Enfoque

Acompanhamento de jovens. Precisam de ser tratados com seriedade

Fulgencio Espa Feced-11 de Abril 2017-Tempo de leitura: 10 acta
Jovem numa missa.

Assumir que o acompanhamento espiritual tem as suas raízes não na terra mas no céu, e que produz os seus frutos na história, é jogar com uma vantagem. Basicamente, qualquer realidade que lide com o sobrenatural é susceptível de ser interpretada desta forma. De facto, a imagem da árvore invertida que se enraíza no céu e dá fruto nos altares foi fecundamente detalhada durante a era patrística em referência à Eucaristia. A seiva escorre pelo tronco da cruz e é vertida nos dons eucarísticos, feitos o corpo e o sangue de Cristo. 

As letras são portanto marcadas pelo selo do sobrenatural. Falo de acompanhamento espiritual numa perspectiva de graça, de dom sobrenatural. Vamos descrever as características essenciais de um encontro entre irmãos ou, se preferir, entre um filho e o seu pai. A paternidade espiritual e a fraternidade cristã estão na origem desta prática espiritual. No acompanhamento, não há clientes, como no treinoNão há pacientes, como na psiquiatria; há simplesmente irmãos e irmãs. No colóquio espiritual não há terapia, como no mundo legítimo e lucrativo da psicologia; há abertura de coração, diálogo fraterno, conversa filial. 

Quando se quer realizar qualquer tipo de estudo, a primeira pergunta de qualquer ensaísta ou investigador é sobre as fontes. Onde se encontrará o conhecimento? Que bibliografia deve ser consultada? Que artigos foram publicados recentemente?

Escrevo sobre o acompanhamento espiritual dos jovens, e confesso que a fonte fundamental para estas cartas têm sido os próprios jovens. Por outras palavras: para descrever esta árvore de graça que é o acompanhamento espiritual, começo - porque não? - por detalhar os seus maravilhosos frutos nos corações jovens. Nestes anos de vida pastoral, tenho visto muitos deles crescerem no calor do diálogo espiritual. Nesta reflexão é necessário tirar os nossos sapatos, estamos a pisar terreno sagrado (cf. Ex 3, 5): a tarefa da graça nas almas é tão delicada que merece a nossa primeira atenção.

Fruta

Uma planta improdutiva não é definida pelo seu fruto. Se nos dermos ao trabalho de procurar o termo evangélico "tara" no dicionário da Academia Real da Língua Espanhola, não encontraremos a palavra "fruto" no mesmo. Diz-se que é uma planta tóxica, difícil de remover sem arrancar também as boas sementes, o que pode danificar por si só colheitas inteiras.

Por outro lado, se se procura "trigo", a referência à sua bela "fila de cereais e frutos" é quase imediata. O fruto diz muito sobre a planta, ao ponto de poder qualificar a sua existência como benéfica ou prejudicial.

Agora, qual é o fruto produzido pelo acompanhamento espiritual nas almas jovens? Acima de tudo, o amor. Sei que parece genérico ao ouvido céptico, e como está no meu espírito fazê-lo acreditar, desceremos bem abaixo para detalhar o que, neste contexto, o amor significa.

Começa, mesmo que não seja procurado (talvez porque não é procurado), com um amor correcto por si próprio. Muitas raparigas e rapazes aprenderam a respeitar-se a si próprios através do acompanhamento espiritual. Quando o diálogo é extremamente suave, leva a esse respeito que começa por si próprio. Os rapazes começam a pensar que são capazes de alguma coisa. Já ouviram demasiadas vezes palavras de censura, julgamentos pouco sábios - e talvez falsos - sobre a bondade de tempos passados, julgamentos reprovadores da sua vontade inconstante. Finalmente, alguém acredita neles, e não me refiro ao companheiro espiritual, mas ao próprio Deus. Pouco a pouco, chega-se à impressionante convicção de que algo me espera, Aquele que existia antes do nascimento das montanhas ou da terra, e que sempre e para sempre foi Deus (cf. Sl 89:2).

O amor é sempre uma questão de partilhar algo. Amans amato bonum velitdisseram os clássicos. Por outras palavras, amar é partilhar o bem. Descobrir à jovem alma que tem algo a partilhar com Deus é abri-la ao excitante mundo da oração. O coração torna-se grande no diálogo da oração, porque a juventude - desde que seja jovem - não percebe as dificuldades quando percebe a grandeza do amor, a beleza de um ideal amoroso. Tudo isto é revelado quando se persevera na oração, e o acompanhamento espiritual é sinónimo de palavras de encorajamento quando se trata disso. 

No colóquio espiritual aprendemos a rezar, crescemos na nossa relação com Deus, tentamos trazer a pessoa "cara a cara" com Deus (cf. Ex 33, 11). Tal como Abraão, queremos ouvir a sua voz (cf. Gn 12,1). No início, podemos não estar conscientes de que esta escuta pode significar também deixar a nossa própria terra. Isto não importa. Deus não pede nada que não dê primeiro. O diálogo regular com o companheiro está fundamentalmente orientado para o cumprimento da Sua vontade; a vontade de Deus. O principal e primeiro tema da conversa espiritual é a oração, a oração, a queixa e a acção de graças a Deus: o diálogo íntimo com Ele.

A luz da graça recebida na oração revela as divisões da alma. O que significa isto? Como documento preparatório para o Sínodo dos Bispos de 2018 sobre os jovens, "O coração humano, devido à sua fraqueza e pecado, está normalmente dividido devido à atracção de reivindicações diferentes ou mesmo opostas". O jovem toma consciência desta oposição, e distingue, mais uma vez, os frutos daqueles ramos que afundam as suas raízes no céu dos que nascem de e para o mundo. O acompanhamento espiritual desperta no jovem um anseio pelo melhor, e abre o seu coração e a sua inteligência a uma vida com significado. 

O jovem que se deixa acompanhar espiritualmente com autenticidade escapa ao conformismo e deixa de agir apenas se "paga" ou "não paga". No seu coração reside algo mais do que sensualidade e conforto, que nada tem a ver com uma ideologia pesada, mas sim com um amor ardente. 

O jovem que reza com sinceridade, e vai ao fundo incessantemente, faz a sua alma brilhar com os mais belos brilhos. Ele não se deixa enganar. Ele descobre a pérola escondida, e é capaz de vender tudo o que tem para a adquirir (cf. Mt 13, 45-46). É muito mais do que um jovem com valores; é um jovem com uma vida sobrenatural. Encontrou o tesouro escondido do amor de Deus e vê um mundo diferente: não vê estranhos, mas sim irmãos; não experimenta dificuldades, mas provas no amor; não conhece a queixa, mas o desafio da doação de si mesmo.

No percurso da vida, o documento afirma, é uma questão de escolha, "porque não se pode permanecer indefinidamente indeterminado". Mas temos de nos equipar com os instrumentos para reconhecer o apelo do Senhor à alegria do amor e escolher responder a ele". O fruto mais sobrenatural que o acompanhamento espiritual pode produzir na juventude é o discernimento da própria vocação, porque implica a serena convicção de um amor extraordinário a Deus que, na sua infinidade e omnipotência, fez a reparação da minha pobreza. 

"Ouve, minha filha, olha, inclina o teu ouvido; o rei está fascinado com a tua beleza. ele é o vosso Senhor". (Sl 44,11). Este, e nenhum outro, é o contexto de qualquer vocação: um diálogo de amor em que se tem algo a dar. Isto é o mais belo: que Deus quer implorar algo da alma jovem. E isto é o excitante: que este rapaz, esta rapariga, lho possa dar. Pode um fruto de tão extraordinária beleza estar enraizado num lugar que não seja o próprio céu?

Ramos e caules

Estes frutos maravilhosos "encaixam" numa personalidade muito específica: uma humanidade que quer crescer. A juventude é uma época de ideais, e quem pensa que este é o fim do século passado não está de facto a tratar ou não sabe como tratar os jovens. Perder a esperança de que a juventude pode ser a era dos sonhos é perder a esperança em toda a humanidade. 

"A juventude não é feita para o prazer", disse com razão o poeta Paul Claudel, "mas por heroísmo".. Hoje, como sempre, os jovens precisam alguém que o lembra da sua grandeza. Aqueles frutos que são os corações nobres dos jovens pendurados em ramos que precisam de ser podados, num caule digno da mais requintada atenção. Em suma, os jovens precisam de ser seriamente abordadoA juventude deve ser vista como um sinal de um jovem, não como moralmente deficiente ou, pior ainda, psicologicamente incapaz. A juventude deve ser sinónimo de maior generosidade, não de uma vida atrofiada.

São necessários homens que compreendam o que realmente interessa aos jovens, e que os possam mover para o amor mais belo. Dizem-no - perguntam-no! - eles próprios. Os guias espirituais devem ser persuadidos do heroísmo da juventude. 

"Fomos capazes de responder.disse um padre idoso ao grupo de padres amontoados à sua volta, "porque alguém teve as suas esperanças para nós". Meninos e meninas precisam que alguém E muitas vezes aprendem isto não tanto como resultado de longas conferências, mas como consequência de uma verdadeira paixão por eles de mil maneiras: os seus ideais, os seus gostos, as suas canções, os seus valores, as suas preocupações. Quere-os

Porque alguém tem as suas esperanças para nós. Aqueles que acompanham espiritualmente devem gravar estas palavras nos seus corações se desejarem sinceramente ajudar os jovens. Estar entusiasmado com a juventude, estar entusiasmado por um jovem ser chamado por Deus a uma dedicação sem reservas, estar entusiasmado por todos eles poderem alcançar as alturas mais altas do amor de Deus. Ter uma paixão pela juventude torna os jovens nobremente apaixonados. Rapidamente notam quem tem o desejo de viver, o compromisso de ser alegre e a confiança na juventude. Quando o padre ou o director espiritual tem entusiasmo pelos jovens, ele consegue comunicar as suas aspirações naturalmente, sem fingimentos ou coisas estranhas. Finalmente encontram um adulto que os compreende e fala ao seu coração, que não quer tirar nada sobre eles, mas apenas quer que encontrem a verdadeira felicidade: a sua própria (e superior) maneira. Não há suspeita, pelo contrário: eles sabem que podem falar com ele sobre as suas coisas mais íntimas, porque nunca lhe parecerá demasiado. Este homem, esta mulher, ensina continuamente em palavras e actos que ser de Deus é um dom, e que aquele que foi escolhido por Deus é privilegiado. 

Fomos capazes de responder, porque alguém depositou as suas esperanças em nós. Para voltar à símile agrícola, a planta da juventude deve ser cuidada à custa dos maiores esforços, mas o maior de todos é amá-la sinceramente e de todo o coração. Com o seu amor e as suas palavras, o companheiro espiritual livrará o jovem das muitas pragas a que está exposto: respeito humano, crítica feroz, procrastinação, sensualidade e falta de raízes. 

Medo de Deus

O acompanhamento espiritual requer o domínio de um tratador de bonsái. Extrema delicadeza ao lidar com a alma cristã. O curso da conversa espiritual tratará de várias questões: oração, fé em Deus, dúvidas e preocupações, os sacrifícios do dia e as circunstâncias da vida quotidiana. Cada pessoa tem a sua própria forma de participar nesta conversa, mas em todos os casos deve procurar-se o encontro mais sincero e verdadeiro com Deus. É tarefa do guia espiritual ouvir e trazer o jovem perante Deus para que ele não faça o que quer fazer, mas o que conduz ao maior amor de Deus. É tarefa do professor abrir horizontes de justiça e amor que são a força motriz por detrás das decisões mais difíceis; mover as almas para a comunhão com Deus, a fim de trazer o céu à terra. 

Esta extrema delicadeza é correspondida pela máxima sinceridade. Uma pessoa é sincera e diz tudo o que sabe, e isto representa pelo menos três aspectos do maior interesse. Em primeiro lugar, significa que nada se esconde por vergonha ou por medo de parecer mal. Nunca se tem mau aspecto na direcção espiritual se se disser a verdade.. Para tal, o companheiro nunca deve mostrar desilusão, porque tal atitude não seria de todo evangélica. Será que o pai do filho pródigo alguma vez mostrou uma sombra de desilusão?

Em segundo lugar, ser sincero significa aprofundar e crescer dia após dia no seu próprio conhecimento. Digamos todos o que se sabe não significa conhecê-lo todos. A fim de se deixar acompanhar, é apropriado ter um espírito profundo de exame que ajude a um auto-conhecimento progressivo.

Finalmente, ser sincero significa ser dócil às indicações. Se se diz sempre tudo e nunca se ouve os conselhos, dificilmente se encontrará um instrumento eficaz para a vida espiritual.

Raiz

A raiz está no céu; ou melhor, no céu que se tornou terra: Jesus Cristo. Ele é o primeiro exemplar e paradigma absoluto de todo o acompanhamento espiritual, que se exprime na totalidade da sua humanidade: o olhar amoroso (a vocação dos primeiros discípulos, cf. Jo 1, 35-51); a palavra autorizada (o ensinamento na sinagoga de Cafarnaum, cf. Jo 1, 35-51); a palavra autorizada (o ensinamento na sinagoga de Cafarnaum, cf. Jo 1, 35-51). Lc 4,32); a capacidade de se tornar um vizinho (a parábola do Bom Samaritano, cf. Lc 10,25-37); a escolha de caminhar ao lado (os discípulos de Emaús, cf. Lc 24,13-35); o testemunho de autenticidade, sem medo de ir contra os preconceitos mais difundidos (a lavagem dos pés na Última Ceia, cf. Jo 13,1-20). 

Através da humanidade de Jesus, a graça veio aos primeiros discípulos, aos habitantes de Nazaré, aos que ouviram os seus ensinamentos, aos discípulos de Emaús e aos Apóstolos. Através do acompanhamento espiritual, torrentes de graça continuam a fluir para os jovens, tirando-os do anonimato mais tedioso, e levando-os às alturas mais altas do amor de Deus: como a Pedro e Tiago, como a João e André, como a Maria Madalena.

O objectivo, neste caso, é a origem. O acompanhamento espiritual, que está enraizado na graça de Deus, tem o próprio Deus como seu fim. Muitas pessoas procuram estar bem. Os jovens também o fazem. Faz sentido; ninguém gosta de se sentir mal. O acompanhamento espiritual contribui certamente para a paz interior, mas o seu objectivo é mais transcendente. Em última análise, o acompanhamento espiritual quer conduzir o jovem à santidade, e por esta razão é para cada alma cristã. No último Conselho foi-nos recordado este apelo universal à santidade, e ligado a ele poder-se-ia legitimamente sublinhar que existe também um apelo universal ao acompanhamento espiritual.

É verdade que o acompanhamento espiritual não é o único meio para a santidade. Os meios de santificação são infinitos, tal como o amor de Deus por cada criatura é infinito. Mas, como uma alma jovem salientou, o acompanhamento espiritual é uma fina chuva, uma sugestão delicada, uma indicação suave que move fortemente os corações e torna as almas fecundas. De facto, o acompanhamento espiritual não é o único meio de santificação, mas é um dos mais privilegiados.

Uma comunidade jovem na qual o acompanhamento espiritual é vivido de forma correcta fala claramente de um todo e de um indivíduo bem dirigido. A conversa regular com o homem ou a mulher espiritual coloca cada alma e toda a comunidade no caminho certo. 

O que vimos com os nossos olhos (1 Jn 1,1)

"Os judeus puderam ver milagres", disse São João Crisóstomo numa das suas catequeses; "Também os verá, e ainda maiores e mais deslumbrantes do que quando os judeus saíram do Egipto". 

O milagre é uma bela colheita; foi o que os nossos olhos viram e as nossas mãos sentiram. Uma colheita divina, que fala de jovens dedicados, totalmente moderna e totalmente cristã. O mesmo fruto (o caminho para a santidade) expresso de formas muito diferentes: almas consagradas na vida religiosa, jovens dedicados ao sacerdócio, rapazes e raparigas que abraçam o celibato apostólico e dezenas e dezenas de jovens que formam famílias de acordo com o amor de Deus. De facto, milagres mais deslumbrantes do que quando os judeus saíram do Egipto: o triunfo do amor da Nova Aliança (graça) na jovem alma.

"Mais do que nunca precisamos de homens e mulheres que, pela sua experiência de acompanhamento, conheçam os processos em que prevalecem a prudência, a capacidade de compreensão, a arte de esperar, e a docilidade ao Espírito".O Papa Francisco declarou na sua Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, "para cuidar das ovelhas confiadas aos nossos cuidados pelos lobos que tentam desmembrar o rebanho". (n. 171). 

Proteger o rebanho, cuidar da planta.... e fazê-la crescer. "No compromisso de acompanhar as novas gerações, a Igreja".o documento preparatório para o Sínodo de 2018, "congratula-se com o seu apelo a colaborar na alegria dos jovens, em vez de tentar assumir a sua fé (cf. 2 Cor 1,24). Tal serviço radica em última análise na oração e no pedido do dom do Espírito que guia e ilumina cada um e todos".

O autorFulgencio Espa Feced

Pároco de Santa Maria de Nazaret (Vallecas, Madrid)

Leia mais
Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.