A SIDA e a Igreja

O dogma do sexo livre desfocou a luta contra a SIDA ao apontar o dedo da culpa por essa terrível pandemia à própria pessoa que mais estava a fazer pelos doentes.

1 de Dezembro de 2022-Tempo de leitura: 3 acta
Centro Paqui Cabello_AIDS

Lembra-se quando, nos anos 80 e 90, a Igreja Católica foi considerada praticamente responsável pela propagação da SIDA? O tempo estabeleceu o recorde e mostrou quem realmente apoiou as vítimas e quem usou o VIH apenas como uma arma ideológica.

Se tiver mais de 30 anos, provavelmente também já sentiu um arrepio quando ouviu falar da SIDA. Durante as últimas décadas do século passado, a doença causou um choque terrível em todo o mundo, uma vez que as pessoas infectadas tinham apenas um prognóstico: morte; acompanhada de um estigma social cruel.

Nesses anos de medo e incerteza em torno da SIDA, a Igreja Católica esforçou-se por cuidar daqueles que ninguém queria, oferecendo não só cuidados médicos apesar da grande ignorância que existia sobre a doença, mas também o amor e o acompanhamento necessários para que estas pessoas tivessem uma morte digna.

Em Málaga, por exemplo, o Abrigo Colichet foi um projecto conjunto da Cáritas Diocesana e das Filhas da Caridade em que as "atormentadas" encontraram um lar onde se sentiram amadas. Num turno, três pessoas doentes morreram", explicou o seu director, Paqui Cabello, numa entrevista recente. Eles estavam de partida e não havia nada que se pudesse fazer. Era um sentimento de vazio como se estivessem a tirar parte da sua vida".

Contudo, nesses anos, ninguém falou das noites sem dormir de Paqui, nem das preocupações da Irmã Juana, médica e filha da Caridade, quando se tratava de cuidar de doentes com uma doença praticamente desconhecida: "Eu própria estava morta de medo", disse ela, "porque não sabíamos o que estávamos a enfrentar". Falou-se muito, contudo, da atitude "inaceitável" da Igreja ao opor-se à solução quase única para o problema oferecida pelos grandes grupos de poder: a promoção do uso do preservativo.

Com o benefício da visão a posteriori e a experiência da pandemia de Covid, fiquei convencido de que a campanha contra a Igreja não era mais do que um plano de guerra ideológica, talvez apoiado pela indústria farmacêutica, para apoiar o paradigma sexual que emergiu a partir de Maio de 68, que estava a vacilar face à emergência do VIH. Evidentemente, os dispositivos de barreira (preservativos ou máscaras, dependendo da via de transmissão) são necessários em certos casos, mas o coronavírus não demonstrou que só eles não são suficientes e que outras medidas relacionadas com a mudança de hábitos são necessárias? Com o coronavírus, foi-nos dito que não podíamos sequer visitar os nossos parentes, ficámos fechados em casa durante meses, mas, com a SIDA, não se podia sequer sugerir menos promiscuidade sexual! O dogma do sexo livre desfocou a luta contra a SIDA ao apontar o dedo da culpa por essa terrível pandemia à própria pessoa que mais estava a fazer pelos doentes.

Hoje, graças a Deus, a SIDA deixou de ser uma doença fatal para se tornar uma doença crónica no primeiro mundo. E a Igreja continua na vanguarda da luta contra o VIH e as suas consequências: pesquisar novos tratamentos nos seus hospitais e universidades, trabalhar na prevenção, cuidar de pessoas seropositivas, acompanhar com cuidados paliativos aqueles que foram despejados pela pobreza, cuidar dos milhões de crianças órfãs pela doença e exigir que mesmo os pobres tenham acesso a medicamentos modernos. Estima-se que um em cada quatro doentes com SIDA do mundo é atendido numa instituição da Igreja Católica e a OMS afirma que 70% dos serviços de saúde em África são prestados por organizações baseadas na fé.

Neste Dia Mundial da SIDA, vamos ouvir grandes discursos daqueles que encontram no VIH apenas mais um motivo para fazer engenharia social, promover a colonização ideológica ou simplesmente posturas. Eu, com o aval da minha experiência, ficarei pelas simples palavras daqueles que não têm terminais ou lobbies poderosos de meios de comunicação que jogam com cartas marcadas. Fico com o vazio de Paqui na perda de um novo paciente, e com a repulsa da Irmã Juana ao cuidar de um novo paciente. Eles conhecem realmente a SIDA e a Igreja.

O autorAntonio Moreno

Jornalista. Licenciado em Ciências da Comunicação e Bacharel em Ciências Religiosas. Trabalha na Delegação Diocesana dos Meios de Comunicação Social em Málaga. Os seus numerosos "fios" no Twitter sobre a fé e a vida diária são muito populares.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.