 39 % de países relatam uma disponibilidade generalizada de cuidados paliativos.

O evento proporcionou uma nova oportunidade para promover os cuidados paliativos, discutir os desafios que enfrenta em todo o mundo e reiterar o empenho da OMS nos cuidados paliativos, aproveitando a publicação do relatório 'Avaliar o desenvolvimento dos cuidados paliativos a nível mundial: um conjunto de "indicadores accionáveis", preparados em conjunto com Atlantes.

O Dr. Emmanuel Luyirika responde Omnes sobre os cuidados paliativos em África.

Como se desenvolvem os cuidados paliativos em África e que países se encontram na vanguarda deste desenvolvimento?

- Os países mais avançados no desenvolvimento de cuidados paliativos em África situam-se sobretudo na África Oriental e Austral, incluindo África do Sul, Uganda, Malawi, Quénia e Zimbabué. Os países no fim deste desenvolvimento são os países da África Central, especialmente os francófonos. É necessário fazer mais para os trazer a bordo no desenvolvimento de cuidados paliativos. No entanto, mesmo nos países mais avançados, ainda há muito trabalho a ser feito. 

Quais são os desafios para os países que se encontram na cauda deste desenvolvimento?

- O principal desafio é o acesso a medicamentos essenciais para os cuidados paliativos. Este desafio tem duas vertentes. Por um lado, existem regulamentos e restrições no acesso a estes medicamentos e, por outro lado, existe também a falta de recursos para os adquirir. O outro grande desafio é a falta de pessoal formado para administrar cuidados paliativos. Do mesmo modo, faltam também os instrumentos de recolha de dados sobre doentes paliativos. Evidentemente, a falta de financiamento para os cuidados paliativos é uma das maiores dificuldades, bem como a falta de directivas ou políticas que tenham isso em conta. 

Nestes países, os cuidados paliativos são financiados pelo governo ou por indivíduos e famílias?

- Na maioria dos países existe uma parte financiada pelo governo. No Uganda, por exemplo, o governo financia toda a morfina que os doentes paliativos necessitam, para que os indivíduos não tenham de pagar com o seu próprio dinheiro por este medicamento. A morfina pode ser acedida em caso de necessidade, quer esteja numa instituição médica pública ou privada, sem custos, mas tal não é possível noutros países. 

No Botswana, o governo financia cuidados paliativos tanto em instalações públicas como privadas. O governo sul-africano fornece recursos para que as instituições de caridade implementem cuidados paliativos. Estes países estão na vanguarda a este respeito, juntamente com o Ruanda, que tem uma segurança sanitária nacional que permite o acesso a cuidados paliativos. O trabalho do Malawi, que está a fazer grandes esforços e tem estado bem posicionado nos últimos rankings mundiais, deve também ser destacado. 

Os opiáceos como a morfina são acessíveis em África? 

- Não são suficientemente acessíveis. Mesmo nos países que fizeram mais progressos nos cuidados paliativos. O acesso aos medicamentos continua a ser um dos maiores desafios em África. Estamos a trabalhar para envolver o governo nesta questão. É um problema que não é um factor único. Há muitos factores. Temos de sensibilizar os políticos e as pessoas que concebem os regulamentos, a consciência entre os centros de saúde, entre os doentes... mas também temos de conseguir o dinheiro para criar sistemas para administrar estes medicamentos. 

Que tipo de problemas tem o doente que necessita de cuidados paliativos em África?

- O doente que requer cuidados paliativos em África é um doente que tem cancro, mas também pode ser um doente com VIH, ou com doenças tropicais... ou pode ter insuficiência renal ou cardíaca devido a infecção ou algum outro tipo de doença. Também pode haver pacientes com doenças genéticas. O perfil é muito variado. 

Depois do Covid-19, como vê o futuro dos cuidados paliativos em África??

- O futuro dos cuidados paliativos após o Covid-19 deve depender da tecnologia, da possibilidade de acesso aos serviços através da tecnologia. O telemóvel tem sido amplamente utilizado em África e está agora a tornar-se uma plataforma onde os pacientes podem entrar em contacto com os profissionais de saúde. É também importante formar o pessoal em cuidados paliativos; é também importante educar o pessoal nas unidades de cuidados intensivos para que saibam quando encaminhar um doente para cuidados paliativos. O futuro dos cuidados paliativos reside também na integração dos cuidados paliativos no sistema de saúde, em vez de os deixar em centros isolados. 

Existem alguns países africanos que tenham aprovado a eutanásia?

- Não, a eutanásia tem sido redondamente rejeitada em África. Tanto em África a nível global como em cada país individualmente. O enfoque está em tornar os cuidados paliativos acessíveis à população: acreditamos que se os cuidados paliativos forem acessíveis e as necessidades do paciente forem satisfeitas, a questão da eutanásia não se colocará. Não há um grande debate social sobre esta questão em África; talvez um pequeno debate na África do Sul, mas não para além disso. 

Isto conclui a entrevista com a Dra. Luyirika. Outro panelista no simpósio internacional, Matías Najún, chefe do Serviço de Cuidados Integral (Paliativo) do Hospital Universitário Austral e co-fundador e actual presidente do Hospice Buen Samaritano (Argentina), salientou que "a investigação mostra que a pobreza reduz o acesso aos cuidados paliativos, que por sua vez é um bem muito escasso em todo o mundo".

Na sua opinião, "nos nossos sistemas de saúde, que são concebidos para as especialidades agudas ou focalizadas, os pacientes paliativos são evitados, mas se também são pobres, tornam-se quase invisíveis", lamentou. Nestes casos, em que "a complexidade da vida é muito maior do que a doença", apelou a "ser criativo para os tornar visíveis, prestando cuidados acessíveis e adaptados a estes pacientes", porque "para além da realidade social, quando alguém sofre, a grande pobreza não é apenas uma questão económica; a falta de cuidados que dignifica nesse momento é também uma preocupação", sublinhou.

O autorFrancisco Otamendi

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.